Na guerra do voto ‘impresso’, ninguém tem razão

Debate foi deturpado brutalmente e não há respostas concretas para a maioria das perguntas
-Publicidade-
O debate sobre o voto 'impresso' foi deturpado
O debate sobre o voto 'impresso' foi deturpado | Foto: José Cruz/Agência Brasil

(J. R. Guzzo, publicado no jornal Gazeta do Povo em 19 de julho de 2021)

Nada chama mais atenção, na atual guerra movida pelo ministro Barroso e pelo resto do STF contra a adoção de alterações no atual sistema de voto eletrônico para as eleições de 2022, quanto a quantidade de perguntas não respondidas sobre o que, afinal, está acontecendo nessa história. O debate foi deturpado, brutalmente, com as repetidas declarações do presidente da República de que o voto eletrônico “puro”, como ele é hoje, leva à fraude na apuração; ele disse também que sem um novo sistema, mais seguro e verificável, não haverá eleições limpas no ano vem, e se não houver eleição limpa não haverá eleição nenhuma.

A primeira pergunta sem resposta vem daí: o que o presidente faria, na prática, para suspender as eleições caso o sistema não seja mudado? Coloca a tropa na rua, fecha o Congresso e o Supremo, baixa um Ato Institucional? E aí: de que jeito fica no governo? Bolsonaro diz, também, que foi vítima de fraude eleitoral. Quais as provas que têm disso? Já prometeu apresentá-las um monte de vezes, mas até agora não apresentou nada. Por quê?

-Publicidade-

Em matéria de perguntas não respondidas essas já seriam mais do que suficientes, mas o extraordinário nisso tudo é que o lado oposto também não consegue responder nada: defende o atual sistema como se ele fosse a criação mais perfeita da humanidade até hoje, mas não foi capaz até agora de trazer à discussão um único argumento sério em favor de qualquer dos pontos que declara essenciais para a sobrevivência da democracia no Brasil.

Uma dessas perguntas sem resposta, ou respondida com raciocínios de terceira categoria e com mentiras puras e simples é: por que o STF nega ao Congresso Nacional o direito de debater qualquer alteração no atual sistema de voto e apuração? Tudo bem que o ministro Barroso seja contra, como Bolsonaro é a favor — mas por que o Congresso não pode decidir sobre o assunto? Não adianta dizer que pode, porque não pode — tanto não pode que o ministro Barroso e acólitos se meteram diretamente em conversas com deputados para melar a discussão do projeto sobre o tema que tramita na Comissão de Justiça. O STF não quer, nem mesmo, que o assunto vá a plenário. De novo: por que os deputados não podem decidir a questão votando livremente sobre ela?

Por que não se pode pensar em nenhum aperfeiçoamento técnico para um sistema que está aí desde 1996? De lá para cá a tecnologia eletrônica mundial não descobriu nada que pudesse melhorar o processo? Por que Barroso diz que a mudança será caríssima — R$ 2 bilhões — quando só o fundo eleitoral que os políticos acabam de aprovar em seu favor é de R$ 6 bilhões — três vezes mais? Por que os ministros insistem em dizer que o voto auditável vai violar o sigilo eleitoral (os “coronéis” exigiriam do eleitor a apresentação do recibo impresso de como votaram), se nenhum eleitor vai levar recibo nenhum para casa? Como advertir dos perigos de “judicialização” das eleições se a Justiça Eleitoral, já hoje, vive soterrada com processos de candidatos, uns contra os outros?

Mais que tudo: se Lula já está com mais de “50% dos votos” nas pesquisas, e vai ganhar no primeiro turno segundo o DataFolha e seus subúrbios, por que esse desespero todo em segurar o sistema como ele está? O candidato do STF — foi o STF que reinventou a vida política de Lula, e lhe deu a candidatura de presente — não vai ganhar de qualquer jeito? Ou será que está havendo algum problema com a sua candidatura e os seus milhões de votos? Será que Bolsonaro achou um jeito de roubar a eleição por conta do “voto impresso”? De que jeito? Barroso realmente não pode acreditar numa coisa dessas, pode?

Uma coisa é certa: quando há muitas perguntas sem respostas, estão tentando dar um golpe em você.

Leia também: “Cuba e o velho Lula de sempre”, artigo de J. R. Guzzo publicado em Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

14 comentários

  1. Corretíssima a análise, a quem interessa pouca transparência? Fiz a assinatura e estou muito satisfeito com a revista

  2. Este país está uma m…
    No momento em que se eliminar a condição natural da democracia que é a lisura, estamos a um palmo da ditadura.

  3. O MEDO DA ESQUERDA É O MESMO DESDE O SURGIMENTO, O ESPELHO, AFINAL, QUANDO AS URNAS DISSEREM NA REALIDADE QUANTOS DESAVISADOS AINDA APOIAM UM LADRÃO DE NOVE DEDOS, E A ESQUERDA SE VER NUA, HORROROSA DIANTE DO ESPELHO, DAÍ MEUS CAROS, ACABOU A MAMATA, A CHORADEIRA, AS MENTIRAS, AS ENGANAÇÕES, OS TRUQUES, OS ESQUEMAS, E TODA A SORTE DE MARACUTAIA Q ESSES PICARETAS NOS FAZEM ENGOLIR HÁ DÉCADAS.

  4. A única pergunta que realmente interessa tem resposta certa.
    As urnas brasileiras são confiáveis?
    Resposta única: NÃO!
    Sem voto impresso auditável na próxima eleição, a fraude é 100% previsível.
    Punto e basta!

  5. Qual o problema de uma máquina imprimir o vota e deixá-lo guardado para uma eventual verificação em caso de dúvida? A quem isto prejudica? Porque o Congresso não pode decidir, SEM PRESSÃO do STF, sobre isso? Será porque o STF quer o Lula presidente? Tudo indica que sim… Ah, isso seria muito caro? E as despesas do STF com mordomias (lagostas, viagens,…). e o Fundão? E o TSE, que só existe no Brasil? Tudo isso é barato e serve ao povo?

  6. Gostei particularmente do “candidato do STF”, que ficou claríssimo quem é, e também que estão “querendo dar um golpe em você”, nada mais óbvio. Pobre Brasil.

  7. O que mais me causa especie é o radicalismo…Guzzo é um genio, e bastou fazer colocações questionando ações e “defensores da direita” se arvoram a tomá-lo como “vira casaca”….o homem fez apenas uma reflexão, seria interessante analisarmos antes de jogarmos pedras…por isso estamos nessa draga…tamo fu…

  8. Proposta ALTERNATIVA ao Voto Impresso garante, sem necessidade de aprovação de PEC, 95% de confiança ao resultado das eleições, com 1% de margem de erro e com custos mínimos, se forem adotados os procedimentos sugeridos nesse vídeo do Canal OBTJ -> https://youtu.be/ebVV0EldkOY. Nada mais é que um teste de integridade em tempo real a ser realizado no dia das eleições em apenas 2% das urnas. Essa ideia resolve toda a polêmica, lembrando que o próprio voto impresso pode ser fraudado.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site