‘Não sou o Jairzinho paz e amor, mas a idade dá certa maturidade’

Presidente Jair Bolsonaro fala sobre manifestações de 7 de Setembro e relação com o Judiciário: 'Quanto mais pacificar, melhor'
-Publicidade-
Bolsonaro: 'Esperavam que eu fosse chutar o pau da barraca'
Bolsonaro: 'Esperavam que eu fosse chutar o pau da barraca' | Foto: Alan Santos/PR

Na entrevista concedida à revista Veja (leia mais aqui), o presidente Jair Bolsonaro também falou sobre as manifestações de apoio ao seu governo que levaram centenas de milhares de brasileiros às ruas. Segundo ele, a Declaração à Nação, divulgada dois dias depois, serviu para acalmar o ambiente político e pacificar as relações com os demais Poderes, principalmente o Judiciário.

“Não sou o Jairzinho paz e amor, mas a idade dá certa maturidade. Depois das manifestações de 7 de Setembro, houve a reação do STF [Supremo Tribunal Federal]. Teve o telefonema do [Michel] Temer, ele falou para mim: ‘O que a gente pode fazer para dar uma acalmada?’. Respondi que o que eu mais queria era acalmar tudo”, afirmou. “Acabou o 7 de Setembro, é um movimento, talvez um dos maiores do Brasil, o povo está demonstrando espontaneamente o que quer, como liberdade. Então, ele falou que tinha umas ideias. ‘Você pode falar para mim?’ ‘Eu prefiro conversar pessoalmente.’ ‘É um prazer.’ Mandei um avião da Força Aérea trazer ele para cá, ele trouxe uns dez itens, mexemos em uma besteirinha ou outra, duas ou três com um pouquinho mais de profundidade, estava bem-feito, casou com o meu pronunciamento e divulguei.”

Leia mais: “Bolsonaro: ‘Vai ter eleição, não vou melar, fique tranquilo’”

-Publicidade-

Segundo Bolsonaro, houve muita pressão para que ele subisse ainda mais o tom contra o STF. “Esperavam que eu fosse chutar o pau da barraca. Você imagina o problema que seria chutar o pau da barraca. Eu não convoquei a manifestação. Eu vinha falando que estamos lutando por liberdade e comecei a falar uns 15 dias antes que estaria na Esplanada e em São Paulo. Mas, em São Paulo, quando eu falei em negociar, eu senti um bafo na cara. Extrapolei em algumas coisas que falei, mas tudo bem”, reconheceu.

Leia mais: “Depois do caso Queiroga, Bolsonaro questiona passaporte da vacina”

“Queriam que eu fizesse algo fora das quatro linhas. E nós temos instrumentos dentro das quatro linhas para conduzir o Brasil. Agora todo mundo tem que estar dentro das quatro linhas. O jogo é de futebol, não é de basquetebol. Não vou mais entrar em detalhes porque quanto mais pacificar, melhor.”

Paulo Guedes

Na entrevista, Bolsonaro também comentou a situação do ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo o presidente, não há possibilidade de pensar em uma eventual demissão do chefe da equipe econômica neste momento.

“Não existe nenhuma vontade minha de demiti-lo. Vamos supor que eu mande embora o Paulo Guedes hoje. Vou colocar quem lá? Teria de colocar alguém da linha contrária à dele, porque senão seria trocar seis por meia dúzia. Ele iria começar a gastar, e a inflação já está na casa dos 9%, o dólar em R$ 5,30”, afirmou Bolsonaro.

Leia também: “Bolsonaro voltará a dar entrevistas, mas impõe condição à Globo”

“Na economia, você tem que ter responsabilidade, o que se pode gastar, respeitando o teto de gastos. Se não fosse a pandemia, estaríamos voando na economia. A inflação atingiu todo mundo, mas a melhor maneira de buscarmos a normalidade e baixar a inflação é o livre mercado”, completou.

Leia também: “Quem está falando sozinho?”, artigo de J. R. Guzzo publicado na Edição 78 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.