Novo ministro da Defesa divulga ordem do dia alusiva ao 31 de março de 1964; leia

Documento foi divulgado no mesmo dia em que os comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica entregaram o cargo
-Publicidade-
Ministro nomeado da Defesa, Walter Braga Netto | Foto: José Dias/PR
Ministro nomeado da Defesa, Walter Braga Netto | Foto: José Dias/PR

Nas vésperas de 31 de março, o novo ministro da Defesa, Walter Braga Netto, divulgou uma ordem do dia alusiva ao golpe militar que completa 57 anos. Segundo ele, “o movimento de 1964 é parte da trajetória histórica do Brasil. Assim devem ser compreendidos e celebrados os acontecimentos daquele 31 de março”.

O documento foi divulgado no mesmo dia em que os comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica entregaram o cargo, após a saída do então ministro Fernando Azevedo e Silva.

-Publicidade-

Leia mais: “Saída de militares: autogolpe ou manchetes de festim?”

Leia a ordem do dia na íntegra

“Eventos ocorridos há 57 anos, assim como todo acontecimento histórico, só podem ser compreendidos a partir do contexto da época.

O século XX foi marcado por dois grandes conflitos bélicos mundiais e pela expansão de ideologias totalitárias, com importantes repercussões em todos os países.

Ao fim da Segunda Guerra Mundial, o mundo, contando com a significativa participação do Brasil, havia derrotado o nazi-fascismo. O mapa geopolítico internacional foi reconfigurado e novos vetores de força disputavam espaço e influência.

A Guerra Fria envolveu a América Latina, trazendo ao Brasil um cenário de inseguranças com grave instabilidade política, social e econômica. Havia ameaça real à paz e à democracia.

Os brasileiros perceberam a emergência e se movimentaram nas ruas, com amplo apoio da imprensa, de lideranças políticas, das igrejas, do segmento empresarial, de diversos setores da sociedade organizada e das Forças Armadas, interrompendo a escalada conflitiva, resultando no chamado movimento de 31 de março de 1964.

As Forças Armadas acabaram assumindo a responsabilidade de pacificar o País, enfrentando os desgastes para reorganizá-lo e garantir as liberdades democráticas que hoje desfrutamos.

Em 1979, a Lei da Anistia, aprovada pelo Congresso Nacional, consolidou um amplo pacto de pacificação a partir das convergências próprias da democracia. Foi uma transição sólida, enriquecida com a maturidade do aprendizado coletivo. O País multiplicou suas capacidades e mudou de estatura.

O cenário geopolítico atual apresenta novos desafios, como questões ambientais, ameaças cibernéticas, segurança alimentar e pandemias. As Forças Armadas estão presentes, na linha de frente, protegendo a população.

A Marinha, o Exército e a Força Aérea acompanham as mudanças, conscientes de sua missão constitucional de defender a Pátria, garantir os Poderes constitucionais, e seguros de que a harmonia e o equilíbrio entre esses Poderes preservarão a paz e a estabilidade em nosso País.

O movimento de 1964 é parte da trajetória histórica do Brasil. Assim devem ser compreendidos e celebrados os acontecimentos daquele 31 de março.

WALTER SOUZA BRAGA NETTO
Ministro de Estado da Defesa”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

22 comentários

  1. A defesa do POVO, estrategicamente citada, resguarda obviamente, a soberania do Brasil.
    ORDEM E PROGRESSO
    Que a constituição seja relida, e criminalizados aqueles que fazem politicagens em troca de vidas humanas.

    1. Minha idade permitiu que vivesse com inteira consciência os tempos que antecederam e motivaram a revolução de 1964, que apoiei na época e até hoje. Devemos aos militares de então a democracia que desfrutamos hoje. Lamento que a ordem do dia publicada não mencione explicitamente que a ameaça derrotada em 64 foi o COMUNISMO. E essa ameaça persiste até hoje, latente e identificada nas hostes canhotas que combatem incessantemente o governo do presidente Bolsonaro.

  2. O recado está dado. “…garantir os Poderes constitucionais, e seguros de que a harmonia e o equilíbrio entre esses Poderes preservarão a paz e a estabilidade em nosso País…”
    PARABÉNS AO NOVO COMANDANTE!👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏

  3. General BRAGA NETO….. conte com o apoio incondicional dos brasileiros de bem…!

    Confiamos em Você GENERAL como confiamos no nosso PRESIDENTE..!

    Vamos salvar o BRASIL desta quadrilha de saqueadores imorais e apátridas…!

  4. Os comunas estão tentando de novo. Aparelharam tudo, escolas, universidades, sindicatos de vagabundos, Congresso, STF, mas se esqueceram de que o povo não vai aceitar essa merda por aqui. Se fraudarem e elegerem o vagabundo ladrão do molusco, o pau vai cantar.

  5. Se não fosse a Revolução de 1964 , o povo brasileiro estaria como os cubanos , escravos de uma corja de comunistas e na miséria absoluta.

  6. Perfeita a Ordem do Dia do Ministro da Defesa. Lamento que a revista tenha dado pauta a um jornalista que não estudou o assunto como deveria e apenas repetiu uma narrativa ideológica que ouviu na Universidade e na mídia em geral. Minha geração( tenho 80 anos) que vivenciou o que acontecia no país (historia recente do Brasil) sabe a verdade sobre os acontecimentos, onde a população ( verdadeira detentora dos anseios do país) clamou às Forças Armadas que a salvassem do comunismo; isso é fato e história. Chamar isso de golpe militar é no mínimo mentira e desonestidade intelectual. Aqui não se trata de ser a favor ou contra o que aconteceu mas escrever corretamente os fatos, simples assim.

  7. PARABÉNS AO NOVO MINISTRO DA DEFESA!!! NÃO HOUVE GOLPE MILITAR!!! E, SE NECESSÁRIO PARA ESCORRAÇAR O COMUNISMO, QUE SE CHAME LOGO O CABO E O SOLDADO!!!

  8. Penso que a introdução do jornalista não foi feliz quando fala em golpe militar, provavelmente por ser jovem e transmitiu o que lhe foi ensinado nas escolas de jornalismo. Comemorar 31 de março, não é aplaudir todos os atos do regime militar, mas também, é não aceitar jamais as traquinagens feitas por uns tontos que diziam defender a democracia. Desculpem os jovens que possam não entender um idoso de 75 anos como eu, que fomos jovens naqueles momentos, não admiravam alguns militares, todavia devo dizer que não tive qualquer problema de liberdade de locomoção, segurança e trabalho como a maioria dos jovens. Os revoltados, mesmo sem nada ter sofrido, como famoso jornalista receberam indenizações retroativas e mensais e disse merecê-la porque teve coragem de xingar militares. Que grande feito fez esse notável cidadão para a democracia, para receber tão generosas quantias da Bolsa Ditadura. Tem casos piores, como bem nos informou Augusto Nunes em recentes artigos sobre essa fraude de indenizações milionárias imorais e ilegais.

  9. Golpe não, CONTRA-GOLPE! Golpe era o que a esquerda comunista queria aplicar em 1964 e graças ao contra-golpes dos militares que não viramos um país comunista. Estaríamos sob o regime da foice e o martelo até hoje se não fossem aqueles generais patriotas.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.