-Publicidade-

Opinião: mande seus boletos para João Doria pagar

Talvez nem seja mais necessário repetir que regras de isolamento não se mostraram eficazes no controle da pandemia de coronavírus
O governador João Doria: críticas de até aliados do PSDB | Foto: ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL
O governador João Doria: críticas de até aliados do PSDB | Foto: ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL | governador de são paulo - joão doria - prefeitos tucanos - psdb - rovena rosa - agencia brasil - tucano abandonado
joão doria
A ONG Oxfam International advertiu que o Brasil corre o risco de retornar ao cenário da desnutrição
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Nesta sexta-feira, 22, o governo de São Paulo anunciou novas medidas restritivas à circulação de pessoas, mandou fechar estabelecimentos comerciais que tentavam respirar depois da catástrofe de 2020, adiou a volta às aulas e repetiu o mantra que ninguém aguenta mais ouvir: #FiqueEmCasa.

Talvez nem seja mais necessário reiterar que regras de isolamento (ou lockdown em alguns casos) não se mostraram eficazes no controle da pandemia de coronavírus. O leitor já sabe até de cor (inclusive porque leu aqui): não deu certo na Argentina, no Peru, em países na Europa e também alguns Estados dos EUA já constataram isso. Mas eis que o gestor da mais importante fronteira de nossa federação decide revisitar o erro. Qual seria o motivo? Politicagem, dizem por aí.

Já na metade do ano passado, a própria ONU (Organização das Nações Unidas) alertava para o perigo de que a fome mataria mais do que o vírus que veio para chacoalhar o planeta — a estimativa era de 270 milhões de pessoas em situação de crise de fome até dezembro. A ONG Oxfam International, que atua no combate à pobreza no mundo, advertiu que o Brasil, um país continental e cheio de desigualdades, corre o risco de retornar ao cenário da desnutrição.

É evidente que a pandemia se degenerou em dias de guerra. Também é fato que não estávamos prontos para lutar contra um inimigo invisível. Aliás, nunca estamos prontos para uma ameaça que nos assalta no meio do dia. Mas também é preciso pontuar que a narrativa da crise promoveu na imprensa muitos redatores de obituários: as manchetes são olímpicas no contador de mortes e, acredite, se depender deles, esse emprego vai durar pelo menos até outubro de 2022.

Retornemos ao Estado de São Paulo e seu governador obcecado em chegar a Brasília (sem escala nas lojas de Miami): por que fechar as ruas, de novo, e justo agora que faz pose em capa de revista como o novo Albert Sabin à brasileira?

A maioria dos paulistas começa o dia correndo atrás do jantar e com a cabeça a mil pela angústia do desemprego. São milhares de pais e mães que acordam cedo todos os dias preocupados com o que os filhos vão comer depois da creche ou das escolas — fechadas há quase um ano segundo a ciência do milionário gestor de São Paulo.

Conforme a premissa de que leis e ordens devem ser cumpridas à risca, os 44 milhões de habitantes de São Paulo devem ficar mais tempo em casa a partir de segunda-feira — e isso inclui comerciantes, por exemplo, que buscaram crédito por aí para pagar seus funcionários parados e tentar sair do sufoco. Ocorre que no mês que vem os boletos vão chegar — quiçá, junto das primeiras vacinas. Agora segue uma sugestão: #FiqueEmCasa e mande seus boletos para João Doria pagar.

Leia também: “A vacina é de quem paga a conta”, artigo de J. R. Guzzo publicado na Edição 44 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês