Os livros de Paulo Freire são a prova de que obras ruins não são esquecidas

É o que afirma Theodore Dalrymple, em artigo publicado na Edição 66 da Revista Oeste
-Publicidade-
Paulo Freire é considerado, pelas esquerdas, o patrono da educação brasileira
Paulo Freire é considerado, pelas esquerdas, o patrono da educação brasileira | Foto: Divulgação/Facebook

Em artigo publicado na Edição 66 da Revista Oeste, o colunista Theodore Dalrymple versa sobre Paulo Freire, considerado — pelas esquerdas — o patrono da educação brasileira.

Leia um trecho

“Com frequência é dito que muitos bons livros são esquecidos, mas que nenhum livro ruim é lembrado. Isso obviamente não é verdade, e a prova dessa inverdade é que a obra mais famosa de Paulo Freire, Pedagogia do Oprimido, ainda está em catálogo e, presumivelmente, ainda é comprada e lida em países de língua inglesa meio século depois de seu lançamento. Ainda que o livro seja excepcionalmente ruim, não se pode dizer que ele não revele talento: porque é preciso ter um tipo de talento para ser idiota, perverso, perigoso, ingênuo, juvenil, arrogante e chato ao mesmo tempo. Se os desagradáveis não conseguem se controlar, eles têm pelo menos a obrigação de ser interessantes: esse é o único pequeno serviço que eles podem prestar ao mundo.”

-Publicidade-

Gostou? Dê uma olhada no conteúdo abaixo.

Revista Oeste

A Edição 66 da Revista Oeste vai além do artigo de Theodore Dalrymple sobre Paulo Freire. A publicação digital conta com reportagens especiais e artigos de J. R. Guzzo, Augusto Nunes, Silvio Navarro, Guilherme Fiuza, Cristyan Costa, Rodrigo Constantino, Ana Paula Henkel, Brendan O’Neill e Dagomir Marquezi.

Startup de jornalismo on-line, a Revista Oeste está no ar desde março de 2020. Sem aceitar anúncios de órgãos públicos, o projeto é financiado diretamente por seus assinantes. Para fazer parte da comunidade que apoia a publicação digital que defende a liberdade e o liberalismo econômico, basta clicar aqui, escolher o plano e seguir os passos indicados.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

  1. O resumo sobre Paulo Freire, “tipo de talento para ser idiota, perverso, perigoso, ingênuo, juvenil, arrogante e chato ao mesmo tempo”, é toda a verdade, acrescentando que a persistência em se ler sua obra espelha os mesmos adjetivos aos leitores.

  2. Esse articulista não SABE NADA de paulo Freire. O pensador braseiro mais lido e respeitado ate hoje chama-se PAULO FREIRE. Se ele acha ruim que o educador seja o PATRONO DA EDUCAÇÃO NACIONAL, então que ele o substitua pelo TORTURADOR BRILHANTE USTRA que é livro de cabeceira do presidente arruaceiro Bolsonaro. Vai estudar paulo Freire antes de falar m…..

    1. Ruim ? Chato? É esse o argumento contra as obras do pedagogo que criou o método de alfabetização em 40 dias? Isso não são críticas, mas apenas sentimentos. Só falta chamá-lo de feio. Críticas são pautadas em argumentos racionais e servem para aprimorar os conhecimentos científicos e os debates políticos. Quem falou sobre pensamento crítico? Sim, foi o patrono da educação no Brasil, o Sr Paulo Freire. É justamente pensamento crítico que falta no nosso país em todas as classes e foi para promovê-lo que ele dedicou a vida toda. Para que todos sejam capazes de pensar e argumentar autonomamente, para que deixem de reproduzir valores alheios que vão contra os próprios interesses. Ainda bem que opiniões serão esquecidas no próximo clique. Enquanto isso, a obra dele permanece.

  3. Há mais de 25 anos busco compreender o porquê de Paulo Freire ser tão ovacionado. Sim, pois, o que vejo diariamente é uma educação fracassada no Brasil fato justificado pela má formação dos professores nas universidades. Mas ao que me consta Paulo Freire e sua pedagogia do oprimido é a bíblia dos formadores e consequentemente de seus formandos, e, se alguém pensar ao contrário é visto como louco. Aí continuo sem entender. Aliás nem quero mais entender, pois um herói brasileiro que tem como inspiração Che Guevara, Lênin, Stalin e tantos outros, não sei se ainda o quero compreender.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site