Os melhores-piores momentos de Dias Toffoli na presidência do STF

Do inquérito das fake news à entrevista em que se declarou editor do Brasil, o legado do ministro no comando da Suprema Corte
-Publicidade-
O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL | O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Do inquérito das fake news à entrevista em que se declarou editor do Brasil, o legado do ministro no comando da Suprema Corte

toffoli
O ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
-Publicidade-

Antes de tornar-se ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), em 23 de outubro de 2009, aos 41 anos, José Antonio Dias Toffoli havia sido advogado do PT, assessor jurídico de campanhas eleitorais do partido, advogado de Lula, assessor jurídico da Casa Civil comandada por José Dirceu e chefe da Advocacia-Geral da União. Também fora reprovado duas vezes no concurso para ingresso na magistratura paulista.

Agindo fora do universo petista, foi condenado pela Justiça do Amapá a devolver R$ 420 mil ao Estado sob a acusação de ter ganho uma licitação supostamente ilegal em 2001 para prestar serviços advocatícios ao governo estadual. Esse possível constrangimento não o impediu de aceitar imediatamente a vaga na corte mais importante do país.

O currículo bisonho também não inibiu o novato. Ao contrário do que recomendam as normas legais e a ética, ele participou ativamente do julgamento do Mensalão, que instalou no banco dos réus seus amigos clientes.

Em 13 de setembro de 2018, ao tornar-se o mais jovem presidente do Supremo, Toffoli já havia passado por alguns maus momentos. Entre eles, a divulgação de uma mesada de R$ 100 mil que recebia da mulher, a advogada Roberta Maria Rangel. E o apoio explícito à decisão do ministro Alexandre de Moraes, que censurou uma reportagem da revista Crusoé. Um dos trechos sustentava que Toffoli, na época em atuava como advogado-geral da União, fora identificado por Marcelo Odebrecht num e-mail como o “amigo do amigo do meu pai”.

Nesta quinta-feira, ao deixar o comando da Suprema Corte, ampliara o seu passivo com mais ocorrências de grosso calibre. Confira alguns dos melhores-piores momentos de Dias Toffoli na presidência do STF:

Fake news

Em março de 2019, Toffoli decidiu investigar ameaças e ofensas à honra de membros da corte e de seus familiares. O inquérito das fake news, como ficou conhecido, é conduzido pelo ministro Alexandre de Moraes. Neste ano, foram abertas diversas investigações e realizadas buscas e apreensões contra críticos do Supremo.

Lagostas

Em abril do ano passado, revelaram-se detalhes de uma licitação para banquetes oferecidos pelo STF. O orçamento anual da proposta vencedora bateu em R$ 481,7 mil. De acordo com o edital, o cardápio deveria incluir, na entrada, queijo de cabra, figos, carpaccio, ceviche e risoto. Pratos principais: medalhão de lagosta, carré de cordeiro e arroz de pato. Para encerrar: musses e sorvetes. Os vinhos deviam apresentar no rótulo uma safra igual ou posterior a 2010 “com pelo menos quatro premiações internacionais”.

Dados sigilosos do Coaf

Em 16 de julho de 2019, Toffoli determinou que processos baseados em dados sigilosos do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e da Receita Federal obtidos sem autorização prévia da Justiça seriam suspensos. A decisão beneficiaria sua mulher e a de Gilmar Mendes, cujos escritórios estavam sendo investigados pela Receita.

O STF e o combate à corrupção

No início de outubro de 2019, mesmo diante das evidências em contrário, Toffoli atribuiu ao STF o combate à corrupção que ganhou fôlego no país com a operação Lava Jato. “Se existe o combate à corrupção, tão necessário a este pais, é graças ao STF, que, juntamente com o Congresso Nacional e o Executivo, elaboraram pactos republicanos em 2004 e em 2009”, afirmou. “Todas as leis que aprimoraram a punição à lavagem de dinheiro, as leis que permitiram a colaboração premiada, as leis de transparência foram previstas nesses pactos”. Em seguida, completou: “Se não fosse este STF, não haveria combate à corrupção no Brasil”.

A Java Jato destruiu empresas

Numa entrevista ao Estadão em 16 de dezembro de 2019, ele aproveitou para defender — e atacar — a Operação Lava Jato. “A Lava Jato foi muito importante, desvendou casos de corrupção, colocou pessoas na cadeia, colocou o Brasil numa outra dimensão do ponto de vista do combate à corrupção, não há dúvida. Mas destruiu empresas. Isso jamais aconteceria nos Estados Unidos. Jamais aconteceu na Alemanha”, disse.

Devassa na Lava Jato

Toffoli determinou, em 9 de julho deste ano, que as forças-tarefa da Lava Jato no Paraná, no Rio de Janeiro e em São Paulo entregassem à Procuradoria-Geral da República (PGR) toda a sua base de dados de investigações. Na decisão, o presidente do STF afirmou ter visto “transgressões” por parte dos procuradores, que não quiseram ceder os dados a Lindôra Araújo, chefe da Lava Jato na PGR.

Delação de Marcelo Odebrecht

Também no começo de julho, o site Vortex Media publicou a denúncia de que Toffoli teria recebido por cerca de dois anos quantias repassadas pela Odebrecht na época em que era advogado-geral da União. A acusação faria parte de delação premiada de Marcelo Odebrecht. O processo envolvendo as declarações do empreiteiro está sob sigilo.

José Serra

No dia 21 de julho, Toffoli impediu que fossem cumpridos mandados de busca e apreensão determinadas pela primeira instância no gabinete do senador José Serra (PSDB-SP), investigado pela Lava Jato por crimes eleitorais. Pouco depois, o presidente do STF suspendeu as investigações sobre supostos esquemas de caixa dois e de lavagem de dinheiro que envolvem o tucano.

O editor do Brasil

Em 28 de julho, numa conversa com jornalistas, Toffoli se autoproclamou “editor do Brasil”. “Todo órgão de imprensa tem censura interna”, garantiu. “Em que sentido? Seu acionista ou seu editor, se ele verifica ali uma matéria que ele acha que não deve ir ao ar porque ela não é correta, ela não está devidamente checada, ele diz: ‘Não vai ao ar’. Aí o jornalista diz: ‘Mas eu tenho a liberdade de expressão de colocar isso ao ar?’. Entendeu? Não é à toa que todas as empresas de comunicação têm códigos de ética, códigos de conduta, de compromisso”, afirmou. “Nós, enquanto Judiciário, enquanto Suprema Corte, somos editores de um país inteiro, de uma nação inteira, de um povo inteiro.”

A Lava Jato e o STF

Neste 4 de setembro, afirmou que não haveria Lava Jato se não houvesse o STF. “Não existiria Lava Jato, não existiria nada desses combates necessários à corrupção, se não tivessem sido essas leis”, disse. “E eu tenho orgulho de ter participado de todas elas”, afirmou.

É por essas e outras que Augusto Nunes, colunista de Oeste, fez a constatação definitiva. Dias Toffoli foi o mais jovem (e o pior) presidente da história do STF.

Leia também: “Com perfil técnico, Fux quer STF fora dos holofotes”
“Ao tomar posse, Fux promete harmonia entre os Poderes”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site