Para a PF, senador atuava como ‘gestor paralelo’ da Saúde

Segundo a PF, Chico Rodrigues cobrava a liberação do dinheiro de emendas para o pagamento de empresas investigadas no esquema criminoso
-Publicidade-
Chico Rodrigues está fora do Conselho de Ética do Senado | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Chico Rodrigues está fora do Conselho de Ética do Senado | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado | senador chico rodrigues - conselho de ética e decoro parlamentar do senado

De acordo com a PF, Chico Rodrigues cobrava a liberação do dinheiro de emendas para o pagamento de empresas investigadas no esquema criminoso

senador chico rodrigues - conselho de ética e decoro parlamentar do senado
Chico Rodrigues se afastou do cargo de senador por 121 dias | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O senador licenciado Chico Rodrigues (DEM-RR), ex-vice-líder do governo Bolsonaro, atuava como “gestor paralelo” na Secretaria de Saúde de Roraima, segundo investigação da Polícia Federal (PF). O relator do caso, ministro Luís Roberto Barroso, decidiu retirar o sigilo do processo.

-Publicidade-

De acordo com o relatório que Oeste teve acesso, Chico Rodrigues cobrava a liberação do dinheiro de emendas parlamentares para o pagamento de empresas investigadas no esquema criminoso.

“Você adiantou o pgto da Gilce/18: serviços?”, disse o senador roraimense, em mensagem encaminhada a um funcionário, ao cobrar o adiantamento do pagamento da empresa de fornecimento de álcool em gel.

Na semana passada, o parlamentar foi flagrado pela Polícia Federal com mais de R$ 33 mil em casa. Do montante, cerca de R$ 17 mil estavam escondidos na cueca de Chico Rodrigues. A defesa nega que a origem do dinheiro seja ilícita.

“A forma com que o senador cobrava o pagamento indica que o parlamentar estaria atendendo não apenas aos interesses do estado de Roraima, mas também aos seus próprios”, concluiu a PF.

No relatório, a PF informa também que Chico Rodrigues justificou o dinheiro escondido na cueca dizendo ter sido proveniente de saques e da venda de gado. Os delegados que atuaram no caso, no entanto, dizem que não foram apresentados “nenhum comprovante de saque, tampouco recibos da venda de gado”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.