Para defender Lula e alvos da Lava Jato, PT gasta R$ 6 milhões

Pagadores de impostos financiaram cruzada na Justiça
-Publicidade-
O ex-presidente Lula participa da cerimônia de posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, na cidade São Bernardo do Campo, SP - 30/01/2022 | Foto: André Ribeiro/Estadão Conteúdo
O ex-presidente Lula participa da cerimônia de posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, na cidade São Bernardo do Campo, SP - 30/01/2022 | Foto: André Ribeiro/Estadão Conteúdo

Ao longo de cinco anos, o Partido dos Trabalhadores (PT) gastou R$ 6 milhões com escritórios de advocacia que atuam na defesa de seus filiados na Operação Lava Jato. Lula e três ex-tesoureiros figuram na lista de beneficiados.

Em um dos escritórios, que recebeu R$ 911 mil entre 2017 e 2018, consta na Justiça Eleitoral que a fonte dos recursos é o fundo partidário, financiado com o dinheiro dos pagadores de impostos e destinado à manutenção dos partidos.

Em 2021, o PT foi advertido pelo Tribunal Superior Eleitoral, em virtude do propósito dos gastos. O partido, contudo, recorreu da decisão no Supremo Tribunal Federal e aguarda que a Corte bata o martelo sobre o caso.

-Publicidade-

Segundo informou o jornal Folha de S.Paulo nesta sexta-feira, 4, entre as maiores despesas com honorários nos últimos anos estão as feitas com o escritório D’Urso e Borges, que defende o ex-tesoureiro João Vaccari Neto.

A banca, do ex-presidente da OAB-SP Luiz Flávio Borges D’Urso, recebeu, desde 2017, R$ 2,9 milhões do partido, em valores não corrigidos. Vaccari permaneceu preso, por ordem do ex-juiz Sergio Moro, de 2015 a 2019.

O escritório Teixeira Zanin Martins, que comanda a defesa de Lula nos casos da Lava Jato, recebeu pagamentos que somam R$ 1,2 milhão desde 2019. A despesa consta como financiada com “outros recursos”.

Na campanha eleitoral de 2018, na qual Lula tentou se lançar candidato e foi barrado pela Lei da Ficha Limpa, o partido chegou a declarar pagamento de R$ 1,5 milhão ao escritório com recursos do fundo eleitoral.

O ex-tesoureiro Delúbio Soares, condenado no mensalão e na Lava Jato, é defendido no Paraná por um escritório de Goiás. Desde 2018, o advogado Pedro Paulo Medeiros foi remunerado pelo trabalho com R$ 661 mil.

Nota do PT

“Os serviços jurídicos são adquiridos dentro da lei, na defesa de seus objetivos programáticos e estatutários. Prestamos contas à Justiça Eleitoral dos recursos utilizados, sejam próprios ou provenientes dos fundos eleitoral e partidário.”

Leia também: “A operação que mostrou que todos são iguais perante a lei”, reportagem publicada na Edição 21 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

9 comentários Ver comentários

  1. Um dos motivos do País viver sempre na periferia do desenvolvimento é o mal uso do dinheiro público, por isso, eu defendo estado mínimo e impostos perto do zero. Quanto ao sindicalista vermelho, nós sabemos onde ele deveria estar, sem poder dar entrevistas, fazer campanha, etc., mas as leis funcionam assim: todos são iguais, mas uns são mais iguais que os outros, como bem escreveu o escritor George Orwell.

  2. se der algum problema, basta o PT chamar os amigos do STF. Tudo liberado e o povo jogando dinheiro para esta bandidagem com a anuencia do judiciario. Como sabemos que a constituição federal já morreu há anos, tudo certinho.

  3. Impostos pagos pelos cidadãos, que deveriam ser aplicados em saúde, educação e segurança, sendo usados para sustentar o crime organizado (travestido de partido político). Nenhuma surpresa com essa corja.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.