Para Witzel, MP vem sendo usado para atingir opositores de Bolsonaro

'Eu não consigo saber exatamente por que estou sendo cassado. O processo não tem uma denúncia formal', diz governador afastado do Rio sobre processo de impeachment
-Publicidade-
Wilson Witzel se diz perseguido pelo Ministério Público e pela Polícia Federal por fazer oposição ao presidente Jair Bolsonaro
Wilson Witzel se diz perseguido pelo Ministério Público e pela Polícia Federal por fazer oposição ao presidente Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução/CNN Brasil

Alvo de um processo de impeachment e afastado do governo do Rio, Wilson Witzel acusou o presidente Jair Bolsonaro — de quem já foi aliado — de usar instituições de Estado para perseguir adversários políticos, em especial prefeitos e governadores. Em entrevista à CNN Brasil, Witzel também criticou o que chamou de “desmonte da Lava Jato” nos tribunais.

“Eu fui o primeiro governador na história do país a dar autonomia à Polícia Civil do Estado e à Polícia Militar, e criar, na Civil, um Departamento de Combate à Lavagem de Dinheiro para estar alinhado à Polícia Federal, mas nada disso aconteceu. Ao contrário, nós estamos assistindo ao desmonte da Lava Jato e à utilização de estruturas do Estado, como o Ministério Público, para perseguir governadores e prefeitos”, afirmou. “[O Ministério Público] Está sendo utilizado para atingir governadores contrários ao interesse do Bolsonaro, que é negacionista e não dialoga com os governadores.”

-Publicidade-

Leia mais: “Julgamento de impeachment de Wilson Witzel será em 30 de abril”

À espera do julgamento final do impeachment, marcado para o dia 30 de abril, o governador afastado do Rio afirma estar confiante de que será absolvido. “Eu não consigo saber exatamente por que estou sendo cassado. O processo não tem uma denúncia formal, foi votado na Alerj [Assembleia Legislativa do Rio], falaram em milhões de coisas, mas não há nenhum elemento concreto que aponte qual é a minha responsabilidade”, disse.

“Eu não consigo fazer uma avaliação técnica de um processo que é nulo. O processo foi um vale tudo, se perguntou de tudo. Todos os juízes que estão lá não tem experiência em matéria criminal”, completou Witzel.

Segundo o governador afastado do Rio, “está provado no processo” que o ex-secretário estadual da Saúde Edmar Santos “roubou mais de R$ 18 milhões”. Witzel, entretanto, nega que tivesse conhecimento dos atos de corrupção em seu governo. “Eu abro mão de administrar a Saúde do Rio e convido os deputados de dividirem comigo o que fazer”, ironizou.

Leia também: “Moraes rejeita novo pedido de Witzel para suspender processo de impeachment”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comment

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site