-Publicidade-

PARTE VI: ‘Ele finge que é liberal, mas é comunista’, diz Roberto Jefferson sobre Maia

Ele finge que é liberal, mas é comunista', diz Roberto Jefferson sobre Maia
O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson

Este trecho faz parte da entrevista exclusiva que o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, concedeu a Oeste. Acompanhe outros tópicos desta entrevista:

Críticas ao STF e ao ativismo judicial

Foro de São Paulo, globalismo e os governos de esquerda

O PTB e a aproximação com o governo do presidente Jair Bolsonaro

O PTB nas eleições de 2022

Filiação de deputados bolsonaristas ao PTB

 

Como o senhor avalia a articulação política do governo?

Isso é uma crítica que eu faço ao presidente. Elogio, morro por ele, mas tenho que falar. Ele tem que abrir espaço na agenda para falar com político. O erro do Collor foi esse, ele não recebia político. E o presidente Bolsonaro tem que receber, mesmo que o cara vá lá falar uma chatice na orelha dele, ele tem que ouvir. Tem que ouvir, igual o padre. Tá no confessionário, não tem que ouvir os pecados? O pastor, o fiel da igreja não vai a ele contar suas aflições? O presidente é isso, está lá para ouvir as aflições dos políticos. Tem que ouvir, tem que fazer agenda política, ele não tem agenda política. Eu penso que é um grave erro o presidente não ter agenda política. Não é só receber Rodrigo Maia, só [Davi] Alcolumbre [presidente do Senado], não. É receber os deputados, os senadores, medir o cara, olhar dentro do olho, apertar a mão. Ele precisa abrir a agenda e conversar política, não é conversar bandidagem, não. Grava, manda gravar, bota testemunhas de outros, do seu chefe da Casa Civil, de seus assessores. Grava, porque ninguém vai querer falar bandidagem de público, e diz: “Oh, estou gravando, isso aqui tudo é gravado”. Como é na Casa Branca, a conversa é republicana, mas conversa com o cara, não fica só no computador, não é só virtual. Ele precisa de uma presença real, abrir a agenda para o político.

E um general na articulação política. Como o senhor vê o trabalho do ministro Luiz Eduardo Ramos?

Ele faz um trabalho excelente. Ele tem que articular, mas não devia ficar só nas costas dele, por isso ele é criticado. Porque ele não pode fechar nada, ele não é a última instância. Ele é a penúltima. A última instância, quem é? O presidente. Então, o presidente tem que participar. Por que você ouve críticas ao general Ramos? Porque ele tem um limite, a palavra final é dele? Então, o presidente tem que ter paciência, entrar no jogo político e conversar.

Em um movimento político recente na Câmara, o MDB e o DEM anunciaram o desembarque do Centrão. Isso muda a disputa pela presidência da Câmara? Acha que enfraquece [o líder do Centrão] Arthur Lira (PP-AL) e fortalece [o presidente emedebista] Baleia Rossi (MDB-SP)?

Não quero entrar nisso, sou amigo dos dois, tanto do Baleia quanto do Arthur Lira. O importante é que não tenha rabo preso na gaveta do presidente do Supremo Tribunal Federal. Se for outro com processo de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, não serve para presidir a Casa. Vai botar a Casa de cócoras diante do Supremo novamente. A primeira exigência que os parlamentares têm que fazer dos candidatos à presidência da Câmara é ver a folha corrida. Tem processo no Supremo? Tem lá lavagem de dinheiro e corrupção passiva? Se tiver, não tem independência. O rabo tá trancado na gaveta do presidente do Supremo. Vai ser mais um apassivado presidindo a Casa como é o Rodrigo [Maia], não serve. Tem que discutir antes. Temo que um desses nomes que você falou aí tenha processo lá no Supremo, temo. Tem preocupação, já ouvi falar, e quem tem, não é pessoal, mas não vai poder representar com altivez, coragem e grandeza o Parlamento nacional. Quem tiver o rabo na gaveta do presidente do Supremo, e vai ser um cara perigosíssimo, o [Luiz] Fux [ministro do STF], não é mais o [Dias] Toffoli [presidente do STF]. O Fux é mais perigoso do que o Toffoli. É muito mais perigoso. Se for, puxa mesmo, ele sabe fazer lobby, sabe puxar o rabo de quem é devedor.

Como o senhor avalia o DEM e o PSDB?

São os santos do pau oco. Levavam o ouro do Brasil na época do Brasil Império, da colonização. O santo era oco e o pessoal enchia de ouro por dentro para fazer contrabando. DEM e PSDB fingem honestidade, e honestidade não têm. Fingem liberalismo, e liberais não são. Fingem conservadorismo, e conservadores não são. O retrato do PSDB é o Doria. Ele é família, é conservador, é patriota… ele representa a China, vende as empresas brasileiras na bacia das almas para os chineses. Então, a cara do PSDB, né, é o Doria, vindo lá do abismo, é satanista — defendendo essa vacina chinesa que nos adoeceu.

E o DEM?

O DEM é o Rodrigo Maia [presidente da Câmara], “nonô Botafogo”. A tristeza é que leva o nome do meu time, que é o Botafogo [uma referência ao codinome atribuído por delatores da Odebrecht em planilhas de propina]. Filho de comunista, morava no Chile, ideólogo comunista, só dá matéria importante para a esquerda relatar. Tudo o que ele quer é prejudicar o presidente. As medidas provisórias, os projetos de lei que vêm do presidente da República feitos com dignidade, ele entrega a PCdoB, PSB e PT para relatar. Repara só como ele tem feito isso com o presidente. Para quê? Ele finge que é liberal, é outro melancia, e ele é bem melancia, né, redondinho, redondinho. Ele finge que é liberal, mas é comunista por dentro. O coração dele é vermelho, o ideal dele é vermelho e a bandeira dele é vermelha.

Este trecho faz parte da entrevista exclusiva que o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, concedeu a Oeste. Acompanhe outros tópicos desta entrevista.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Concordo em gênero, número e grau com Roberto Jefferson. É necessário retirar da presidência Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre. São dois CORRUPTOS. Os próximos presidentes das casas NÃO podem ter o rabo preso junto ao STF…

  2. Riberto Jevferson, é malandro sabe de tudo dessa política podre, malandro no bom sentido da palavra, por anos foi visto como um ladrão como outros, mas tem demosntraso aua fiel visão de estadiata, isso me agrada. O presidente tbm, saca disso tudo e por isso discordo do Jeferson, o presidente, não deve dar ouvidos a pilantras, deveria, agir com rigor pelo menos com os que sabidamnete estão envolvidos em corrupção, devia fazer ima limpesa geral. Aí sim oa que sobrarem, venham conversar!!!

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês