PGR denuncia Eduardo Cunha e Arlindo Chinaglia por corrupção

Ex-parlamentares são acusados de participar de esquema de propina da Odebrecht
-Publicidade-
Eduardo Cunha teria intermediado os repasses da Odebrecht
Eduardo Cunha teria intermediado os repasses da Odebrecht | Foto: Lula Marques/Agência PT

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) e Arlindo Chinaglia (PT-SP) por participação em suposto esquema de propinas da Odebrecht em troca de apoio nos contratos de construção de hidrelétricas no Rio Madeira, em Rondônia. Outras quinze pessoas também foram denunciadas no caso. A denúncia foi assinada pela subprocuradora-geral Lindôra Araújo e entregue ao Supremo Tribunal Federal em 11 de fevereiro. A peça acusa Chinaglia de solicitar R$ 10 milhões à Odebrecht em troca de apoio em contratos de interesse da empresa na região. O petista, listado como “grisalho” no departamento de propinas da empreiteira, teria recebido R$ 8,7 milhões em 36 pagamentos feitos entre 2008 e 2014. Eduardo Cunha teria intermediado os repasses da Odebrecht. O emedebista à época tinha influência sobre Furnas, a principal sócia do consórcio que venceu o contrato para a construção da Usina de Santo Antônio, na região do Rio Madeira. Chinaglia é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Cunha foi denunciado apenas por corrupção. Os criminalistas Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, que defendem Cunha, afirmam que as acusações são inverossímeis. “A denúncia, baseada em delatores e planilhas oferecidas por estes, não narra absolutamente nada sobre o ex-deputado, tratando apenas de Arlindo Chinaglia — um de seus principais oponentes e em nome de quem jamais atuaria”, afirmam.

Leia também: “Cunha finaliza ‘livro-bomba’ sobre o ‘impeachment’ de Dilma”

-Publicidade-

Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.