Polícia Militar seguirá Exército em caso de ruptura institucional, informa Amebrasil

Associação Nacional dos Militares Estaduais do Brasil pronunciou-se na última segunda-feira, 23, por meio de nota
-Publicidade-
Polícia Militar seguirá o Exército caso haja ruptura institucional no Brasil
Polícia Militar seguirá o Exército caso haja ruptura institucional no Brasil | Foto: Divulgação/Polícia Militar

A Associação Nacional dos Militares Estaduais do Brasil (Amebrasil) anunciou na última segunda-feira, 23, que a Polícia Militar seguirá o Exército caso aconteça uma ruptura institucional no país — Estado de sítio ou de defesa.

Em nota assinada pelo presidente da Amebrasil, coronel Marcos Antônio Nunes de Oliveira, da Polícia Militar do Distrito Federal, a associação afirma que compete às polícias “a segurança e a ordem pública, conforme mandamento da Constituição Federal em seu Artigo 144”.

O documento esclarece que a missão dos policiais militares é compor o esforço de mobilização nacional para a defesa da pátria, a garantia dos poderes constitucionais e o funcionamento da lei e da ordem. “As polícias serão automaticamente convocadas pela força terrestre federal para atuar nesse contexto, como força auxiliar e reserva do Exército”, escreve a Amebrasil.

-Publicidade-

De acordo com a entidade, “as polícias militares não podem ser empregadas de forma disfuncional por nenhum governador”, porque são instituições de Estado, e não de governo.

“Nosso laço institucional na defesa da pátria com a força terrestre brasileira [Exército] é indissolúvel e não está sujeito ao referendo de nenhum governador, partido político ou ideologia que não seja a proteção da pátria, da segurança e da soberania”, assevera a associação.

Tensão

Conforme noticiou Oeste, o Fórum Nacional de Governadores quer promover um encontro com os presidentes Jair Bolsonaro (Executivo), Arthur Lira (Câmara), Rodrigo Pacheco (Senado) e Luiz Fux (STF). O pedido foi formalizado pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB).

No texto, o político afirma que pretende fazer uma reunião entre as autoridades para “identificar e pautar pontos convergentes e estratégias visando a salvaguardar a paz social, a democracia e o bem-estar socioeconômico da população brasileira”.

Leia também: “‘Está declarada uma guerra contra o Doria’, afirma Coronel Tadeu”

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro