‘Quando ditaduras tomam conta de um país, o povo perde a liberdade’, afirma Bolsonaro

Declaração do presidente foi proferida durante live realizada nesta quinta-feira, 22
-Publicidade-
Jair Bolsonaro criticou as medidas restritivas impostas pelo governo argentino
Jair Bolsonaro criticou as medidas restritivas impostas pelo governo argentino | Foto: Marcos Corrêa/Fotos Públicas

O presidente Jair Bolsonaro voltou a participar nesta quinta-feira, 22, da tradicional live realizada no YouTube. Durante a conversa com os internautas, o chefe do Executivo federal falou sobre o imbróglio envolvendo a Sinovac, farmacêutica chinesa que produz a vacina CoronaVac; a crise econômica da Argentina, assolada pela pandemia de coronavírus; e a extrema pobreza dos venezuelanos, que buscam recomeçar a vida no Brasil.

Sinovac

Segundo Bolsonaro, a Controladoria-Geral da União e o Ministério da Justiça vão investigar as razões de a Sinovac vender doses da CoronaVac por US$ 5 cada uma, ao passo que o Butantan, representante exclusivo da empresa no Brasil, vende o imunizante por US$ 10. “Quem sabe possa existir alguma justificativa”, disse o presidente.

-Publicidade-

Argentina

O chefe do Executivo federal diz torcer pela melhora dos índices econômicos da Argentina, prejudicados pela pandemia do novo coronavírus e pela gestão do atual presidente, Alberto Fernández. “Queremos vizinhos prósperos, livres e democráticos”, afirmou. “A inflação anual da Argentina bateu 50%, o país está endividado. A situação não é fácil.”

De acordo com Bolsonaro, a nação vizinha adotou uma das medidas restritivas mais rígidas durante a crise sanitária. “É um dos países com mais mortes por milhão de habitantes; é um sinal de que o ‘fique em casa’ não tem comprovação de eficácia”, asseverou. “Na prática, estamos vendo que essas decisões não deram certo.”

Imigrantes venezuelanos

O presidente Jair Bolsonaro afirma que o Brasil recebe imigrantes venezuelanos constantemente. “Quando as ditaduras tomam conta de um país, o povo perde sua liberdade. Foi assim na Venezuela”, observou. “A população mais pobre está fugindo, a pé, para o Brasil. A grande maioria é composta de mulheres, carregando dois ou três filhos.”

Conforme o chefe do Executivo federal, a Venezuela foi destruída pelo ditador comunista Hugo Chávez. “O país era riquíssimo, com petróleo e ouro em abundancia”, afirmou. “Mas Chávez aproveitou o alto preço do barril de petróleo e estendeu os programas sociais. Quando o preço do petróleo caiu, os venezuelanos caíram na realidade.”

Leia também: “Bolsonaro tornou-se especialista na arte de repetir erros”, artigo de J. R. Guzzo publicado em Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site