Queiroga afirma que não vai decretar fim da pandemia sozinho

Presidente espera que isso aconteça até o começo de abril, disse o ministro da Saúde
-Publicidade-
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga | Foto: Paula Bittar/MS
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga | Foto: Paula Bittar/MS

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta sexta-feira, 18, que não vai tomar sozinho a decisão de editar ato para determinar o fim da emergência sanitária por covid-19, e que antes ouvirá secretários estaduais de Saúde e outros ministérios.

“Estamos bem próximos de fazer isso, né? O presidente tem uma expectativa que isso aconteça agora no final de março, começo de abril. Precisamos ver a questão epidemiológica. O presidente Bolsonaro dá a nós, do Ministério da Saúde, autonomia muito grande para nós trabalharmos, e os resultados destas políticas estão aí”, afirmou.

-Publicidade-

“Nós rumamos para pôr fim a essa emergência sanitária. É uma prerrogativa do ministro, por meio de um ato, porque assim a lei determina. Mas o ministro não vai tomar essa decisão sozinho, vai tomar essa decisão ouvindo as Secretarias Estaduais de Saúde, outros ministérios, outros Poderes, para que transmitamos segurança à nossa população.”

Ontem, Queiroga se reuniu com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, para tratar do tema. Antes, já havia se encontrado com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD).

O ministro vem buscando esclarecer a intenção do governo de iniciar a transição da categoria de pandemia para a de endemia, tipo mais brando de emergência sanitária. A medida está em estudo, como anunciou no início do mês o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Hoje, Queiroga voltou a avaliar que “a pandemia está sob controle” em muitas partes do país. “Tanto assim que, em mais de 16 Estados, já se flexibilizou o uso da máscara, inclusive em ambientes fechados. As máscaras são um símbolo da pandemia”, disse.

Ele atribuiu a desaceleração do novo coronavírus ao aumento da vacinação, “fundamental” no controle da doença. “Se não fossem as vacinas, nós não estaríamos na situação que estamos hoje. Estamos com a pandemia em desaceleração franca”, afirmou.

Com informações da Agência Brasil

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Estou para ver quem é mais frouxo e sem autoridade, se é esse banana paraíba ou se é o bananão do vale do Ribeira. O paraíba, todo mundo já sabe que é um interesseiro nessas vacinas, não sei como não vacinou o seu chefinho. Depois quando o Xandão, o macho alfa do STF, dá lá suas sentenças prá lá de escrotas, essas mariazinhas do Planalto ficam todas alvoroçadas, nhém,nhém,nhém… nhém,nhém,nhém.

  2. Claro que não vai decretar, afinal, onde já se viu o garoto propaganda da Pfizer tomar atitude que possa prejudicar a aplicação da 4ª, 5ª, 6ª doses? O contrário seria uma tremenda falta de consideração em relação à justa expectativa de lucros bilionários da sua patrocinadora. Impensável, ainda mais sem o aval daqueles que realmente mandam no país, os notáveis iluministros editores da verdade. Tanto é assim que foi pedir benção no 5TF…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.