Queiroga: Bolsonaro dá autonomia a ministros, mas cobra resultados

Futuro titular da Saúde afirmou que Eduardo Pazuello 'tem feito um trabalho que a sociedade brasileira reconhece'
-Publicidade-
Médico Marcelo Queiroga
Médico Marcelo Queiroga | Foto: Reprodução/TV Brasil

O médico Marcelo Queiroga, que vai assumir o Ministério da Saúde, afirmou nesta quarta-feira, 17, que a política pública adotada no governo, e não só na Pasta, é a do presidente da República, “que foi eleito pela maioria do povo brasileiro”.

O cardiologista disse que Bolsonaro dá autonomia a seus ministros, mas também cobra resultados. “O presidente nos deu autonomia e nós faremos os ajustes que couberem no momento adequado”, garantiu.

-Publicidade-

Leia mais: “Senado aprova requerimento para ouvir novo ministro da Saúde”

Ao lado do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em evento na Fiocruz, no Rio de Janeiro, Queiroga afirmou que o general “tem feito um trabalho que a sociedade brasileira reconhece”.

Em uma das últimas falas à frente da Pasta, Pazuello disse que a sociedade terá de conviver com o novo coronavírus e defendeu medidas como usar máscara, lavar as mãos, manter o grau de afastamento social e novos hábitos de horários.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. Bolsonaro, deveria manter Pazuello na logística e compras da pasta. Pazuello fez muito mais pela saúde no Brasil, que Mutreta e Teich.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.