Queiroga diz que há divergência de cálculo entre ministério e governo de SP

Na semana passada, Doria ameaçou ir à Justiça para obrigar a Pasta a fornecer 228 mil doses da Pfizer ao Estado
-Publicidade-
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga | Foto: Walterson Rosa/MS
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga | Foto: Walterson Rosa/MS

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou neste domingo, 8, que há divergência de cálculo entre o Ministério da Saúde e a Secretaria da Saúde de São Paulo em relação ao número de doses de vacina contra a covid-19 entregues ao Estado.

Na semana passada, o governador de São Paulo, João Doria, ameaçou ir à Justiça para obrigar a Pasta a fornecer 228 mil doses da Pfizer que o Estado esperava receber. Depois, após se reunir com o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, Queiroga disse que técnicos do ministério e da secretaria estadual tentariam chegar a um “denominador comum”.

Leia mais: “Brasil chega a 150 milhões de doses aplicadas”

-Publicidade-

“O Instituto Butantan já entrega [a vacina Coronavac] direto ao estado de São Paulo. Há uma divergência de cálculo entre os técnicos do Ministério da Saúde e os técnicos da Secretaria Estadual de São Paulo”, disse ministro em evento na cidade de Botucatu, no interior de São Paulo.

Queiroga também respondeu sobre a reclamação de atrasos na distribuição de vacinas. “Assim que chega, a gente procura liberar. Eventualmente, quando a velocidade de vacinação no município é grande, pode ser que um dia falte dose. O compromisso é sempre fazer isso com a maior eficiência possível”.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários

  1. Ministro, o marqueteiro Dória quer sempre sair na frente do Ministério da Saúde. Então que saia com a sua vacina da Dória/Butantã/Sinovac empreendimentos vacinais que ainda não tem registro definitivo na Anvisa e sequer testes em crianças e jovens. Curioso que para a CPI do Randolfe, quem politiza a vacina é o Bolsonaro. A Pfizer virou a queridinha dos privilegiados e sequer atende pequenos municípios e grande parte da população brasileira. Como aceitar que possa ser escolhida? Penso que com mais de 50% da população vacinada, o MS poderia ate negociar com clinicas particulares vacinas “queridinhas”, com lucro para subsidiar a população do SUS, e transferindo às clinicas a responsabilidade de responder por efeitos adversos que a Pfizer impôs ao Governo Federal.

  2. Ao final de 2022 dorita terá ficado 6 anos à frente da locomotiva deste país, 2 anos como prefeito de SP e 4 anos como governador de SP. Se as urnas forem auditáreis até lá, seguramente será defenestrado e nunca mais se elegerá para nada. No entanto o seu saldo particular será um sucesso, pois nesse período de 6 anos ele deve ter multiplicado sua fortuna x100. No fundo, toda aquela lorota que ele empenhava era por este fim. Mas e a cidade e o estado de SP, como estão depois destes 6 anos, piores, sem nenhum avanço em nenhum campo, tudo bravata e lorota por parte de dorita. Fim!

  3. Esta claro e evidente que o Ditadorzinho de Calça Apertada esta querendo boicotar as vacinas para forçar o governo federal comprar a Coronavac.
    Este Ditadorzinho de merda esta omitindo o contrato da Sinovac com o butantan e esta querendo roubar mais dinheiro da população.
    Deus esta no comando e sua hora vai chegar ditadorzinho de merda!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro