-Publicidade-

Reforma administrativa será aprovada este ano, prevê governo

A medida põe fim aos chamados 'penduricalhos' dos servidores públicos e dará fôlego às contas públicas
O Ministério da Economia garante que essas distorções provocam aumento dos gastos públicos
O Ministério da Economia garante que essas distorções provocam aumento dos gastos públicos | Foto: Wallace Martins/Estadão Conteúdo

O líder do governo federal na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que a reforma administrativa será aprovada neste ano pela Casa. “Com certeza votaremos rapidamente”, declarou o parlamentar, em entrevista à rádio Jovem Pan, nesta terça-feira, 30. A medida põe fim aos chamados “penduricalhos” dos servidores. Hoje, a classe possui estabilidade, regime previdenciário diferenciado e salários incompatíveis com os da iniciativa privada. O Ministério da Economia garante que essas distorções provocam aumento dos gastos públicos e amplia a desigualdade social. Ainda segundo Barros, a reforma tributária virá na sequência, porém vai demorar um pouco para receber o sinal verde. “Não decidimos se vai começar pela Câmara ou pelo Senado”, acrescentou, ao mencionar que, na primeira opção, o texto será chancelado com mais velocidade.

Leia também: “Servidores, a casta privilegiada não atingida pela crise”, artigo publicado na Edição 8 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Vamos fazer uma novena para dar certo. Com essa câmera onde somente 27 deputados federais foram realmente eleitos pelo voto direto, o restante 486 foram eleitos pelos acertos da legislação eleitoral. Soma o voto de todos e começa a proporcionalidade. Quer dizer levaram no tapetão. Não representam de fato o interesse do eleitor. Então precisamos rezar bastante para dar certo.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.