Relator afirma que PL das ‘fake news’ foi alvo de… ‘fake news’

Senador Angelo Coronel afirma que projeto não busca cercear a liberdade de expressão
-Publicidade-
O senador Angelo Coronel, quer PL das fake news aprovado, mas sem cercear a liberdade de expressão | Foto: REPRODUÇÃO/TV SENADO
O senador Angelo Coronel, quer PL das fake news aprovado, mas sem cercear a liberdade de expressão | Foto: REPRODUÇÃO/TV SENADO | angelo coronel - relator do projeto das fake news

Senador Angelo Coronel afirma que projeto não busca cercear a liberdade de expressão

angelo coronel - relator do projeto das fake news
O senador Angelo Coronel, quer PL das fake news aprovado, mas sem cercear a liberdade de expressão | Foto: REPRODUÇÃO/TV SENADO

Chamado de Lei das Fake News, o Projeto de Lei (PL) 2630/2020 acabou se tornando alvo de notícias falsas. Quem afirma é o relator da proposta, senador Angelo Coronel (PSD-BA). Ao discursar no início da sessão do Senado desta terça-feira, 30, na qual o tema deve ser apreciado pelo plenário, o parlamentar defendeu o texto-base que apresentou na noite de ontem.

-Publicidade-

Leia mais:AO VIVO: PL das fake news está na pauta do Senado

“O próprio PL das fake news foi alvo de fake news“, comentou Coronel. De acordo com o senador baiano, o tema gerou diversas mensagens com informações incorretas sobre o projeto. Ele garantiu, por exemplo, que a proposta não tem por objetivo cercear a liberdade de expressão. “Não é uma mordaça, como alguns dizem por aí”, defendeu. Dessa forma, o senador tem entendimento diferente de usuários do Twitter, que classificam o PL como “censura”.

Contra o anonimato

O relator Angelo Coronel afirmou que o seu principal objetivo com o projeto é ir contra o anonimato presente em plataformas de redes sociais. Ele lembrou, inclusive, que tal ponto já é proibido perante a Constituição. “[Queremos] vencer o anonimato irresponsável”, afirmou o senador. Por fim, ele disse que contas anônimas presentes na internet têm sido responsáveis por promover ataques contra parlamentares e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele afirma, no entanto, que o anonimato será resguardado em determinados casos. São os exemplos, por exemplo, de grupos de alcoólicos anônimos ou de movimentos com cunho religioso.

O texto

Confira, abaixo, a íntegra da última versão do texto do PL das fake news:

Ao vivo

Acompanhe ao vivo a sessão do Senado realizada na tarde desta terça-feira, 30:

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.