Risco de ‘dinastia’ do DEM na Câmara pesa contra possível candidatura de Tereza Cristina

Se ministra da Agricultura concorrer a presidência da Câmara e vencer, Democratas permaneceria com o comando da Casa por quase seis anos e meio. Recorde de longevidade é do MDB
-Publicidade-
Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados
Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

O partido da ministra Tereza Cristina, o DEM, é um dos poucos fatores que jogam contra uma candidatura dela à presidência da Câmara. Caso vença as eleições, em 2021, e fique até o fim do mandato, em 2023, o Democratas teria o comando da Casa por seis anos, cinco meses e 12 dias.

Seria a mais longeva “dinastia” de um partido à frente da presidência da Câmara desde os oito anos em que o MDB ocupou o assento após o regime militar. Três presidentes emedebistas comandaram a Casa de maneira consecutiva entre 1985 e 1993: Ulysses Guimarães (SP), que assumiu dois mandatos, entre 1985 a 1989; Antonio Paes de Andrade (CE), que permaneceu entre 1989 a 1991; e Ibsen Pinheiro (RS), que ficou de 1991 a 1993.

-Publicidade-

A longevidade do DEM à frente da presidência é um dos únicos motivos que deixam Tereza pensativa se arrisca, ou não, a disputa. Ela sabe que a continuidade do partido joga contra suas chances. Por isso, tenta viabilizar uma aliança com partidos da centro-direita com a promessa de melhorar a relação da Câmara com o governo.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.