Secretário do Tesouro defende o congelamento de salários por 18 meses

Mansueto Almeida, no entanto, afirmou que bônus temporários poderão ser concedidos; Bolsonaro deve vetar a possibilidade de dar aumento a servidores públicos durante a pandemia
-Publicidade-
Mansueto Almeida participou de sessão virtual com o Congresso - Pedro França/Agência Senado
Mansueto Almeida participou de sessão virtual com o Congresso - Pedro França/Agência Senado

Mansueto Almeida, no entanto, afirmou que bônus temporários poderão ser concedidos; Bolsonaro deve vetar a possibilidade de dar aumento a servidores públicos durante a pandemia

Mansueto Almeida participou de sessão virtual com o Congresso – Pedro França/Agência Senado

O secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, defendeu a proibição do reajuste dos salários dos servidores públicos por 18 meses como medida essencial para o ajuste fiscal. No entanto, afirmou que isso não impede a criação de “bônus temporários para alguns trabalhadores que estão se ‘esforçando muito’ nesse período combate ao coronavírus”.

-Publicidade-

“Isso é um sacrifício até pequeno, no meio de uma crise tão séria. Mais de 5 milhões de trabalhadores do setor privado estão tendo o seus contratos de trabalho suspensos ou salários reduzidos. A gente não ter aumento por um ano e meio não é nada anormal. É algo necessário”, disse Mansueto na manhã em comissão do Congresso que trata do coronavírus.

A pedido do ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente Jair Bolsonaro deverá vetar a possibilidade de dar aumento a servidores públicos em projeto aprovado pelo Congresso. A equipe econômica defende que o congelamento tenha validade de um ano e meio.

Em troca do congelamento, o governo ajudará os Estados e municípios com um socorro financeiro. Bolsonaro tem até o dia 27 de maio para sancionar a lei.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. O contrário seria justamente o absurdo. É o mínimo q os servidores públicos podem fazer diante de tamanha e inédita crise. Quem fizer campanha por aumento, é desumano.

  2. Acredito como funcionário público, federal, aposentado do Ministério da Saúde, que não ganha mais de 6.500 reais, que os funcionários públicos aceitam o sacrifício, porém com o respeito ao teto salarial em todos os níveis do executivo, legislativo e judiciário. Fim dos auxílios moradia,gasolina, passagens aéreas ilimitadas, fim da verba de gabinete e acabar com a dupla militância no STF. Acabar com as férias de 60 dias do judiciário e saber do ministro Barroso quem vende sentenças no supremo, como ele disse. Aí sim vamos todos ao sacrifício.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.