-Publicidade-

Secretário licenciado de Doria é denunciado por corrupção

Alexandre Baldy teria recebido R$ 2,6 milhões em propinas para beneficiar empresários do setor da saúde
O secretário estadual licenciado dos Transportes, Alexandre Baldy, e o governador João Doria (PSDB) | Foto: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO
O secretário estadual licenciado dos Transportes, Alexandre Baldy, e o governador João Doria (PSDB) | Foto: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO | O secretário estadual licenciado dos Transportes, Alexandre Baldy, e o governador João Doria (PSDB) | Foto: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO

Alexandre Baldy teria recebido R$ 2,6 milhões em propinas para beneficiar empresários do setor de saúde

secretário licenciado
O secretário estadual licenciado dos Transportes, Alexandre Baldy, e o governador João Doria (PSDB) | Foto: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO

O secretário estadual licenciado dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, foi denunciado nesta terça-feira, 18, sob acusação de organização criminosa e corrupção, no âmbito da Operação Dardanários. O Ministério Público Federal (MPF) acusa Baldy de receber R$ 2,6 milhões de propinas de dirigentes da organização social Pró-Saúde e da empresa Vertude entre 2014 e 2018. O secretário chegou a ser preso pela Polícia Federal, mas foi solto por liminar concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes.

Conforme a denúncia baseada no relato de três delatores vinculados às entidades, houve entrega de propina em dinheiro vivo a Baldy via interlocutores. Uma das evidências apresentadas pelo MPF são vídeos em que Edson Giorno, colaborador ligado à Pró-Saúde e à Vertude, mostra como guardou notas de R$ 50 e R$ 100 supostamente entregues a Rodrigo Dias, primo de Baldy, que também é alvo da acusação. A Justiça sustenta que o secretário recebeu R$ 500 mil para interceder junto ao governo de Goiás para o pagamento de valores a receber pela Pró-Saúde.

Outros R$ 960 mil teriam sido recebidos pelo secretário pela contratação da empresa Vertude pela Junta Comercial de Goiás. Os procuradores argumentam ainda que Baldy recebeu mais R$ 1,15 milhão para viabilizar a contratação da companhia pela Fiocruz. Contudo, o secretário do governador João Doria (PSDB-SP) garante que não cometeu nenhum crime e é inocente.

Leia também: “PF faz megaoperação contra o tráfico internacional”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês