-Publicidade-

Secretário preso pela PF segue com a ‘confiança’ de Doria

Governador de São Paulo reforça apoio a Alexandre Baldy
Alexandre Baldy e João Doria: aliados, apesar de operação da PF | Foto: REPRODUÇÃO/TWITTER
Alexandre Baldy e João Doria: aliados, apesar de operação da PF | Foto: REPRODUÇÃO/TWITTER | alexandre baldy e joão doria - aliados

Governador de São Paulo reforça apoio a Alexandre Baldy

alexandre baldy e joão doria - aliados
Alexandre Baldy e João Doria: aliados, apesar de operação da PF | Foto: REPRODUÇÃO/TWITTER

Detido na manhã de hoje em decorrência de operação deflagrada pela Polícia Federal, conforme noticiou Oeste, o secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Alexandre Baldy (PP), recebeu apoio público do seu chefe. Horas depois da detenção, o governador João Doria (PSDB) saiu em defesa de seu aliado.

Leia mais: “Delação de ex-diretores de OS resultou em operação que prendeu Baldy”

“Tenho confiança de que Baldy saberá esclarecer os acontecimentos e colaborar com a Justiça”, publicou Doria, em seu perfil no Twitter, horas após o secretário ser preso por agentes da Polícia Federal.

O governador, contudo, registrou que a prisão de seu aliado não tem relação direta com a função que ele ocupa no governo estadual de São Paulo. Assim, deu a entender que manterá Baldy no cargo.

“Não têm relação com a atual gestão”

“As acusações contra Alexandre Baldy não têm relação com a atual gestão no Governo de SP. Portanto, não há nenhuma implicação na sua atuação na Secretaria de Transportes Metropolitanos”, afirmou o governador. A saber: o político preso hoje está no primeiro escalão do governo paulista desde o início da gestão Doria.

Operação Dardanários

Baldy foi alvo da Operação Dardanários, desdobramento da Lava Jato que apura irregularidades entre empresários e agentes públicos na área da saúde. Natural de Goiânia, o atual secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo iniciou a carreira política em seu Estado natal. Foi secretário da Indústria e Comércio de Goiás. Posteriormente, foi deputado federal e ministro das Cidades durante parte da gestão Michel Temer. Hoje no PP, ele foi filiado ao PSDB e ao Podemos (então chamado de PTN).

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 comentários

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês