Sem acordo, votação da PEC Emergencial fica para 4ª feira

Projeto relatado pelo senador Márcio Bittar abre caminho para a volta do auxílio emergencial
-Publicidade-
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco | Foto: Afonso Marangoni/Revista Oeste

A votação da PEC Emergencial, que estabelece medidas de reequilíbrio fiscal e controle do crescimento de despesas obrigatórias, ficou para a próxima quarta-feira, 3. Havia a previsão de que o projeto fosse votado nesta quinta-feira, 25, mas não houve consenso.

Na prática, o projeto relatado pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC) abre caminho para a volta do auxílio emergencial. Há questionamentos principalmente ao trecho que prevê o fim dos pisos constitucionais com saúde e educação.

-Publicidade-

Leia mais: “Senado aprova Marco Legal das Startups”

“Nós não votaremos na data hoje a Proposta de Emenda à Constituição, permitindo que os senadores possam discutir e sugerir eventualmente alterações que podem ser acolhidas pelo relator”, disse Pacheco à imprensa.

Saúde e educação

A PEC Emergencial determina que sejam revogados dispositivos da Constituição que garantem o percentual de repasse mínimo para saúde e educação. Hoje funciona assim:

Municípios

  • 15% do orçamento em saúde
  • 25% em educação

Estados e DF

  • 12% em saúde
  • 25% em educação

Governo Federal

  • 15% em saúde + reajuste da inflação
  • 18% para educação + reajuste da inflação

Na opinião do relator, Marcio Bittar, a mudança devolve aos municípios, aos Estados e à União o poder de legislar uma das leis mais importantes, que é o orçamento.

Auxílio Emergencial

Pela proposta, as despesas decorrentes da concessão do auxílio não serão consideradas para fins de apuração da meta fiscal e deverão ser atendidas por meio de crédito extraordinário.

Aprovação

Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição, a PEC precisará ser aprovada em dois turnos, por no mínimo 49 senadores. Entre os turnos, é necessário um intervalo de cinco dias úteis — esse interstício pode ser revisto se houver entendimento entre os líderes.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Não entendo como em um processo tão emergencial, o Senado não trabalhe na 6a. feira, dia útil para todos os brasileiros. Lembro que a importante e necessária MP871 de combate às fraudes da previdência foi votada em uma 2a.feira no Senado Federal, último dia para não caducar. Essa MP871 resultará em economia de R$200 bi em uma década, e quase caducou para desconforto de Paulo Guedes, do governo Bolsonaro e do povo brasileiro. Esse é o nosso parlamento que pensei tivesse mudado após as recentes eleições presidenciais de suas casas.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site