Sessão sobre compra de material escolar tem tumulto sobre denúncias no MEC

Audiência com presidente Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação tem discussões sobre caso de verbas a pastores
-Publicidade-
Marcelo da Ponte respondeu questões sobre compras de materiais escolares pelo FNDE
Marcelo da Ponte respondeu questões sobre compras de materiais escolares pelo FNDE | José Cruz/Agência Brasil

A possibilidade de instauração de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar denúncias de irregularidades no Ministério da Educação (MEC) esquentou o depoimento de Marcelo da Ponte, presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), nesta terça-feira, 5, na Câmara dos Deputados.

Ponte participou de audiência da Comissão de Educação na Câmara sobre supostas irregularidades em compra de carteiras e mesas escolares, com denúncias de sobrepreço de R$ 1,59 bilhão, segundo auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU).

No entanto, o debate acabou chegando à investigação sobre favorecimento de pastores na gestão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Parlamentares de situação e de oposição elevaram o tom em um momento em que a sessão tocou nas denúncias sobre o caso da liberação de verbas no MEC.

-Publicidade-

Léo Motta (Republicanos-MG) e Hélio Lopes (PL-RJ) interromperam o presidente da comissão, Kim Kataguiri (União-SP), questionando que a sessão estava se desviando do debate que motivou a convocação de Marcelo da Ponte. Adiante, Pedro Uczai (PT-SC) tentou voltar ao tema, mas sem sucesso.

Compra de material escolar

Sobre o tema central da audiência, o presidente do FNDE negou que tenha havido erro na estimativa feita pelo Fundo a respeito do número de carteiras e mesas escolares a serem adquiridas.

O presidente do FNDE ainda afirmou que o órgão já havia corrigido três principais pontos no pregão, como o número de itens, o preço e falhas formais. O presidente da Comissão de Educação, o deputado Kim Kataguiri (União-SP), questionou a respeito de outras possíveis irregularidades, como suposto conluio.

“Esses risco de empresas fakes, conluios, tem que ser afastado, investigado. Tem uma fase de apresentação dessas documentações, apuração. A CGU tem acompanhado de perto e é uma demanda da minha gestão”, disse Ponte.

Segundo os deputados Pedro Uczai e Rogério Correia (PT-MG), que assinam juntos o requerimento para a realização da audiência, a CGU informou que a média de preço das propostas apresentadas por oito empresas ao FNDE é 41% superior ao dos pesquisados na internet e 165% acima dos valores coletados no sistema de compras do governo federal.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.