Siglas avaliam formar federações para reagir ao União Brasil

Partidos podem se unir para atuar de forma conjunta
-Publicidade-
Congresso aprovou mudanças nas regras eleitorais em agosto
Congresso aprovou mudanças nas regras eleitorais em agosto | Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

Pouco mais de duas semanas depois de o Congresso Nacional permitir a formação de federações partidárias, partidos consideram se juntar para dar origem a “supersiglas”. Republicanos, PP e PL já iniciaram as negociações entre si. MDB, Avante e Solidariedade estudam formar um bloco, noticiou nesta quinta-feira, 14, o jornal O Globo. Também estão se aproximando Cidadania, Rede e PV. Na extrema esquerda, PCdoB e PSB ensaiam um namoro.

Os movimentos ocorrem logo após a criação do União Brasil, fruto do casamento entre o DEM e o PSL, mas cuja certidão de nascimento só sairá no início de 2022. Isso porque o Tribunal Superior Eleitoral precisa analisar grandes volumes de documentos enviados pelas duas legendas. Nos bastidores, deputados e senadores tentam reequilibrar as forças no Congresso, de modo a fazer frente aos 81 parlamentares do gigante União Brasil.

Federações

-Publicidade-

Em agosto, o Congresso aprovou mudanças nas regras eleitorais, entre elas a que permite as siglas se organizarem em federações. Na prática, elas podem formar uma só agremiação, inclusive nos processos de escolha e registro de candidatos para os pleitos majoritários e proporcionais e, no cumprimento das cláusulas de desempenho. Ao optarem por esse caminho, porém, precisam estar juntas tanto na campanha quanto nos quatro anos seguintes. Bolsonaro chegou a barrar o texto, mas o Legislativo derrubou o veto.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. No final, acabarão em dois ou três partidos para disputar o novo sistema político: O parlamentarismo ou semi-presidencialismo que não entendi até agora o que signifique isso. Acabariam com o senado ou mudariam sua função para atender apenas os problemas de cada estado da federação, se tornariam senadores estaduais e sem autonomia nos problemas nacionais. Chega de Alcolumbres da vida a nos atormentar, que atormente seus eleitores do Amapá apenas.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.