Telegram assina acordo com TSE para ‘combater’ fake news

Twitter, TikTok, Facebook, WhatsApp, Google, Instagram, YouTube e Kwai já haviam firmado parceria com o tribunal
-Publicidade-
O Telegram assinou um acordo com o TSE
O Telegram assinou um acordo com o TSE | Foto: Reprodução/Pixabay

O Telegram assinou nesta sexta-feira, 25, um termo de adesão ao programa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de combate à desinformação. Segundo o órgão, a finalidade da parceria é “combater” os conteúdos falsos relacionados à Justiça Eleitoral, ao sistema eletrônico de votação e ao processo eleitoral.

O acordo foi firmado depois de uma reunião realizada nesta tarde. Participaram do encontro membros da Assessoria Especial de Enfrentamento à Desinformação (AEED); a secretária-geral da presidência da Corte, Christine Peter da Silva; a juíza auxiliar Flávia Viana, da Assessoria Consultiva (Assec); José Gilberto Scandiucci, da Assessoria de Assuntos Internacionais; e o juiz auxiliar da Vice-Presidência, Marcos Vargas.

No primeiro encontro, realizado na quinta-feira 24, discutiram-se “formas de colaboração para a realização de eleições legítimas e seguras”. O representante do Telegram no Brasil, Alan Campos Elias Thomaz, participou da reunião. Já o presidente do TSE, ministro Luiz Edson Fachin, não esteve presente.

-Publicidade-

Em fevereiro, o TSE firmou parceria com outras oito plataformas digitais: Twitter, TikTok, Facebook, WhatsApp, Google, Instagram, YouTube e Kwai.

Nova fase

Na semana passada, o ministro Alexandre de Moraes determinou o bloqueio do aplicativo Telegram. Dois dias depois, voltou atrás e suspendeu a medida.

“O caso do Telegram é uma vergonha — mais uma, na sucessão inevitável de vergonhas públicas trazidas por esse inquérito ilegal, abusivo e típico de ditaduras subdesenvolvidas”, escreveu J.R. Guzzo, em artigo publicado em Oeste. “Diante de um Congresso que se ajoelha, e dos grandes faróis da ‘sociedade civil’ que preferem ficar apagados, Moraes viola abertamente a Constituição a cada um dos seus despachos.”

Clique aqui para ler o texto completo.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Lamentável! STF vai perseguir as redes sociais, aliás, já estão dominados pelo judiciário. E o congresso calado, o silêncio dos senadores é SEPULCRAL.

  2. As redes sociais em toda parte são territórios férteis para disseminação de notícias falsas. Porém a imprensa convencional nunca esteve imune à divulgação de notícias que depois se mostraram mentirosas. A grande questão é a quem será dado o poder de determinar o que é e o que não é fake News.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.