Trabalho dos parlamentares caiu mais de 10% durante pandemia

Durante os três últimos meses em que o Congresso adotou o trabalho remoto por causa da pandemia, parlamentares aprovaram ou rejeitaram apenas 108 matérias
-Publicidade-
Congresso adotou as sessões virtuais em março | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Congresso adotou as sessões virtuais em março | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado | trabalho Parlamentares durante pandemia

Durante os três últimos meses em que o Congresso adotou o trabalho remoto por causa da pandemia, parlamentares aprovaram ou rejeitaram apenas 108 matérias

trabalho Parlamentares durante pandemia
Congresso adotou as sessões virtuais em março | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Um levantamento feito por Oeste junto ao painel Legislativo apontou que a atividade parlamentar caiu 11,5% durante a pandemia do coronavírus. De março até maio, os deputados e senadores analisaram 108 matérias, como projetos de leis e medidas provisórias. No entanto, no mesmo período do ano passado, Câmara e Senado já tinham aprovado ou rejeitado 122 projetos.

-Publicidade-

No mês de março, quando o Congresso passou a adotar o trabalho remoto, foram analisadas 30 matérias. Nove foram rejeitadas e 21 aprovadas. Entre os destaques deste mês, foi aprovado o projeto de Lei do governo federal que instituiu o auxílio emergencial de R$ 600. O benefício atendeu trabalhadores informais afetados pelo fechamento do comércio nos Estados e municípios. Em março de 2019, o Congresso analisou 33 projetos, ou seja, 10% a mais.

Leia também: “Câmara gastará R$ 2,8 milhões com manutenção de jardins”

Em abril, Câmara e Senado conseguiram analisar 40 projetos, contra os 41 de 2019. Contudo, apenas 10 propostas entram em vigor, as demais foram rejeitadas. Entre as medidas aprovadas em abril, esteve a Lei 1282/2020, que instituiu o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe).

Já em maio deste ano, os parlamentares trabalharam em 38 projetos e aprovaram 24 do total. Entre os textos, a Medida Provisória 909/2019 de autoria do governo federal, que tratava da extinção do Fundo de Reserva Monetária mantido pelo Banco Central.

Durante a tramitação, senadores e deputados incluíram um dispositivo que transferia os mais de R$ 8 bilhões do fundo para os governadores e prefeitos. No entanto, o ponto foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Agora, os parlamentares tentam derrubar o veto do Executivo. A questão deveria ter sido analisada na sessão desta semana mas, sem acordo, a votação acabou cancelada.

Medidas Provisórias

Sem uma base sólida de parlamentares e com a morosidade para aprovação de matérias no Congresso, a Medida Provisória foi o dispositivo mais utilizado pelo governo Bolsonaro para governar durante o período de pandemia. A partir do momento em que uma MP é editada e publicada no Diário Oficial da União (DOU), ela passa a ter força de lei, antes mesmo de ser analisada pelo Congresso Nacional.

Em 17 meses de governo, o presidente Jair Bolsonaro já editou mais de 100 Medidas Provisórias. Até o momento, 57 MPs foram assinadas durante a pandemia do coronavírus em 2020.

Tramitação

Para ser aprovada, uma MP precisa do apoio favorável de, no mínimo, 257 dos 513 deputados e de 41 dos 81 senadores. No entanto, durante a pandemia, o Congresso Nacional mudou o trâmite que as medidas precisam seguir para serem transformadas em lei.

Leia mais: “Gastos com plano de saúde especial do Senado batem recorde”

De acordo com ato publicado no Diário Oficial da União em abril, as medidas deixam de ter a necessidade de passar por comissão mista com deputados e senadores e passam a ser instruídas direto pelos plenários. Antes, a aprovação do texto em uma comissão mista de parlamentares era o primeiro passo da análise da MP, anterior ao encaminhamento da proposta para os plenários de Câmara e Senado.

Além disso, o ato também mudou o prazo máximo para aprovação das medidas, que deixou de ser 120 dias e pode cair para 16 dias.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site