Vice-prefeito de Maringá (PR) abre evento falando em linguagem neutra

Edson Scabora participou de festival afro-brasileiro
-Publicidade-
O vice-prefeito de Maringá, Edson Scabora | Foto: Divulgação/Prefeitura Municipal de Maringá
O vice-prefeito de Maringá, Edson Scabora | Foto: Divulgação/Prefeitura Municipal de Maringá

O vice-prefeito de Maringá (PR), Edson Scabora (MDB), cumprimentou os participantes de um evento em linguagem neutra. Na semana passada, coube a ele fazer as honras da 13ª edição do Festival Afro-Brasileiro, visto que o titular da chapa, Ulisses Maia (PSD), está em viagem internacional.

“Boa noite a todos e a todas. E boa noite a todes”, disse Scabora, no evento promovido pela Secretaria Municipal de Cultura. O termo todes é usado por adeptos da chamada “linguagem neutra”. O dialeto foi inventado para que seus falantes evitem preconceito contra pessoas não binárias.

Assista ao momento em que o vice-prefeito fala em linguagem neutra

-Publicidade-

Sobre o dialeto não binário

Os defensores do subdialeto entendem que a língua portuguesa é machista por privilegiar o gênero masculino. Portanto, teria de se adaptar para abranger mais pessoas. Em entrevista à Revista Oeste, a professora Cíntia Chagas explicou que o “novo idioma” nada tem de inclusiva.

“O dialeto exclui 43 milhões de disléxicos no Brasil”, disse Cíntia, ao mencionar os cegos, que dependem de programas de computador para ler conteúdos na internet e surdos, cuja comunicação se estabelece através de sinais. “Querer impor isso, além de pautas similares, é puro elitismo.”

Leia também: “A estupidez da linguagem neutra”, reportagem publicada na Edição 62 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

10 comentários Ver comentários

  1. Mais um excelente motivo para em 2022 extinguir políticos e partidos que defendem esta barbaridade com o nosso idioma.
    Atenção povo de Maringá ele pertence ao MDB.

  2. “Diploma universitário (e também títulos acadêmicos ou cargos elevados em órgãos estatais) não ajuda a encurtar o tamanho das orelhas dos burros”.

    Barão de Itararé, 1895 – 1971, jornalista, escritor e pioneiro no humorismo político brasileiro.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.