YouTube cumpre ordem judicial e reativa canais do ‘Terça Livre’

Plataforma decidiu tirar projeto do ar no início do mês passado
-Publicidade-
Allan dos Santos, jornalista e apresentador do canal <i>Terça Livre</i>
Allan dos Santos, jornalista e apresentador do canal Terça Livre | Foto: Reprodução/YouTube/Terça Livre

Os canais do Terça Livre no YouTube foram reativados após quase um mês fora do ar. A reativação das contas ocorreu na segunda-feira 1º, informou o própria equipe do projeto de conteúdo. O retorno ao ar ocorre semanas após a Justiça determinar ao Google o fim da censura.

Leia mais: “Covid: Twitter vai punir quem postar mais de 5 fake news

-Publicidade-

De forma unilateral, a direção do YouTube resolveu bloquear de sua plataforma os dois canais mantidos pelo Terça Livre. Para tal decisão — definida em 3 de fevereiro —, a equipe da rede social de vídeos mantida pelo Google alegou “violação dos termos de serviço”. Não tornou pública qual seria essa violação.

Sem concordar com a decisão, a equipe do TL recorreu ao Poder Judiciário — e obteve vitória. Conforme registrado por Oeste em 12 de fevereiro, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a reativação dos canais da marca. Determinação finalmente cumprida pelo YouTube.

“Com as funções de transmissões reabilitadas, o jornal conservador volta a transmitir seus jornais diários às 10h e 20h nesta terça-feira”, informa o Terça Livre em texto divulgado em seu site. Apresentado pelo jornalista Allan dos Santos, o vídeo da reestreia contabiliza, no momento, mais de 138 mil visualizações.

Terça Livre de volta, mas…

Os canais do TL estão reativados no YouTube, mas a plataforma parece não facilitar a divulgação de conteúdos desenvolvidos pelo projeto. Buscas feitas por “Terça Livre” ou “Terça Livre TV” não levam a resultados com material produzido pelos canais da marca. Em vez disso, a plataforma fornece como resultado vídeo de um jornalista comemorando a censura e dizendo que o bloqueio havia sido uma “vitória da democracia”.

Até o momento, YouTube e Google não detalharam as razões pelas quais os canais foram bloqueados.

Leia também: “Muito além do Facebook e do Twitter”, artigo do colunista Dagomir Marquezi publicado na Edição 49 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.