Zambelli defende suspensão da vacinação infantil depois de irregularidades

Para ela, a campanha só deveria retornar após a investigação dos casos de aplicação de doses irregulares e de efeitos adversos
-Publicidade-
Deputada Carla Zambelli | Foto: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados
Deputada Carla Zambelli | Foto: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) enviou um ofício ao Ministério da Saúde e à Anvisa afirmando que “revela-se como prudente a suspensão temporária da vacinação de crianças e adolescentes”.

Para ela, a campanha só deveria retornar após a completa investigação dos casos de aplicação de doses irregulares e de efeitos adversos da vacina.

-Publicidade-

No documento protocolado na quinta-feira 20, a parlamentar contesta a argumentação do Ministério Público Federal de que o erro de vacinação em Lucena, na Paraíba, teria sido um caso isolado.

Zambelli citou a Advocacia-Geral da União, que informou ao Supremo Tribunal Federal que, até dezembro de 2021, cerca de 20 mil crianças teriam sido vacinadas contra a covid-19 de forma irregular.

A vacina pediátrica da Pfizer, a primeira a ser aprovada no Brasil para a faixa etária de 5 a 11 anos, só começou a ser aplicada no Brasil em 14 de janeiro deste ano, ou seja, cerca de um mês depois.

A deputada também pediu que “seja promovida uma ampla campanha de divulgação dos efetivos riscos da vacinação para crianças e adolescentes”.

Carla Zambelli pontua ser favorável à “adoção de medidas seguras e eficazes no combate à pandemia”, contudo, entende que, “em primeiro lugar, deve ser priorizada a plena segurança de todos aqueles que optem por receber a imunização”.

A parlamentar destaca que “não há certeza sobre quais os eventos adversos que podem ocorrer naqueles que optarem pela imunização” e que não há elementos disponíveis para o risco de longo prazo da vacina.

Segundo Zambelli, não tem sido obedecida a orientação do Supremo de que todos os brasileiros têm o direito de conhecer os possíveis riscos proporcionados pelas vacinas.

“Encontra-se em andamento uma campanha de relativização dos efeitos adversos por parte de parcelas da sociedade civil, que promovem verdadeiros atos de desinformação”, afirma.

De acordo com a assessoria da parlamentar, o ofício também foi encaminhado para a Secretaria de Saúde do Estado da Paraíba e para o Ministério Público Federal.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Maciel, seu ovelhinha descerebrado e imunizado cognitivo, quem sabe respeitas a diversidade de opiniões, sem destilar teu vezo luciferista? Calhorda.

  2. Carla fazendo seu papel de deputada e falta outros virem juntos e levar isso adiante! Informação é para TODOS os efeitos, bons e ruins! Quem são mesmo os negacionistas?

  3. A população está numa fissura de se proteger com essa vacina que nem se preocupa com os males que talvez ela venha causar a médio e longo prazo. Supõe-se que as crianças tenham um tempo de vida muito maior que os adultos, portanto requer maior cautela.

  4. Minha neta só vai tomar essa vacina depois de passar no pediatra e fizer todos os exames, inclusive eletrocardiograma. E vou pesquisar em todas as redes sobre a bula dessa vacina, afinal estamos falando da vida de uma inocente que tem temporariamente sua vida nas mãos de estranhos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.