Por que o governo deixou juízes, deputados e militares de fora da reforma? - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 3 set 2020, 17:45

Por que o governo deixou juízes, deputados e militares de fora da reforma?

3 set 2020, 17:45

Mesmo sendo servidores, os membros do Judiciário, do Legislativo e das Forças Armadas são regidos por estatuto próprio

governo reforma

Além destas categorias, a proposta do Ministério da Economia não inclui os atuai servidores | Foto: Agência Brasil

A proposta da reforma administrativa apresentada pelo governo federal não irá incluir militares, juízes e parlamentares. Mesmo sendo servidores, os membros do Judiciário, do Legislativo e das Forças Armadas são regidos por estatuto próprio.

“O que estamos apresentando é o que é aplicado a servidores dos Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário da União, estados e municípios”, explicou o secretário-adjunto de Desburocratização do Ministério da Economia, Gleisson Rubin.

De acordo com a Constituição, o presidente não pode propor normas para os demais Poderes. Portanto, cada Poder deve apresentar uma proposta própria. Uma outra alternativa seria os deputados e senadores incluírem estes grupos durante a tramitação.

“Essa é uma decisão do Congresso Nacional”, detalhou Gleisson Rubin.

Além destas categorias, a proposta do Ministério da Economia não inclui os atuai servidores. Portanto, se aprovada, as medidas irão valer apenas para novos concursados.

Entre as mudanças, está o corte de benefícios e vantagens, além de mudanças no regime de contratação. Licenças, aumentos e férias superiores a 30 dias serão dificultados ou até mesmo extintos. Após concurso público, só os mais bem avaliados serão efetivados.

A reforma administrativa ainda precisa ser analisada e aprovada pela Câmara e pelo Senado para virar lei. Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição (PEC), precisa ser aprovada por 2/3 de cada Casa em dois turnos de votação.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês