Sertãozinho: Prefeitura rebate médicos contrários à cloroquina

Edição da semana

Em Em 23 jul 2020, 16:40

Prefeitura rebate médicos contrários à cloroquina

23 jul 2020, 16:40

Medicamento opõe prefeito e quatro profissionais da saúde

Sertãozinho - prefeitura - medicamentos - cloroquina

Foto: CANVA

As discussões sobre mais uma cidade indicar o uso da cloroquina para pessoas que apresentem sintomas leves da covid-19 ganha mais um capítulo nesta quinta-feira, 23. Dias após o mandatário municipal anunciar que o remédio faria parte de protocolos, a prefeitura de Sertãozinho criticou os médicos que deixaram o comitê local contra a doença após a notícia.

Leia mais: “Youtuber espalha fake news sobre a cloroquina

Depois que o prefeito Zezinho Gimenez gravou vídeo falando que a cloroquina ganharia mais espaço em tratamentos contra o novo coronavírus, quatro integrantes do comitê formado desde o início da pandemia abandonaram os trabalhos. Em nota, a prefeitura de Sertãozinho afirma que os profissionais enviaram documento ao Executivo. Material esse que, conforme acusa, “faltou com a verdade”.

PRONUNCIAMENTO DO PREFEITO MUNICIPAL DE SERTÃOZINHO/SP – 19/06/2020

PRONUNCIAMENTO DO PREFEITO MUNICIPAL DE SERTÃOZINHO/SP, ZEZINHO GIMENEZ, REFERENTE PROVIDÊNCIAS EM ANDAMENTO NAS ÁREAS DE SAÚDE E EDUCAÇÃO, POR OCASIÃO DA PANDEMIA DE COVID-19. (19/06/2020)

Posted by Prefeitura de Sertãozinho/SP on Friday, June 19, 2020

Sem aviso prévio

De acordo com a prefeitura, os médicos em questão não avisaram formalmente as saídas do comitê anti-covid-19 da cidade. O que foi feito por meio de postagens nas redes sociais. Além disso, na visão do comando municipal, eles deram a entender de forma equivocada que Sertãozinho havia criado seu próprio protocolo. Nesse sentido, a prefeitura destaca que segue procedimento indicado pelo Ministério da Saúde.

“O próprio paciente deve manifestar por escrito sua vontade de utilizar os medicamentos”

“É importante esclarecer que: conforme o protocolo do Ministério da Saúde, o médico só deve prescrever azitromicina e/ou cloroquina ao paciente se julgar necessário, tendo como base avaliação clínica e exames complementares. Além disso, o próprio paciente deve manifestar por escrito sua vontade de utilizar os medicamentos, se eles forem indicados para o seu tratamento”, posiciona-se a prefeitura de Sertãozinho que, entretanto, já avisou: aceita os desligamentos dos quatro médicos do comitê. Por fim, o órgão registra ter conhecimento de que o uso precoce da cloroquina não é validada por 100% da comunidade médica.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

A obsessão da imprensa por Donald Trump

Com o único propósito de ser anti-Trump, a mídia não saberá o que fazer se não puder culpar o bufão laranja por todo o mal que eventualmente venha a acontecer

O Guevara da Daslu

Faça como Doria. Pare diante do espelho, fale meia dúzia de clichês do humanismo de butique e note que você também tem um corpinho de centro-esquerda

A China e a fábula dos pardais

Enquanto o discurso ambientalista foca a Amazônia e as mudanças climáticas, a China segue com suas práticas predatórias e não assume responsabilidades

O gênio e o mito

Maradona não deveria ser uma referência moral para ninguém. Mas é um equívoco não homenageá-lo por seu futebol-arte

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

É o “mecanismo”

É o “mecanismo”

A 3ª maior doadora da campanha paulistana do PSOL é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês