‘Preocupada’ com a Amazônia, União Europeia não protege a própria natureza

Edição da semana

Em Em 20 out 2020, 15:30

‘Preocupada’ com a Amazônia, União Europeia não protege a própria natureza

20 out 2020, 15:30

É o que aponta relatório de agência ambiental do bloco econômico, que não cumpriu metas impostas em acordos

ue, meio ambiente, preservação

Europa não preserva o próprio meio ambiente, segundo relatório | Foto: Pikist

Enquanto usam a suposta degradação da Amazônia e de outros biomas brasileiros para não finalizarem o acordo entre Mercosul e União Europeia (UE), o bloco econômico europeu mostra como não agir em relação à natureza.

A agricultura insustentável, a silvicultura e a disseminação da urbanização estão degradando a saúde dos animais da Europa e seus habitats naturais, aponta a agência ambiental UE, o que significa que o grupo não cumprirá metas cruciais de proteção da biodiversidade.

A maioria dos habitats e espécies protegidos do continente está em situação de conservação precária segundo relatório divulgado nessa segunda-feira, 19, pela Agência Europeia de Ambiente (AEA).

A UE pretendia aumentar a quantidade de habitats e espécies não avícolas em situação de conservação boa ou aprimorada em 100% e 50%, respectivamente, em 2020, na comparação com o período 2001-2006.

Mas deve ficar 12% abaixo dessa meta para habitats e 2% para espécies não avícolas, disse a agência. O grupo de países tampouco alcançou o objetivo de aumentar a quantidade de espécies avícolas em situação populacional boa ou aprimorada até 2020.

“Isso mostra muito claramente que continuamos perdendo nossos sistemas vitais de sustentação da vida”, lamentou o comissário do Meio Ambiente da UE, Virginijus Sinkevicius.

Como a crise dupla da mudança climática e da perda de vida selvagem está se acelerando, o bloco, além de países como Canadá e Reino Unido, está tentando criar um impulso antes de uma cúpula global de biodiversidade no ano que vem na China, onde quase 200 países negociarão um novo acordo para proteger a natureza.

Ou seja, Emmanuel Macron, Angela Merkel e outros representantes europeus não são capazes de melhorar a situação de seu próprio meio ambiente, mas acreditam que não só podem, como têm o direito de impor seus interesses na questão ambiental brasileira.

Com informações da Agência Brasil

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. E agora, onde está a retardada e seu discursinho de b**** contra os “adultos que destruíram o planeta”? Além de ser demente ambiental, incita o ódio dos jovens contra os adultos. Que gente mais ordinária, tudo que eles fazem visa a destruição. O Brasil tem muito a ensinar, Bolsonaro está certo! Por isso, ele é tão injustamente atacado. Pobre Europa, escancarou as portas para o discurso esquerdo-globalista, agora paga um preço altíssimo. A única coisa que funciona é ser conservador nos costumes e liberal na economia, ou seja direitista!

    Responder
  2. Se preocupem em não ser enrabado pelo pênis do dragão enfurecido! Bhostas ignorantes arrogantes!

    Responder
    • Europeus são conhecidamente tão hipócritas como arrogantes, especialmente os franceses, pior pais do continente.
      Enquanto falam m*rda da amazonia para se fazer de bons moços (em vez de assumir que sua agropecuária de baixa qualidade morre de medo de competir com a nossa, superior, e que nos sabotam por isso), franceses constroem uma das maiores minas de ouro do mundo na região amazônica da Guiana Francesa.

      Responder
  3. Acredito que tenha ocorrido uma interpretação equivocada dos dados, não posso afirmar pois a fonte não foi citada corretamente. Mas diante desse recorte:
    “A UE pretendia aumentar a quantidade de habitats e espécies não avícolas em situação de conservação boa ou aprimorada em 100% e 50%, respectivamente, em 2020, na comparação com o período 2001-2006.

    Mas deve ficar 12% abaixo dessa meta para habitats e 2% para espécies não avícolas, disse a agência. O grupo de países tampouco alcançou o objetivo de aumentar a quantidade de espécies avícolas em situação populacional boa ou aprimorada até 2020.”

    Como não protege? As metas foram atingidas em 88% e 96%, respectivamente, isso em pouco mais de uma década.

    Já pensou se no Brasil nós chegássemos a essa eficiência?

    Responder
  4. Os franceses se preocupam mais com a Amazônia do que com o próprio país, já se falam em invadir o Amapá pela Guiana, experimente, será posto pra correr com meu stiling atômico de propulsão elástica, canalhas cuidem da casa de vocês.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês