Presidente da Argentina dobra aposta e estende isolamento

Edição da semana

Em Em 21 set 2020, 07:15

Presidente da Argentina dobra aposta e estende isolamento

21 set 2020, 07:15

País tem a quarentena mais prolongada do mundo

presidente da Argentina

O presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: JOKA MADRUGA/SITE DO PT

Pela 12ª vez, o presidente Alberto Fernández estendeu o isolamento social na Argentina, iniciado em 20 de março (o mais prolongado do mundo). “A partir do diálogo constante com os especialistas e com os governadores de todo o país, decidimos manter as medidas de cuidado até domingo, 11 de outubro”, informou um anúncio oficial publicado através das redes sociais, na sexta-feira 18. Fernández não apareceu para anunciar a decisão, como de hábito. “As autoridades locais serão as que determinarão as novas indicações para cada território. O governo nacional recomenda incrementar as restrições para diminuir a circulação das pessoas”, salienta o comunicado.

Leia também: “Cresce a lista de empresários que estão de saída da Argentina”

Mesmo com as políticas isolacionistas, a Argentina vem registrando aumento nos casos de covid-19. De acordo com o mais recente levantamento do Ministério da Saúde, o país tem cerca de 600 mil infectados pelo coronavírus e 12 mil mortes em razão do patógeno. Além disso, conforme pesquisa da consultora Giacobbe, o confinamento argentino vem perdendo apoio popular. Atualmente, 53,3% das pessoas rejeitam a quarentena de Fernández e de sua vice, Cristina Kirchner. E a popularidade do presidente registrou queda: em março, era de 67,8% e, agora, caiu para 37,1%. A imagem negativa superou a positiva, passando a 48,5%. No sábado 19, a população foi novamente às ruas protestar contra o governo e as medidas de restrição.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. No Brasil tudo abriu e os números caem. Na Argentina tudo fechado e os números crescem. Alguma.duvida sobre a ineficácia da quarentena. ?

    Responder
  2. Que excelente laboratório para testes deste isolamento horizontal. Continue Fernández, continue por bastante tempo ainda, outubro ainda é pouco, prolongue mais e mais, até que fique pronta a vachina do Dória para prontamente aplicar nesses argentinos como laboratório. Excelente!

    Responder
  3. Esse Fernández está brincando de ser ditador.

    Responder
  4. Argentina, indo a passos largos para se tornar a próxima Venezuela. Mas foi a escolha insensata que os argentinos fizeram apesar de toda a desgraça que viram acontecer com os vizinhos venezuelanos.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês