Privatização dará fôlego aos servidores dos Correios

Edição da semana

Em Em 21 out 2020, 07:20

Privatização dará fôlego aos servidores dos Correios

21 out 2020, 07:20

Funcionários conseguirão dois anos de estabilidade

privatização

Governo quer acelerar a transferência da empresa para a iniciativa privada | Foto: Divulgação/Agência Brasil

A privatização dos Correios deve dar dois anos de estabilidade para os 99 mil funcionários da empresa. É o que informou nesta quarta-feira, 21, o site Poder 360. A ideia tem sido mencionada em reuniões internas da estatal e tem como inspiração o que ocorreu com o setor de telefonia, ainda nos anos 90. Conforme os interessados na aquisição da companhia, passados os dois anos, o quadro de servidores será reduzido para 30 mil. O processo deve se encerrar em 2023.

Leia também: “Amazon e Magazine Luiza estão de olho nos Correios”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Tenho sérias dúvidas se “Esta Tal” será privatizada. O corporativismo de seus funcionários é muito grande. Felizmente, uso cada vez menos seus péssimos serviços. As compras “online” estão cada vez mais sendo entregues por firmas terceirizadas, com uma qualidade e prazo incríveis, algo que os correios não fazem mesmo. Já recebi livros da Amazon com três dias apenas, coisa impensável nos correios.

    Responder
  2. Os correios dos Estados Unidos tem 630 mil funcionários. Sabendo que o Brasil tem dimensões e população relativamente semelhantes ao dos EUA, Como o Correio do Brasil vai prestar um serviço de qualidade somente com 30 mil funcionários?
    Quem acha que vai melhorar é muito ingênuo.

    Responder
    • Trinta mil? De onde você tirou isso, Igor? O número de funcionário passa de cem mil. Você cita o número de funcionários dos EUA, mas se esquece da qualidade dos serviços prestados. E os correios daqui? Prestam algum serviço de qualidade? Olhe o preço do SEDEX, que, dependendo da localidade, leva mais de 30 dias para entregar a encomenda. Que qualidade é essa, Igor?

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês