Fundeb une direita, esquerda e Centrão na Câmara - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 21 jul 2020, 20:44

Projeto em prol da educação pública une direita, esquerda e Centrão na Câmara

21 jul 2020, 20:44

Projeto do Fundeb permanente foi aprovado em primeiro turno entre deputados federais, com todos os líderes indicando voto “sim”

fundeb - mudancas

Previsto inicialmente para ser descontinuado no fim deste ano, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) será um projeto permanente. Ao menos esse é o desejo da maioria dos deputados federais. Em sessão realizada na tarde desta terça-feira, 21, os parlamentares aprovaram em primeiro turno a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 15/2015, que visa mudanças no programa.

Leia mais: “Maia está sentado sobre o fim do foro privilegiado há 3 anos

Além de tornar o Fundeb um projeto permanente, a proposta aprovada pelos deputados aumenta a participação do governo federal. Atualmente, a União arca com 10% do fundo. Caso seja aprovado pelo Senado e, posteriormente, pelo presidente da República, o governo será responsável por 20% do Fundeb a partir de 2026. Conforme noticiado por Oeste, a participação do governo federal irá para 12,5% (2021), 15% (2022), 16,5% (2023), 18% (2024) e 19% (2025).

Votação

Antes da votação, a aprovação já era de se imaginar. Afinal, o tema uniu esquerda, direita e Centrão. Todas as lideranças indicaram o voto “sim” — desde o PSOL ao Novo. Os líderes, aliás, elogiaram à relatora do projeto, Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO). “Dia histórico” para a educação foram algumas das palavras ditas por mais de um parlamentar.

Discutida há anos, a transformação do Fundeb em programa permanente em prol da educação foi aprovada por 499 deputados no primeiro turno de votação. Apenas sete votaram contra. A expectativa é que, com isso, a Câmara aprove a PEC também em segundo turno. Se assim for, a proposta seguirá no Congresso, indo para o Senado, onde também terá de ser aprovada em dois turnos.

“É um dia de festa. Um dia de união”, disse Diego Andrade, deputado por Minas Gerais e líder do PSD na Câmara. Ele aproveitou a sua fala para chamar a colega Dorinha de “gigante”. Além disso, relembrou o trabalho feito por sua colega de Estado. Afinal, a ex-deputada federal Raquel Muniz foi quem apresentou a PEC sobre o novo Fundeb em julho de 2015.

Na sequência, a Câmara irá analisar destaques (propostas de mudanças em determinados pontos do texto original).

Movimentações para a votação

A apreciação da PEC sobre o Fundeb rendeu discussões prévias em Brasília. Chegou-se a ventilar que o tema entraria na pauta da Câmara na segunda-feira, 20, mas isso não ocorreu. Com alinhamento entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), líderes partidários e integrantes do governo federal, o assunto ganhou vez na sessão plenária realizada hoje.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Esquerda e direita juntas para projeto de educação? Já passei da época de ser trouxa. Absolutamente certo q tem alguma entrelinha. Algo q ninguém percebeu e q vai perpetuar a influência perniciosa da esquerda nesse tema. O tempo dirá e estarei aqui para lembrar.

    Responder
    • Mineiro? Penso igual!

      Responder
  2. Pec é promulgada diretamente pelo Congresso, não precisa o Presidente sancionar.

    Responder
    • Oi, Mateus. Informação devidamente corrigida. Abraços e mil desculpas pelo erro.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

É o “mecanismo”

É o “mecanismo”

A 3ª maior doadora da campanha paulistana do PSOL é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês