Protestos contra o primeiro-ministro na Bulgária - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 15 jul 2020, 11:20

Protestos contra o primeiro-ministro na Bulgária

15 jul 2020, 11:20

Manifestação conta com apoio do presidente de esquerda; o primeiro-ministro Boyko Borissov é de centro-direita

Protestos Bulgária

Foto: VoA/Twitter

Milhares de pessoas devem participar em Sofia, capital da Bulgária, do sétimo dia seguido de protestos contra o governo do país. Os manifestantes também estão convocando uma greve geral a fim de pressionar o primeiro-ministro.

Os manifestantes acusam o primeiro-ministro da Bulgária, Boyko Borissov, que é de centro-direita, de conexões criminosas e corrupção e pedem sua renúncia. Eles também pedem a renúncia do procurador-geral do país, Ivan Geshev.

Veja também: “Protestos violentos contra o ‘lockdown’ na Sérvia”

Os protestos na Bulgária são certamente os maiores que acontecem no país da Europa Oriental em mais de sete anos. A Bulgária conta com pouco mais de 7 milhões de habitantes.

Disputa com o presidente

Tudo começou na última semana, quando Geshev ordenou uma operação policial no escritório presidencial. Dois assessores foram detidos por suspeita de divulgação de documentos confidenciais e por tráfico de influência. A informação é da televisão europeia Euronews.

A operação foi vista como uma forma de pressionar o presidente. Eleito em 2017, Rumen Radev foi comandante da Força Aérea do país e teve o apoio do Partido Socialista em sua campanha. Desde que assumiu o poder, ele tem feito críticas abertas ao governo de Boyko Borissov.

Em postagem em sua conta do Facebok, Radev afirmou que os protestos são contra “a máfia que está no poder” e que com certeza “não há poder que possa deter as manifestações”.

Mais: “Mais de 50 pessoas são presas em Hong Kong em protesto contra o governo chinês”

O primeiro-ministro posteriormente também se manifestou nas redes sociais, afirmando que respeita manifestações pacíficas. “Respeito o direito de todos se manifestarem. Minha porta sempre está aberta ao diálogo.”

Ele completou: “O poder nos foi dado pelo povo, e vamos exercê-lo com responsabilidade”.

Desde o início, a grande maioria dos protestos ocorreu de forma pacífica. Aconteceram poucos casos de vandalismo e confronto com as forças policiais. Com isso, alguns manifestantes foram detidos.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês