PT lança candidatura de Jilmar Tatto em São Paulo

Edição da semana

Em 12 set 2020, 17:49

PT lança candidatura de Jilmar Tatto em São Paulo

12 set 2020, 17:49

Afilhado político de Marta Suplicy, petista precisa enfrentar má vontade do ex-presidente Lula e do ex-prefeito Fernando Haddad

jilmar tatto, pt, candidato, eleições 2020, prefeitura de são paulo, lula, fernando haddad, guilherme boulos, celso amorim

Jilmar Tatto imitou Guilherme Boulos e lançou sua candidatura para prefeito de uma laje no bairro do Socorro, na zona sul de São Paulo | Foto: Reprodução/Twitter

O Partido dos Trabalhadores (PT) realizou neste sábado, 12, o evento que oficializou a candidatura do ex-deputado federal Jilmar Tatto à prefeitura de São Paulo.

Tatto seguiu o caminho escolhido por Guilherme Boulos (Psol) e escolheu para lançar a campanha na região onde cresceu, no bairro do Socorro, na Zona Sul da capital.

Na reportagem de capa de Oeste desta semana, Silvio Navarro e Artur Piva resumem situação de Tatto na disputa:

“A precarização dos quadros é uma realidade dura para o lulismo. Em São Paulo, o candidato da legenda à prefeitura, Jilmar Tatto, não só se frustrou sem o apoio do ex-presidente, que vê nele resquícios do “martismo” (Tatto foi afilhado político de Marta Suplicy, com quem Lula rompeu quando ela deixou a legenda), como nem sequer consegue uma aliança sólida para vice. Segundo analistas, a tendência é que Lula prossiga num apoio velado a Guilherme Boulos”.

De fato, hoje o ex-presidente fará o discurso de apresentação da candidatura de casa, sob a desculpa de que, aos 74 anos, faz parte do grupo de risco para o coronavírus.

Pior que isso, petistas históricos como Chico Buarque, André Singer e Luís Fernando Veríssimo — e até mesmo filiados da legenda, como Celso Amorim, ex-chanceler do governo Lula, já declararam que darão apoio ao psolista.

No que seria um tiro de misericórdia, o ex-prefeito paulistano e candidato derrotado nas eleições presidenciais de 2018 Fernando Haddad tentou se esquivar do evento de hoje. Alegando que tinha um compromisso previamente marcado, tentou seguir os passos de Lula e aparecer apenas por vídeo na convenção da “tattolândia”, como apoiadores chamam o bairro em que se realizou o evento. Não deu certo.

Depois de ser pressionado por inúmeras mensagens pelo WhatsApp e de ser acusado de trair um colega necessitado, Haddad voltou atrás e compareceu ao evento.

Ainda assim, a desordem imperou: a maior parte dos participantes virtuais não sabia como funcionava a ferramenta utilizada pelo partido para que comentassem o evento e o candidato mal foi visto por quem tentou acompanhar a convenção pelas redes sociais.

De qualquer forma, pelo que se pôde perceber até aqui, nem mesmo o PT está muito empenhado na campanha de Tatto.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Obrigado Roberta. Vc com “tato” e no meio desse “bolo”, mais do que noticiando o fim da esquerda comunista e agourenta no Brasil, nos dá a tranquilidade necessária para acreditar que pelo menos nos próximos 100 anos ficaremos livres até de liberais e progressistas, travestidos de sociais democratas, mas que no fundo no fundo é uma comunistada incompetente, que fez de um POVO, cobaias ambulantes, experimentando um modelo que não deu certo em lugar algum do planeta terra.

    Responder
  2. Cadê o meu comentário incluindo crítica ao Igor Gadelha?

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês