Força-tarefa da Lava Jato? Quem é o novo coordenador - Revista Oeste

Edição da semana

Em 1 set 2020, 17:40

Quem é o novo coordenador da força-tarefa da Lava Jato?

1 set 2020, 17:40

Substituto de Deltan Dallagnol é procurador da República há 16 anos

novo coordenador da força-tarefa da operação lava jato no paraná - procurador Alessandro José Fernandes de Oliveira

Foto: DIVULGAÇÃO

A força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba já tem definido o sucessor de Deltan Dallagnol. A partir de agora a função de coordenador passa a ser de responsabilidade de Alessandro José Fernandes de Oliveira. Ele é procurador da República desde 2004 e trabalha no Paraná há nove anos.

Leia mais: “Lava Jato do RJ garante que Aras ‘não tem poder para ditar regras’”

O novo coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná é um dos integrantes mais antigos da Procuradoria da República no Estado, de acordo com comunicado divulgado pelo Ministério Público Federal (MPF) na tarde desta terça-feira, 1º. Além disso, Oliveira já demonstrou “interesse e disponibilidade para coordenar os trabalhos” da operação, afirma o MPF.

“Os trabalhos na força-tarefa prosseguirão da mesma forma”

Oliveira assume o posto com apoio da equipe da força-tarefa. Em nota, o time fala em “apoio e confiança” ao novo coordenador. “Os trabalhos na força-tarefa prosseguirão da mesma forma como nos últimos anos”, pontua trecho do comunicado divulgado pelo MPF.

Alessandro José Fernandes de Oliveira - procurador e novo coornador da força-tarefa da operação lava jato no paraná

O procurador Alessandro José Fernandes de Oliveira | Foto: DIVULGAÇÃO

Formação e experiência

O mais novo coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná é graduado em segurança pública pela Academia Policial Militar do Estado do Paraná e em direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Além disso, conta com mestrado em direito das relações sociais pela mesma UFPR.

Fora o trabalho prestado como procurador, Alessandro José Fernandes de Oliveira é professor universitário desde 1996. Atualmente dá aulas na Escola Superior do Ministério Público da União. Trabalha com as disciplinas de direito criminal e processo penal, por exemplo.

Na carreira como procurador, Oliveira faz parte de quatro grupos de trabalho: Lava Jato na Procuradoria-Geral da República, Medidas Cautelares Reais, Câmara Criminal e Câmara de Combate à Corrupção. Antes de chegar à coordenação da força-tarefa da Lava Jato, ele foi:

  • Conselheiro do Conselho Penitenciário do Estado do Paraná (2011-2013);
  • Coordenador da Rede de Controle da Gestão Pública no Estado do Paraná (2012-2016); e
  • Procurador Regional Eleitoral no Estado do Paraná (2013-2017).

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Sei não. O momento é de crítica ao que já presenciamos. Como Bolsonaro q nada prometeu a não ser roubar e combater o crime organizado, esperamos que o distinto tenha consciência do coletivo, ame o próximo e, acima de tudo e de todos, ouça os conselhos Divinos, é seja corajoso e destemido, sagaz sempre.

    Responder
    • …a ñ ser NÃO roubar…
      Nossas pautas ANTICORRUPÇÃO alinhadas nas RUAS desde 2.013, são o escudo do GOVERNO CENTRAL. O EXECUTIVO vem cumprindo o q prometeu, depois de 5 anos em q lutamos e encerramos o CONLUIO entre os poderes. É iminente a PRESTAÇÃO DE CONTAS c o CONGRESSO é IMINENTE pós quarentena, p PRISÃO em SEGUNDA instância e fim do foro privilegiado. O SENADO principalmente, tem q provar se compensa seu alto custo, p apenas conspirar contra a NAÇÃO. Em MG Rodrigo Pacheco e Anastasia estão mapeados, e nunca mais serão reeleitos.

      Responder
    • O ato falho denuncia o esquerdopata!!

      Responder
    • Todo esquerdopata é Cretino e leviano.

      Responder
  2. Agora é aguardar pelas suas ações para sabermos se está à altura do Dellagnol.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês