Rebanho bovino cresce e alcança 214 milhões de animais em 2019 - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 15 out 2020, 22:14

Rebanho bovino cresce e alcança 214 milhões de animais em 2019

15 out 2020, 22:14

De acordo com o IBGE, este é o primeiro avanço depois de dois anos de quedas

gado

Gado nelore no município de Diamantino, Mato Grosso | Foto: J.F.Diorio/Estadão Conteúdo

O rebanho bovino brasileiro alcançou 214,7 milhões de animais em 2019, uma alta de 0,4% em relação a 2018, o primeiro avanço depois de dois anos de quedas. Os dados são da Produção da Pecuária Municipal 2019, divulgada nesta quinta-feira, 15.

Segundo o IBGE, no ano passado a pecuária brasileira foi influenciada, entre outros fatores, pelo contexto internacional em que a China precisou suprir a sua demanda interna por meio da importação de proteína animal.

LEIA MAIS: Exportações crescem e balança comercial tem novo superávit

De acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior, somente do Brasil, o país asiático adquiriu 497,7 mil toneladas de carne bovina, representando uma alta de 54,4% em relação ao ano anterior. Em relação à carne suína, a importação aumentou em 61,7%.

O Brasil tinha o segundo maior rebanho bovino do mundo no ano passado, sendo o principal exportador e o segundo maior produtor, de acordo com informações do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

O Estado de Mato Grosso manteve a liderança na criação de gado, com 31,7 milhões de cabeças, o equivalente a 14,8% do rebanho nacional. O município com a maior quantidade de bovinos foi São Félix do Xingu, no Pará, com 2,2 milhões de animais. Corumbá, no Mato Grosso do Sul, figurou em segundo lugar, com 1,8 milhão de cabeças, seguido por Vila Bela da Santíssima Trindade, em Mato Grosso, com 1,2 milhão de bovinos.

Leite

O valor da produção do leite alcançou 43,1 bilhões de reais, avanço de 9,6%, em decorrência de aumentos tanto na produção quanto no preço. O preço médio nacional pago pelo litro do leite foi de R$ 1,24, alta de 6,7% em relação ao ano anterior.

Já o volume de leite somou 34,8 bilhões de litros, o segundo maior da série histórica iniciada em 1974. O volume ficou inferior apenas ao resultado de 2014, quando totalizou 35,1 bilhões de litros.

Suínos

O plantel suíno brasileiro totalizou 40,6 milhões de animais em 2019, uma queda de 1,6% ante 2018. No entanto, o número de matrizes de suínos foi de 4,8 milhões, um crescimento de 0,5%, o terceiro ano consecutivo de aumento.

A região Sul concentrou 49,5% de todo o efetivo suíno do País, embora o rebanho local tenha recuado 2,4% em relação ao ano anterior. Santa Catarina é o Estado com maior número de animais, 7,6 milhões de suínos. O Paraná tinha 6,8 milhões de animais, e o Rio Grande do Sul somava 5,6 milhões.

O município de Toledo, no Paraná, foi o maior produtor nacional, com 1,2 milhão de animais, seguido por Rio Verde (Goiás), com 700 mil cabeças, e Uberlândia (Minas Gerais), com 624,5 mil animais.

Caprinos e ovinos

Entre os animais de porte médio, o País tinha 11,3 milhões de caprinos, alta de 5,3% ante 2018, e 19,7 milhões de ovinos em 2019, 4,1% a mais que no ano anterior.

A Região Nordeste concentra 94,6% da criação de caprinos e 68,5% do rebanho de ovinos. A Bahia é o principal Estado para ambas as criações, com 31,0% de todos os caprinos do País e 22,8% dos ovinos.

Dos 5.127 municípios com caprinos em 2019, os destaques foram Casa Nova, Juazeiro e Curaçá, todos baianos.

Entre os 5.313 municípios com ovinos, os rebanhos mais relevantes eram de Casa Nova (Bahia), Santana do Livramento (Rio Grande do Sul), Remanso (Bahia) e Juazeiro (Bahia).

Galináceos

Os produtores brasileiros reuniam 1,5 bilhão de galináceos no ano de 2019, uma ligeira alta de 0,1% em relação a 2018, o equivalente a 940 mil animais a mais. Os dados são da Produção da Pecuária Municipal 2019, segundo a pesquisa divulgada hoje pelo IBGE.

“Mundialmente, o Brasil tem um papel relevante na exportação de carne de frango, ocupando a liderança, e, em 2019, foi o terceiro maior produtor dessa commodity, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA)”, ressaltou o instituto.

Entre os Estados, os líderes de produção foram Paraná, com uma fatia de 26,5% do total nacional, São Paulo (14,0%) e Rio Grande do Sul (10,5%).

O município de Santa Maria de Jetibá, no Espírito Santo, manteve o maior efetivo de galinhas e galináceos, como no ano anterior, seguido por Bastos (São Paulo), Primavera do Leste (Mato Grosso), São Bento do Una (Pernambuco) e Itanhandu (Minas Gerais).

Ovos

A produção nacional de ovos de galinha atingiu o recorde de 4,6 bilhões de dúzias em 2019, um crescimento de 4,2% em relação a 2018. O Sudeste foi responsável por 43,4% do total produzido e o Estado de São Paulo se destacou como o maior produtor, com uma fatia de 25,4% da produção nacional.

Piscicultura

A piscicultura brasileira alcançou 529,6 mil toneladas em 2019, um crescimento de 1,7% em relação a 2018. Com alta de 4,8% na produção em relação ao ano anterior, a região Sul manteve a liderança do setor, concentrando 32,9% da piscicultura nacional. O Paraná manteve o topo do ranking estadual, sendo responsável por 23,9% do total nacional.

O principal município produtor foi Nova Aurora, no Paraná, seguido por Morada Nova de Minas (Minas Gerais), Ariquemes (Rondônia) e Toledo (Paraná). A produção conjunta dos quatro municípios alcançou quase 10% do total nacional. Considerando a produção dos 10 maiores municípios criadores, a soma corresponde a 19,8% do total de peixes cultivados no País.

A tilápia ainda é a principal espécie produzida, com 323,7 mil toneladas, ou 61,1% do total. A produção da espécie cresceu 3,5%, em termos quantitativos, em relação ao ano anterior. A criação está concentrada, principalmente, nas Regiões Sul e Sudeste, responsáveis juntas por 72,5% do volume nacional. Os municípios de Nova Aurora (Paraná) e Morada Nova de Minas (Minas Gerais) lideraram as produções municipais.

Com informações do Estadão Conteúdo

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

A obsessão da imprensa por Donald Trump

Com o único propósito de ser anti-Trump, a mídia não saberá o que fazer se não puder culpar o bufão laranja por todo o mal que eventualmente venha a acontecer

O Guevara da Daslu

Faça como Doria. Pare diante do espelho, fale meia dúzia de clichês do humanismo de butique e note que você também tem um corpinho de centro-esquerda

A China e a fábula dos pardais

Enquanto o discurso ambientalista foca a Amazônia e as mudanças climáticas, a China segue com suas práticas predatórias e não assume responsabilidades

O gênio e o mito

Maradona não deveria ser uma referência moral para ninguém. Mas é um equívoco não homenageá-lo por seu futebol-arte

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

É o “mecanismo”

É o “mecanismo”

A 3ª maior doadora da campanha paulistana do PSOL é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês