Reino Unido mostra preocupação com Hong Kong - Revista Oeste

Em 30 jun 2020, 15:15

Reino Unido mostra preocupação com Hong Kong

30 jun 2020, 15:15

Dominic Raab afirmou que o Reino Unido está preocupado com a aprovação de uma lei de segurança nacional pela China para Hong Kong

Reino Unido Hong Kong

Uma rua em Hong Kong | Foto: Andy Leung/Pixabay

O Secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, afirmou que a aprovação da lei de segurança nacional em Hong Kong é um “passo grave”. Ele disse que a China ignora as suas obrigações ao assumir novos poderes que podem restringir as liberdades civis.

O último governador inglês em Hong Kong, Lord Patten, disse que, com essas ações, a China viola os acordos feitos com o Reino Unido para a devolução da cidade. O Reino Unido passou a soberania da cidade para a China em 1997, conforme o combinado. De acordo com esses acordos, Hong Kong teria autonomia por pelo menos 50 anos.

Veja mais: “Um dos líderes dos protestos em Hong Kong fala a Oeste”

“Apesar dos pedidos da comunidade internacional, Pequim escolheu não voltar atrás na imposição desta lei. A China ignorou as suas obrigações internacionais em relação a Hong Kong. Esse é um passo grave, profundamente perturbador”, afirmou Raab.

Ele afirmou que o Reino Unido vai decidir qual o próximo passo tomar após tomar conhecimento de toda a legislação, que ainda não foi publicada.

Lisa Nandy, que representa a oposição trabalhista na Relações Exteriores, afirmou que Dominic Raab “não deve vacilar” na responsabilidade com o povo de Hong Kong.

Em resposta, Raab afirmou que está inegavelmente comprometido a mudar o programa de visto, permitindo que milhões de hongconguês adquiram a cidadania britânica.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou que está “profundamente preocupado”, informa a rede de televisão do Reino Unido BBC, sobre essa lei.

Acordo de autonomia

As liberdades civis, incluindo o direito de protestar, liberdade de expressão e um judiciário independente estão na Lei Básica de Hong Kong. Essa espécie de constituição do território começou a valer com o fim do controle britânico, em 1997.

O acordo entre a China e o Reino Unido implementou o sistema de “uma nação, dois sistemas”, com a finalidade de garantir liberdades em Hong Kong que são inexistentes no resto da China, que é uma ditadura comandada pelo Partido Comunista.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. A linguagem empolada da diplomacia em casos como este não resolve. A China está preocupada que o Reino Unido está achando grave? O irá está preocupado porque os EUA acham que os persas não cumprem o combinado? São países fora das leis internacionais.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias