Black Friday: 'Representatividade importa', diz Grupo Boticário

Edição da semana

Em 30 set 2020, 15:03

‘Representatividade importa’, diz Grupo Boticário ao boicotar o termo Black Friday

30 set 2020, 15:03

Empresa afirma que “pessoas e movimentos não se sentem à vontade” com o nome

black friday - grupo botiário

Foto: Divulgação/Canva

Um dia após o CEO Artur Grynbaum anunciar que o Grupo Boticário deixará de utilizar o nome Black Friday ao se referir à data promocional, a marca usou as redes sociais para confirmar a medida. De acordo com postagem divulgada na tarde desta quarta-feira, 30, a ação se faz necessária para demonstrar “respeito” a todas as raças e etnias.

Leia mais: “Ministério Público do Trabalho se alinha ao Magazine Luiza em processo seletivo para negros”

“Não vamos mais usar o termo Black Friday porque parte das pessoas e movimentos não se sente à vontade com seu uso. Essa não é uma ação pontual e sim parte de um movimento maior: representatividade importa”, publicou a rede em seu perfil no Twitter. Dessa forma, a Black Friday chega ao fim para as sete marcas da companhia: O Boticário, Eudora, Quem Disse Berenice, Beautybox, Vult, Multi B e Beleza na Web.

Ao divulgar pelas redes sociais que atua contra o racismo, a equipe do Grupo Boticário afirma que, atualmente, mais de 40% dos funcionários da rede são negros. Em cargos de liderança, a corporação garante que mais de 30% dos postos ficam sob responsabilidade de profissionais negros. Contudo, não foi divulgada a etnia de quem compõe o conselho de administração da empresa.

Processo?

A ação adotada pelo Grupo Boticário parece não ter sido bem-aceita pelo público. Com baixo nível de engajamento, os seis comentários registrados até o momento no Twitter são críticos à medida. Nesse sentido, o internauta Adriano dos Santos ironizou a situação. Afinal, a empresa não fará mais campanha de Black Friday, mas segue com produtos tendo black no nome, caso de linha da colônia Uomini. “O nome desse produto é racista”, afirmou.

O consumidor Jandson Rodrigues foi além. Com produtos ainda mantendo black em seu nome, ele, em aparente tom irônico, avisou que vai acionar o Grupo Boticário na Justiça. “Vamos retirar o termo black de todos os produtos, tipo Uomini Black, Malbec Black; achei ofensivo e vou processar vocês”, publicou.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

31 Comentários

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Mais uma estratégia de marketing! QUE PALHAÇADA!!
    Este tipo de atitude só que cria REPULSA a estes movimentos “anti-racistas” e mais preconceito contra os negros.

    Responder
    • mais uma empresa oportunista fazendo marketing rasteiro para impressionar os otarios de sempre.

      Responder
    • Interessante. O termo Black Friday é o termo usado em dia de ação de graças. É é ate mérito do isso. Eles, no intuito de combater o racismo, estão é apagando os negros e, com isso, não existirá mais negros. Ninguém notou que isso é um estratagema para destruir o próprio negro apagando i que ele representa?? Isso sim é racismo. Muita coisa referente aos negros são belos e até mesmo invoca altos valores e, com esse negocio de “racismo” Eles estão apagando isso também. Tomemos cuidado.

      Responder
    • Além de ser uma alucinante palhaçada do Boticário.

      Querem aparecer? Se joguem da ponte.

      Responder
      • Ah, esqueci de dizer que não vou comprar mais nada destes idiotas.

        Responder
      • Vergonha alheia, hein Boticário! !!!!!! Então agora, no termo técnico das casas de shows ou espetáculos ,quando for para deixar o palco no total escuro, que seria “blackout”… vão ter que falar como!??…”vai haver um “pontinhos-out”… Que tontisse!!!!… Na verdade, bem verdade mesmo… o blackout aconteceu no cérebro dessa gente políticamente chata, digo…correta dessa esquerda insuportável. Aliás, vão ser é apagadas as luzes da sensatez humana! Vergonha!!!!

        Responder
    • Deixando de comprar Boticário tb… Deixando de comprar qq produto do grupo… assim como não compro mais natura e magazine Luiza

      Responder
  2. Imagino que os cartões Black, por exemplo; o whisky Black Label; e tantos outros formatos de divulgação do nome Black como descrição de um produto Premium, destacado, exclusivo, nunca incomodaram e nem incomodarão à “patrulha”. Quando vamos parar de FALAR de racismo e efetivamente nos preocuparmos realmente com ele, tomar ações de verdadeira EQUIDADE, não promoções para fazer “barulho” para um grupinho que aplaude enquanto o nosso problema continua sendo muito mais SOCIAL do que de raça ou qualquer outro fator de diferenciação usado só por quem gosta de separar os humanos ainda mais?

    Responder
  3. Realmente o mundo está ficando muito chato , é essa geração dos fins dos anos 90 são muito vermelhos.

    Responder
    • Que babaquice!!!

      Responder
    • Realmente, esses tempos de politicamente correto são muito chatos!
      E o pior, com tanta ação “positiva” anti racismo, o que me parece e, estão segregando mais os negros!
      É o tal, eles lá e nós cá!
      Não acredito que isso vá terminar bem!

      Responder
    • Queria ver a cara de b**** desses covardes ao encarar o terrivel ”merthiolate”!!!!!!!!!!!!!!

      Responder
  4. Sugiro que retirem urgentemente o whisky white horse pois é ofensivo a toda “raça branca”

    Responder
    • O Boticário agora faz companhia à Natura na fila dos ridículos. Amanhã às ações sobem.

      Responder
    • Quanta imbecilidade!!! Estão todos doentes.

      Responder
  5. O que mais me impressiona é uma empresa, teoricamente bem administrada, cair uma esparrela dessas. Certamente foi uma proposta do diretor de marketing para “colocar a empresa na vanguarda”. Mais ridículo impossível.

    Responder
    • O boticario, enfia um espanador no t0b4 e diz que estão protegendo as aves da amazonia!
      Se querem arregaçar de vez, fica a dica.

      Responder
  6. Ao ouvir isso de alguém, a princípio achei ser piada, e das péssimas. Depois quando li a respeito, me dei conta de que a partir de agora é só ladeira abaixo mesmo. É a geração “de”-formada na era da lacração/segregação chegando no mercado de trabalho e já causando estragos além dos erros crassos de português e falhas em interpretação de texto.

    Responder
    • Ainda por cima tentando mudar a linguagem portugesa pois na mente desses dementes certas palavras não se enquadram! Eles não sabem nem dizer se são menino ou menina vão tentar mudar isso! Deviam chamar isso de nihilismo, considerar isso crime e mandar esses bhostas pra cadeia pra parar de encher o sahcco!

      Responder
  7. O cérebro dessa moçada derreteu. Estão na dimensão fantasma-slime. Triste fim da panaquice.

    Responder
    • Desse jeito, daqui a pouco apagar a luz não vai poder mais. Fica tudo escuro, negro, black, não pode, é ofensa. As pessoas estão perdendo a noção.

      Responder
      • Já perderam, não passam de bestas bípedes infernais encarnadas!

        Responder
  8. O meu Johnnie Walker Black Label vai mudar de nome?

    Responder
  9. Queria saber se os 40% de negros que o Boticário diz que tem em seus quadros são NEGROS mesmo… aposto que não chega aos 2%!
    Pardinhos e moreninhos não vale não, hein!?

    Responder
  10. dúvida: então não teremos mais carros na cor preta, lápis de cor preto, canetas na cor preta?
    isso não é sério, isso é falta de habilidade em saber respeitar os outros, independentemente de sua cor, classe social ou credo. lamentável.

    Responder
  11. Coitada da fauna! Onde irá parar o pássaro preto? Anum preto? Aranha negra, etc.?
    Não sei! Mas de uma coisa tenho certeza: Boticário, tu não verás a minha grana(preta?) Ops.

    Responder
  12. Estou assustada com tanta burrice e ignorância! Onde isso vai parar?? Não pode falar isso, não pode falar aquilo, daqui a pouco não poderemos falar mais nada!!! Eta mundo chato!!

    Responder
    • Isso é falta de pegar num cabo de enxada!

      Responder
  13. Boicotem então a ”segunda fresca” pois, ô gente que implica com tudo! Vão procurar um cabo duma enxada cacildis ou vão transar, assim ganham mais!

    Responder
  14. Gente… daqui a pouco não vou mais poder usar meu “pretinho básico”!

    Responder
    • Temo que não! Rsrsrs

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês