Réu da máfia da merenda é contratado por Doria por R$ 24 milhões - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 19 maio 2020, 18:50

Réu da máfia da merenda é contratado por Doria por R$ 24 milhões

19 maio 2020, 18:50

JV Alimentos foi uma das empresas vencedoras da licitação da Secretaria de Desenvolvimento Social de SP para fornecimento de cestas básicas durante a pandemia de coronavírus

Doria: contrato de R$ 24 milhões com empresa da máfia da merenda | Foto: Governo do Estado de São Paulo

A Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paul, do governo Doria, contratou para fornecer cestas básicas durante a pandemia de coronavírus a JV Alimentos. Tudo estaria normal se a vencedora da licitação já não tivesse sido condenada como integrante da máfia da merenda, em 2015.

O governo comprou R$ 110 milhões de alimentos divididos em 30 lotes para a Ação Alimento Solidário. Seis deles ficaram com a JV, que, com seus donos, é ré em processo do Ministério Público Federal. Inclusive, parte dos bens da companhia permanece sob confisco da Justiça Federal, segundo informações da Crusoé.

O esquema de que os proprietários são acusados de participar lesou a cidade de Vinhedo, no interior do Estado, em R$ 8,7 milhões e utilizava verba do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, do governo federal.

Nele, nomes de parentes dos acusados eram utilizados para fraudar licitações. Os lotes eram divididos, então, entre os concorrentes. Só a parte da JV ALimentos foi de R$ 3,1 milhões.

Segundo a Controladoria-Geral da União, os sobrepreços médios ficavam em 105% nos contratos, mas em alguns produtos o superfaturamento chegava a 406%.

O dono da JV Alimentos, Pedro Cláudio da Silva, alega inocência: “Vendemos achocolatado em pó por quilo. A CGU pegou o achocolatado no mercado por 400 gramas e comparou. Nunca fomos ouvidos para apresentar nossa defesa na fase de inquérito”.

Mesmo com os bens bloqueados, Silva garante que tem conseguido entregar o que o novo contrato com o governo estadual exige. “Não estamos impedidos pela Justiça de fornecer ao poder público”, conta. “Isso teria acabado com a minha vida.”

A secretaria afirma que a licitação correu de forma legal e que “os contratos firmados estão sendo executados e, conforme previsão contratual, os pagamentos apenas serão efetuados após a efetiva entrega e conferência dos produtos nas quantidades e especificações contratadas”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Depois da soltura do criminoso condenado e da criação do Fundo Eleitoral, tudo pode acontecer no País.

    Responder
    • Estão tripudiando com a cara dos brasileiros triste fim para o Brasil

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

Os novos senhores do mundo

Os gigantes da tecnologia censuram Trump, fazem o que bem entendem e exercem um poder global desmedido. Isso é justo?

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês