Revista revela a relação entre Toffoli e empreiteiras - Revista Oeste

Edição da semana

Em 11 set 2020, 19:10

Revista revela a relação entre Toffoli e empreiteiras

11 set 2020, 19:10

Revista Crusoé teve acesso à íntegra do material reunido pelos investigadores da PGR e à gravação de depoimento sigiloso de Marcelo Odebrecht

Toffoli

Ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli | Foto: Fellipe Sampaio

A revista digital Crusoé teve acesso à integra da apuração da Procuradoria-Geral da República sobre a relação de Dias Toffoli com as empreiteiras Odebrecht e OAS.

Em abril de 2019, uma reportagem da revista intitulada “O amigo do amigo de meu pai” foi censurada pelo ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

Segundo o empreiteiro Marcelo Odebrecht, o codinome fazia referência a José Antonio Dias Toffoli, hoje ministro do Supremo Tribunal Federal, que à altura da troca de mensagens ocupava o posto de advogado-geral da União.

Toffoli deixou a presidência do STF ontem, quinta-feira 10, após o ministro Luiz Fux assumir o posto.

“Os procuradores viram nesse conjunto de e-mails indícios suficientes para apurar, nas palavras deles, ‘o possível cometimento de fato penalmente relevante por José Antonio Dias Toffoli, praticado à época em que ocupava o cargo de advogado-geral da União’. As trocas de mensagens, com a devida contextualização, chegaram a ser reunidas em uma peça bem-acabada que deveria ser enviada na sequência a Edson Fachin pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, pedindo a abertura de um procedimento específico para apurar as suspeitas relacionadas a Toffoli. Não se tem notícia, até hoje, de que Aras tenha dado o devido encaminhamento ao material. Em vez de serem reconhecidos pela coragem da iniciativa, os procuradores que realizaram o trabalho só tiveram problemas — em junho passado, eles pediram demissão coletiva e deixaram o grupo de trabalho da Lava Jato na PGR por discordarem do animus de Augusto Aras em relação à operação”, destaca a Crusoé.

Opinião: “Não paira mais desconfiança sobre Dias Toffoli. Paira vergonha”

Em julho, o jornalista Diego Escosteguy, do site Vortex Media, já havia afirmado que o empreiteiro Marcelo Odebrecht disse à Procuradoria-Geral da República que seu grupo empresarial mantinha um acerto ilícito com o então advogado-geral da União, Dias Toffoli, e que fazia pagamentos a ele no decorrer do segundo mandato de Lula, entre 2007 e 2009.

A Crusoé teve acesso à íntegra do material reunido pelos investigadores e à gravação de um depoimento sigiloso no qual, por quase quatro horas, dois dos integrantes da então equipe da Lava Jato na PGR, com autorização do ministro Edson Fachin, ouviram Marcelo Odebrecht sobre os arquivos relacionados a Toffoli.

“Conjugados os e-mails e as respostas prestadas em viva-voz por Marcelo Odebrecht, é possível saber, por exemplo, que a empreiteira pagou caro a um escritório de advocacia indicado pelo próprio Toffoli para ‘intermediar’ a relação com ele. Marcelo Odebrecht não chega a cravar, com todas as letras, que essa era uma forma de repassar dinheiro ao ministro, mas afirma que os e-mails, que sugerem a existência de um esquema para remunerar os favores por meio do tal intermediário, são claros. O empreiteiro também relata que era comum o envio de presentes a Toffoli e conta que, em pelo menos duas ocasiões, se reuniu pessoalmente com ele, fora de agenda oficial, para estreitar a relação e para tratar de assuntos de interesse da companhia — um dos encontros foi na casa do ministro, em Brasília, e o outro no apartamento de um advogado indicado como “intermediário” da relação. A apuração preliminar dos procuradores mostra ainda que, com a anuência de Toffoli, a Odebrecht usou sua velha máquina de lobby no Congresso Nacional, aquela mesma que abastecia parlamentares com polpudas propinas, para ajudar na aprovação do nome do ministro para assumir a cadeira no Supremo, em 2009″, destaca a publicação.

Leia mais: “Para investigar Toffoli, políticos cobram CPI da Lava Toga”

Supremo Tribunal Federal

Marcelo Odebrecht

Empresário Marcelo Bahia Odebrecht | Foto: Giuliano Gomes/Estadão Conteúdo

De acordo com as revelações, o contato mais intenso de representantes da empreiteira com Toffoli se deu antes de ele assumir uma vaga no Supremo Tribunal Federal.

“Em outubro do ano seguinte, ao ser alertado sobre um assunto de interesse da empreiteira que guardava relação com o Supremo, Marcelo voltou a cobrar: ‘Temos mantido a relação?’. ‘Desde que assumiu nova posição adotou postura muito cautelosa no contato conosco, direcionando eventuais demandas a intermediários’, devolveu Adriano Maia”, pontua a revista.

Maia era um dos subordinados de Marcelo Odebrecht.

Segundo a revista, em setembro de 2009, dias após Toffoli ser escolhido por Lula para ocupar uma vaga no Supremo, Marcelo Odebrecht e Adriano Maia se articulam para ajudar no processo de aprovação do ministro pelo Senado. Marcelo confirma que Toffoli aceitou a oferta.

“Existia, sim, essa relação, a gente tentou aproximação, uma das razões que eu sempre dizia para o Adriano manter esse contato é porque eu achava que era uma pessoa que tinha o potencial, que seria importante a gente ter ele como um aliado futuro”, disse Marcelo Odebrecht aos investigadores.

Crédito-prêmio de IPI

A revista Crusoé também revela trechos em que Marcelo Odebrecht faz esforço contra o cancelamento do crédito-prêmio de IPI, incentivo fiscal às exportações de produtos industrializados.

Segundo a publicação, para os procuradores, Marcelo entendia que o melhor caminho para solucionar a questão era por meio da AGU e da Casa Civil.

“É nesse contexto que, depois de saber que Toffoli havia visitado o Supremo para tratar da inclusão na pauta da corte de um processo que poderia colocar um fim na questão, o que ia no sentido contrário ao interesse da empresa, Marcelo escreve a outros executivos, com cópia para Adriano Maia: ‘AM precisa falar com o amigo. Ele não quer o dele?’. Os investigadores leram a mensagem como uma indicação de que Marcelo queria que Adriano acionasse Toffoli. Sobre a pergunta “ele não quer o dele?”, chegaram a escrever em um dos expedientes da apuração: ‘Não se mostra necessário fazer maiores ilações para inferir o significado dessa corriqueira expressão: ele deixa a entender que essa conduta do então AGU, contrária aos interesses da Odebrecht, impediria que ele recebesse algum benefício da empresa'”, afirma a revista.

Projetos no Rio Madeira

De acordo com a Crusoé, sobre as tratativas da Odebrecht para obras de hidrelétricas no Rio Madeira, os procuradores destacam os seguintes pontos:

“- havia um acerto em curso dos executivos da Odebrecht com Toffoli;

– a Odebrecht enxergava o então advogado-geral da União como um personagem capital para resolver os problemas relacionados ao tema;

– o apoio de Toffoli valeria uma ‘parceria/preço bem alto’;

– os executivos da Odebrecht esperavam uma atitude mais proativa de Toffoli na defesa dos interesses da empresa”, revela a publicação.

Obra na casa de Toffoli

Léo Pinheiro

Empreiteiro José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS
Foto: Rafael Arbex/Estadão Conteúdo

Os procuradores encontraram mais elementos que, no entender deles, apontam para a necessidade de abrir uma segunda investigação sobre Toffoli, dessa vez sobre a relação com a empreiteira OAS. Foram encontrados recibos de uma obra realizada na casa do ministro no valor de 15 mil reais em valor líquido.

Diz a revista: “Mais recentemente, o mesmo grupo de procuradores que se debruçava sobre os e-mails da Odebrecht teve acesso a uma parte ainda desconhecida dos registros da central de pagamentos de propina da OAS. Lá estavam registrados, com todas as letras, o pagamento de uma pequena obra na casa de Toffoli e os repasses para o irmão do ministro — uma parte, inclusive, via caixa dois. Diante das novas evidências, os procuradores pediram que Aras solicitasse ao Supremo o desarquivamento do procedimento que Dodge mandara para a gaveta e, além disso, incluísse o próprio Toffoli na investigação, por supostamente ter recebido vantagem indevida do presidente da OAS”.

O irmão de Toffoli é José Ticiano, que recebeu doação da OAS quando era vice-prefeito de Marília, no interior de São Paulo.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

20 Comentários

  1. Que marca é esta na testa do Toffoli? Foi por onde o cérebro dele saiu???
    O senhor das falcatruas do STF. Mas ele tem um delegado de estimação o “Morales”, que vai atrapalhar a investigações.

    Responder
    • Parece o velho oeste Americano e os fora da lei estão ganhando longe .

      Responder
      • Se parar p ver as histórias do STF o povo cai p trás. Carmem Lúcia com a mansão comprada do doleiro. Reforma da mansão do tofuli pela OAS. Empréstimo do jatinho da JBS ao fachin p fazer campanha. Contratos milionários da instituição do Gilmar Mendes com órgãos públicos. Acusação do Gilmar com Barroso do escritório d advocacia. Mesada de 100 mil do escritório da mulher do tofoli Etc. Etc. Etc..

        Responder
    • O jornalismo dos antas vem demonstrando um nível tão baixo que eu tenho sérias dúvidas sobre qualquer denúncia que façam.

      Responder
  2. Para quem não sabe, essa marca na testa do Toffoli indica o nível das fezes no corpo.

    Responder
  3. Essa investigação tem que ir a fundo. Quero ver como a grande mídia irá repercutir uma denúncia tão grave quanto essa.

    Responder
  4. Acho tão engraçado só a Crusoé ter acesso à este material… Só espero que as investigações se aprofundem…

    Responder
    • A bandidagem se entende. Acordo de cavalheiros

      Responder
    • E agora Bolsonaro ? E agora Aras ? E agora De p*** dos ?

      Responder
  5. VOCÊS DESTA REVISTA VÃO TER QUE DECIDIR, SE SÃO MORO OU TUCANO DISFARÇADO FALEM LOGO, DEFENDEM ESTA TURMA DA LAVA JATO, MAIS ESTAVAM ESCOLHENDO O ALVO, TIPO TUCANOS NÃO, JUIZES NÃO, PRESTEM ATENÇÃO NAS BOBAGENS DE BOTAM SOBRE ISTO, NINGUEM É BOBO MAIS,

    Responder
  6. O amigo do amigo do meu pai,vai falar que e fake news!

    Responder
  7. E sobre o Lex Luthor perseguindo jornalistas, a Crusoé não diz nada? E o juiz de m… perseguindo o Presidente? E o Barroso conspirando? E o Fachin liberando a bandidagem? E o Bento Carneiro provocando as FFAA? É por isso que criticam o lavajatismo: só conseguem enxergar a corrupção e acham que este é o único problema.

    Responder
  8. Em qualquer país do mundo uma denuncia dessas faria o denunciado se afastar do cargo, no Brasil ele acaba ficando mais forte.

    Responder
    • Atenção sr jose antonio. Para dar fim a toda essa celeuma sugiro que vossa excelência preste um concurso público para juiz. Logicamente serás aprovado e poderás calar os críticos. Como bem dizem nossos jogadores de futebol.
      Vamos lá. Mãos a obra. Coragem.
      Aos estudos. !

      Responder
  9. O Pinheiro não será enfeite de Natal, pois as “bolas” murcharam. Esses vagabundos como tbm os Odebrecht merecem PRISÃO PERPÉTUA. Tentaremos está, pois a 2a. INSTÂNCIA é boicote do CONGRESSO fisiologico.

    Responder
  10. Este ser tem algum senso de moralidade?
    Foi indicado por bandido e defende bandido.
    Confessou que furtou processo judicial e continua como membro da mais alta corte do País.
    Realmente, precisamos nos tornar um País sério, com homens realmente sérios.

    Responder
  11. Está aí a história contada nos mínimos detalhes, segundo a visão dos procuradores da República de Curitiba, uma secção do Ministério Público Federal. O casamento desses procuradores com o pessoal d’O Antagonista / Crusoé era um casamento perfeito, o que fez com que essas publicações arrebentassem em número de visualizações. Era leitura obrigatória em Brasília, face aos sucessivos “furos” jornalísticos, um grande sucesso. A turma de procuradores se foi e também se foi o sucesso da Crusoé, cada dia pior, por sinal creio eu, um antigo assinante; hoje um leitor da Revista Oeste. É isso aí…

    Responder
  12. Aguardando, ansiosamente, os desdobramentos das delações da vagabundagem.

    Responder
  13. Quem teria imparcialidade para julgamento, ou ao menos para investigar e revelar fatos e verdades. Quem tem a força da integridade, da ética e da imparcialidade. Com certeza não é o STF. Jornalistas investigativos e povo brasileiro é hora de exercer a cidadania e apoiar quem está mais limpo ou limpar tudo de vez.

    Responder
  14. Quem nasce ruim e bandido, não muda, é perda de tempo tentar mudar a mentalidade adquirida dos Pais. Segue a manifestação do Falecido Delegado FLEURY, BANDIDO bom é bandido morto, o contrário é mera fantasia de quem só pensa em defender gente dessa espécie. Infelizmente depois de ver tentarem matar o candidato a PR, que só não conseguiram porque foi atendido por bons médicos guiados pela mão de DEUS. Agora penso igual ao Delegado Fleury, penso isso também dos Bandidos Políticos que proliferam pelo País afora.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Supremas safadezas

Como os ministros do Pretório Excelso, o promotor da minha infância se julgava onipresente, onisciente e onipotente

A Suprema Corte e o abuso do poder

Quando juízes se tornam “superlegisladores”, as instituições se fragilizam e a sociedade perde a fé no sistema democrático

David Hume cancelado

Está em curso uma espécie de eugenia intelectual que conta com a simpatia ou covardia de reitores e professores de prestigiadas universidades internacionais

Vacina contra ditadura

Na ONU, Trump fez o que todo mundo com juízo deveria ter feito — e não fez, sabe-se lá por que mistério das escrituras empáticas

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

E chegamos à era dos ciborgues

Teremos nosso potencial mental multiplicado e nossas ações serão, literalmente, rápidas como o pensamento. O que faremos com esse novo poder?

Os intelectuais e a sociedade

Intelectuais ignoram que há mais sabedoria na população em geral do que num indivíduo qualquer, por mais inteligente que ele seja

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês