Partida amadora de futebol | Foto: Shutterstock
Partida amadora de futebol | Foto: Shutterstock

A falência do futebol brasileiro

Como o Brasil deixou de ter o melhor futebol do mundo. E qual a receita para voltar a brilhar

O futebol brasileiro respira por aparelhos. Décadas de amadorismo e desorganização nas federações e nos clubes transformaram o esporte de maior apelo nacional em algo desinteressante. A qualidade técnica das partidas decaiu a tal ponto que atualmente não cativa nem os torcedores mais fanáticos.

Mas não é só isso. O calendário é abarrotado de jogos — o que contribui para a baixa qualidade das partidas —, os treinadores brasileiros pararam no tempo quando comparados aos europeus e as equipes de arbitragem são despreparadas e mal remuneradas. O preço dos ingressos é alto o bastante para afastar a população dos estádios. O pay per view é um luxo.

Essa série de problemas explica os sucessivos fracassos do futebol brasileiro nas competições internacionais. A Seleção Canarinho, por exemplo, não conquista a Copa do Mundo desde 2002. São duas décadas sem levantar o troféu. Caso não vença a próxima edição do torneio, que será realizada no fim deste ano, o futebol pentacampeão amargará 24 anos de jejum — o maior de sua história, junto com o período entre 1970 e 1994. A situação não é melhor quando o assunto são os clubes. O último representante brasileiro a vencer o Mundial da Fifa foi o Corinthians, em 2012. De lá para cá, apenas as equipes europeias levaram a taça.

A mudança de rumo exige reformas estruturais, especialmente na Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Atualmente, a entidade máxima do esporte no país é responsável pela organização de 17 torneios de alcance nacional, incluindo o Campeonato Brasileiro (em quatro séries) e a Copa do Brasil. Além disso, a CBF administra as seleções masculina e feminina, o que inclui a negociação de contratos de publicidade, a estruturação do calendário de jogos e o planejamento logístico. “A CBF deveria promover o futebol do país, mas só pensa na Seleção Brasileira”, criticou o jornalista e professor Celso Unzelte. “Tinha de pensar nos clubes, torná-los mais conhecidos. A criação de ligas independentes, por exemplo, pode ajudar nesse processo de profissionalização do futebol brasileiro, desde que seja organizada por pessoas competentes.”

Premier League: um case de sucesso

A organização de campeonatos nacionais por meio de ligas geridas pelos próprios clubes existe há três décadas. Premier League (Inglaterra), Bundesliga (Alemanha), La Liga (Espanha), Lega Calcio (Itália) e Ligue 1 (França) são exemplos bem-sucedidos dessa iniciativa. Nesse modelo, os clubes são responsáveis pela organização do calendário de jogos, pelos contratos de publicidade e pelos direitos de televisão. É um pacote de vantagens imensurável para as equipes, que têm autonomia para decidir em conjunto as melhores decisões a serem tomadas. Não à toa, as ligas inglesa, alemã, espanhola, italiana e francesa estão entre as cinco mais rentáveis do mundo, segundo relatório da consultoria Deloitte.

“O segredo da Premier League é a boa governança”, explicou Rick Parry, o primeiro CEO da liga inglesa, em entrevista ao portal Globo Esporte. “Os princípios são transparência, simplicidade, consistência e responsabilidade. A liga tem personalidade jurídica própria, uma sociedade anônima, que pode celebrar contratos por direito próprio.”

Na Inglaterra, as equipes têm oportunidades iguais, mas são recompensadas pelo sucesso. As receitas são divididas da seguinte forma: 50% igualmente para todos, 25% com base na quantidade de jogos transmitidos pela TV e 25% com base na posição final do campeonato. O time vencedor recebe mais dinheiro, e aquele que está mal posicionado recebe menos. Mas a diferença entre o líder e o lanterna é de menos de duas vezes, no futebol brasileiro é de quase nove.

Essa disparidade provocou mudanças na maneira como os clubes brasileiros negociam seus direitos de transmissão. Os dois principais campeonatos estaduais do país, Paulistão e Cariocão, deixaram de ser transmitidos pela TV Globo e passaram a ser exibidos na Record TV. O motivo é simples: a emissora de Edir Macedo ofereceu às equipes condições financeiras melhores.

Mas as mudanças não param por aí. As federações também apostam nas plataformas de streaming para transmitir as partidas. Dezesseis jogos do Cariocão devem ser exibidos no canal da Twitch do jornalista Casimiro Miguel, o maior streamer esportivo brasileiro. O torneio também será transmitido, na mesma plataforma, pela Ronaldo TV e pelo Cariocão Play.

Quem surgiu para mudar o paradigma de gestão dos clubes brasileiros foi o ex-jogador Ronaldo, o Fenômeno

O Paulistão terá jogos exibidos na TV aberta pela Record. O pay per view do campeonato continua no Premiere, que pertence ao Grupo Globo. Na internet, as partidas serão exibidas pelo serviço de streaming HBO Max. Atenta às mudanças, a Federação Paulista de Futebol (FPF) decidiu transmitir os jogos pelo YouTube. Na semana passada, por exemplo, 3 milhões de pessoas assistiram simultaneamente ao clássico entre Palmeiras e Corinthians sem pagar R$ 1 por isso. Até o fechamento desta reportagem, mais de 12 milhões de internautas haviam visto a transmissão da FPF.

A estratégia das federações é similar à de outros esportes, como a NBA, que usa o poder de influenciadores digitais na divulgação das partidas.

Realidade distante

A criação de uma liga do calibre da Premier League depende da profissionalização dos clubes, algo distante da realidade brasileira. De acordo com um levantamento realizado pela consultoria Ernst & Young, 92% das equipes das cinco maiores ligas europeias funcionam como empresas. No Brasil, o número é exatamente o inverso (8%). O Bayern de Munique, por exemplo, divide a administração do futebol com três patrocinadores que viraram acionistas — Audi, Adidas e Allianz. Manchester United e Juventus, por sua vez, possuem ações negociadas na Bolsa de Valores. O Manchester City pertence ao fundo de investimentos liderado por Mansour bin Zayed Al Nahyan, membro da família real dos Emirados Árabes Unidos. O Paris Saint-Germain é administrado por um hedge fund ligado ao governo do Catar. Há ainda RB Leipzig, Wolfsburg, Bayer Leverkusen e Arsenal, todos geridos com a lógica empresarial: austeridade fiscal, investimento em ciência esportiva e resultado.

Fenômeno dentro e fora de campo

Quem surgiu para mudar o paradigma de gestão dos clubes brasileiros foi o ex-jogador Ronaldo Nazário. Recentemente, o Fenômeno anunciou a compra de 90% das ações do Cruzeiro, um dos times mais tradicionais do futebol nacional, hoje lutando para voltar à série A do Campeonato Brasileiro. Afundada em dívidas que ultrapassam R$ 1 bilhão, a Raposa tornou-se Sociedade Anônima do Futebol (SAF). “Peço ao torcedor que se conecte outra vez ao clube, porque vamos precisar de muita força e união”, disse o ex-atacante. “Temos muita ambição de fazer o Cruzeiro crescer novamente.” Para efetivar a compra do time, Ronaldo desembolsou R$ 400 milhões.

Nesse modelo de administração, a SAF assume todas as dívidas do clube adquirido. É do grupo gestor a responsabilidade pela formação do projeto esportivo da equipe, incluindo a definição do orçamento, a negociação de contratos publicitários e a contratação de jogadores. Atualmente, a maioria dos clubes brasileiros é composta de associações sem fins lucrativos, geridas por um seleto grupo de associados. “O fato de os clubes serem organizados como associações, com processos políticos para a escolha dos dirigentes, enfatiza que esse modelo antigo não privilegia a meritocracia nem permite a participação dos torcedores”, criticou o advogado José Francisco Manssur, especialista em Direito esportivo e um dos formuladores do Projeto de Lei do Clube-Empresa. “Isso é um fator que tem causado problemas para o desenvolvimento do futebol brasileiro. O modelo associativo foi importante, mas ficou obsoleto.”

Segundo Manssur, que atualmente participa do processo de transformação da Portuguesa em SAF, a aquisição do Cruzeiro pode ser o pontapé inicial para a profissionalização do futebol brasileiro. “É interessante notar que o primeiro clube de repercussão no Brasil tenha sido negociado com um atleta mundialmente conhecido, uma pessoa que os brasileiros acompanharam a vida inteira”, observou o advogado. “Não foi um investidor estrangeiro ou um fundo de investimentos sem rosto; foi uma personalidade mundial. O fato de Ronaldo ter sido o responsável pela compra de um clube humanizou o processo da SAF.” Mais quatro equipes tradicionais pretendem transformar seu modelo de gestão: Coritiba, Athletico Paranaense, América Mineiro e Chapecoense. Red Bull Bragantino, Botafogo e Cuiabá, todos da primeira divisão, já são clubes-empresas. Em estágio avançado para se transformar em sociedade anônima, o Vasco depende apenas do aval dos conselheiros e dos sócios. O cruz-maltino deve ser adquirido pela empresa Partners 777, que pretende investir R$ 700 milhões na equipe.

Dentro das quatro linhas

A desorganização estrutural resulta inevitavelmente na baixa qualidade dos jogos. De acordo com estudo elaborado pela empresa francesa de estatísticas SkillCorner, a porcentagem da distância percorrida em alta intensidade no Campeonato Brasileiro está abaixo da de ligas pouco tradicionais, como a sueca, a polonesa e a grega. O levantamento considera como corridas de alta intensidade aquelas com velocidade maior do que 19,8 quilômetros por hora. Assim, as ligas com maior porcentagem de corridas de alta intensidade são consideradas mais intensas, e as com menor porcentagem são avaliadas como menos intensas.

Na Premier League, por exemplo, os jogadores percorrem aproximadamente 10 quilômetros por partida. Dessa distância, 7,8% são realizadas em corridas de alta intensidade. Na primeira divisão do futebol brasileiro, os atletas percorrem 9,6 quilômetros por jogo, sendo que 7% das corridas são consideradas de alta intensidade. Parece pouco. Na prática, faz toda a diferença. Há que se considerar o calendário sufocante, a baixa qualidade dos gramados e a alta temperatura do país. Os números, contudo, não mentem: o futebol brasileiro é pouco intenso.

Em terra de cego…

Um reflexo do abismo entre o futebol brasileiro e o europeu é a quantidade de jogadores veteranos que perdem espaço nas principais ligas do mundo e retornam ao Brasil para brilhar. Em 2021, o atacante Hulk, de 35 anos, foi o protagonista da campanha que levou o Atlético Mineiro à conquista do Brasileirão. A equipe mineira não levantava o troféu desde 1971. Revelado nas categorias de base do Vitória (BA) no início dos anos 2000, Hulk fez sucesso com a camisa do Porto. “Paraíba”, como é conhecido, também jogou pelo Zenit, da Rússia, entre 2012 e 2016. Em razão da carreira consolidada na Europa, ganhou a chance de disputar a Copa do Mundo de 2014.

Já em fase descendente da carreira e sem mercado na Europa, o atacante passou pelo Shanghai Port Football Club, da China, pelo qual marcou 77 gols em 145 jogos. Em 2021, depois de rescindir o contrato com o clube chinês, acertou sua ida para o Galo. No último Campeonato Brasileiro, Hulk marcou 19 dos 67 gols do time — terminou como o artilheiro do torneio. Ele ainda deu seis assistências (passes que resultaram em gols), participando diretamente de 37% dos gols do Atlético Mineiro. Não à toa, foi eleito o melhor jogador da competição.

O camisa 7 do Galo não é o único veterano que, sem espaço na elite do futebol, voltou ao Brasil para ganhar alguns anos de carreira. Um exemplo clássico é o próprio Ronaldo, contratado pelo Corinthians no final de 2008. Com alguns quilos acima do peso ideal para um atleta profissional, o Fenômeno foi o grande destaque corintiano na conquista dos títulos do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil de 2009. Adriano Imperador, no Flamengo, e Ronaldinho Gaúcho, no Atlético Mineiro, estendem a lista de jogadores que, embora desvalorizados na Europa, destacaram-se no futebol brasileiro.

A necessidade de reformas

“Não é surpresa que estejamos nessa situação”, afirmou Unzelte, ao analisar a decadência do futebol sul-americano. “É uma deterioração que vem de longe. Vimos isso acontecer antes, com o futebol uruguaio e argentino. O campeonato local é um espaço para jovens. Porém, quando o jovem é muito bom, nem fica no país — logo é vendido. O que sobra para nós? Os veteranos em fim de carreira.”

Agarrados ao título de pentacampeão mundial, os principais protagonistas do futebol brasileiro — cartolas, jogadores, treinadores e jornalistas — impedem o desenvolvimento do esporte no país. No debate público, as discussões sobre o tema circundam as quatro linhas, os dribles, os passes, os gols. Não se referem, no entanto, à desorganização estrutural do futebol brasileiro, à necessidade de reformas na CBF, nas federações e nos clubes. Sem o mapeamento claro dos problemas existentes, as soluções serão incertas. E o futebol brasileiro continuará bem longe de reconquistar o título de melhor do mundo.

Leia também “No futebol, a liberdade entra em campo”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

27 comentários Ver comentários

  1. Penso que a base , o aparecimento de craques e otimos jogadores , temos de sobra. falta realmente seriedade na conduçao do futebol , estrutura e condiçoes para a pratica do esporte . Nossos gramados são um horror , onde a bola mais pula que rola , sem contar com os estadios .

  2. Edilson, a sua matéria é boa. Acho, porém, que você deixou de apontar o ponto mais importante nisso tudo. O futebol está se tornando um esporte entediante, principalmente, em jogos fora da Europa.
    Além disso, os gerontocratas da FIFA colaboram bastante para que isso aconteça.
    Uma pergunta muito importante que precisa ser feita é por quê o futebol não deslancha nos E.U.A.
    A resposta é simples: MONEY TALKS.
    As regras do futebol não sofreram mudanças substanciais nos últimos anos. E os dirigentes da FIFA se recusam a implantar novas regras que não só trariam muito dinheiro como também alimentariam o maior objetivo do futebol, a saber o GOL.
    Todos detestamos o ZERO a ZERO e a loteria da cobrança de penaltis.
    Por isso há muito tempo a implantação de novas regras no futebol, as quais apresento a seguir:
    1- Demarcação de uma linha intermédiária entre a linha do meio de campo e a linha da grande área. Os lances de impedimento só seriam marcados a partir dessa nova linha.
    1-B – Hoje o impedimento é assinalado quando, no momento do passe, apenas o braço, a perna ou o pé esteja à frente do atleta defensor. Na nova regra, todo o corpo do atacante deveria estar na frente do defensor. Se apenas o braço, a mão, o pé ou a perna estivesse na mesma linha do defensor, não haveria impedimento.
    2- Hoje é normal vemos goleiros com 2 metros de altura e quase o mesmo de envergadura. Então que tal aumentar a altura e largura das traves em um palmo?
    3- O arremesso lateral passaria a ser batido com o pé.
    4- Criação no cartão azul, que poria o atleta no banco por 10 minutos, sem direito a substituição. Os cartões amarelo e vermelho permanecem.
    5- Substituições : poderiam ser feitas quantas os técnicos julgarem necessárias. Além disso, os jogadores poderiam entrar e sair a qualquer momento. Imagine um Marcelinho, um Zico, um Neto, um Roberto Carlos, um Rivelino sem condições de jogar uma partida inteira. Acontece uma falta na entrada da área ou próximo a ela. O jogador entra, bate a falta e sai. Imagine um goleiro sabidamente bom pegador de penaltis.
    6- Esta é a mudança que faria o futebol decolar nos E.U.A . A cada quinze minutos haveria uma parada técnica de dois minutos (duas em cada tempo da partida). Isso permitiria ajustes ténicos e, o mais importante financeiramente, a entrada dos comerciais de TV que arrecadariam milhões. Parte dessa arrecadação (digamos 30%) seria revertida aos clubes.

    1. Excelente contribuição.
      Adicionaria punições proporcionais às faltas cometidas.
      Por exemplo:
      1. se um atacante está caminhando livre para o gol e é paralisado por alguma falta, tem cobrança livre a partir da meia-lua.
      2. Caso um time cometa 5 faltas sobre outro, mais uma cobrança livre (isso a cada 5 faltas).
      3. Cobrança de lateral com apenas uma mão e que pode ser direcionada ao gol se assim desejar o jogador.
      4. A sua linha de impedimento poderia ser a própria linha da grande área.
      5. Encenação também deveria ser mais reprimida (talvez com seu cartão azul).
      6. Se um time segura a bola e não dá um tiro ao gol dentro de 3 minutos, perde automaticamente a bola.

  3. Jogadores cai-cai e chorões como Neymar e aquela turma do Felipão de 2014, coroando uma sonora roubalheira da esquerdalha, com reflexos fulminantes na pandemia, já que os facínoras não gostam de roubar em obras de hospitais e sim em circos futebolísticos.
    Não aprendemos.
    Hoje temos um técnico, titica, que por ser amiguinho do ladrão, que com nossa grana inventou o Itaquerao, se atreve a desafiar o presidente de todos nós.
    A CBF porquê ainda não foi prá BSB?
    Só bandidos comandam aquele instituto do crime organizado!!!

    1. A vaia sonora em Tite e no Lula no Maracanã, só não serve de índice de rejeição para a rede globolixo e Datafolha/Trajano/Bradesco/Itaú

  4. Faltou falar que, praticamente TODOS os ex-presidentes da CBF, foram presos (alguns ainda estão). Com que moral e credibilidade essa gente continua “dirigindo” o futebol?

  5. Perfeito retrato do futebol brasileiro. Decadente , patético ,enfadonho. E um boçal como técnico da seleção brasileira de futebol.

  6. FIFA Men’s Ranking
    1. Belgium – 1828.45 pts
    2. Brazil – 1823.42 pts
    3. France – 1786.15 pts
    4. Argentina – 1766.99 pts
    5. England – 1755.52 pts

    1. Olá, Eduardo.

      Os critérios adotados pela Fifa na construção de seu ranking são pouco precisos. A Bélgica, por exemplo, nunca conquistou uma Copa do Mundo. Mas lidera a lista.

      De toda maneira, aprecio seu comentário.

      Abraço!

  7. ELIMINATÓRIAS DA COPA
    Brasil 42 pts
    Argentina 35 pts
    Equador 25 pts

    Uruguai 25 pts
    Peru 21 pts
    Colômbia 20 pts
    Chile 19 pts
    Paraguai 16 pts
    Bolívia 15 pts
    Venezuela 10 pts

  8. Aqui em Minas corre a notícia de que o Ronaldo não desembolsou ainda esses 400 milhões, foram só 23 de um total 50 se conseguir emplacar novas condições no contrato de intenções. Parece que ele está pensando melhor se vai querer mesmo o negócio.

    1. Olá, José.

      Houve, mesmo, muita confusão em torno do tema nas últimas semanas. O Ronaldo precisou explicar novamente a quantidade de dinheiro que investirá no Cruzeiro.

      Abraço!

  9. Boa matéria, a ser bem expandida ainda. Os motivos da decadência sul-americana mencionados, estão quase todos corretos, exceto estatisticar corridas e velocidade como parâmetros. O futebol sul-americano sempre foi mais cadenciado, a técnica refinada imperando. Como já dizia o maestro meia-armador Didi, bi-campeão pelo Brasil, “quem tem de correr é a bola”.Mas faltam outros motivos graves, como partidas terminando perto da meia-noite, violência entre torcidas organizalhas, torneio inútil da Copa Brasil, favorecimento do físico e tático em detrimento da habilidade, banalização dos erros em campo (passes ruins, chuveirinho na área, atacantes voltando bola, quase extinção das tabelinhas, lançamentos em profundidade e meias pensantes). Perdemos a alma. E o gingado. E a alegria irreverente.

    1. Olá, Silas.

      A intensidade dos times não os impede de praticar um futebol cadenciado. Pense no Barcelona de Pep Guardiola ou na Laranja Mecânica de Rinus Michels. Sem a bola, marcavam de maneira intensa. Com a bola, cadenciavam o jogo. Esses valores podem ser complementares.

      Obrigado pelo comentário.

      Abraço!

  10. Nos dias de hoje, com os clubes quebrados, qualquer jogador que tiver mais de 23 anos de idade e menos de 33 anos e joga no Brasil é por que não sabe jogar futebol, os menos piores desta faixa etária estão no futebol do exterior como jogadores coadjuvantes. Qto aos técnicos a situação é pior ainda, basta ver o incompetente técnico da nossa seleção. As SAFs me parecem ser a única alternativa.

  11. O futebol brasileiro perdeu sua raiz. Os jogadores são verdadeiros metrossexuais, preocupados com a aparência e nem tanto com a qualidade técnica do seu futebol. O perfil dos torcedores, antes o esporte mais inclusivo de todos, mudou completamente e somente endinheirados podem entrar num estádio de futebol. Os produtos credenciados, como uma simples camisa oficial, pode custar até R$ 400,00, o que leva o torcedor mais pobre a apelar para os falsificados. As assinaturas de canais esportivos são absurdas de caras, o que leva a grande massa de torcedores aos gatonets, e assim vai….

      1. O futebol no Brasil é reflexo da situação do país onde poucos com poder (dirigentes e empresários de atletas) se beneficiam em detrimento de todo o esporte. A relação entre estes aparentemente é, eu contrato “seu jogador” e vc me repassa uma parte do salário dele por fora. Por isto que a grande maioria dos clubes está quebrada.
        A seleção brasileira, no meu ver e por enquanto, é impactada apenas pelo atraso de seus treinadores. Como 95% dos jogadores atuam na Europa, naturalmente estes estão enquadrados no que realmente é o futebol hoje (costumo dizer que no Brasil, o que se joga é “briga/má educação com bola”).
        Por tudo isto, que hoje prefiro muito mais ver jogos da Champions, Premier League ou da La Liga que qualquer pelada que temos por aqui. Triste realidade…

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.