A Casa Branca chama o ex-presidente Barack Obama | Foto: Montagem/ Revista Oeste
A Casa Branca chama o ex-presidente Barack Obama | Foto: Montagem/ Revista Oeste

Apertem os cintos, o comandante sumiu

O partido de Joe Biden procura tentar conter o gigantesco dano causado em tão pouco tempo de mandato. E, para isso, nada melhor do que chamar Barack Obama

Não há nada de mirabolante na previsão de que a administração de Joe Biden seria uma catástrofe. Todos, absolutamente todos os sinais de que seu governo seria um desastre estavam escancarados, claros como a luz do dia. E todos esses sinais estão documentados aqui em Oeste numa série de artigos desde 2020.

Em um desses artigos, observo como o antigo Partido Democrata de John Kennedy não existe mais e que o que vemos hoje é um partido com políticas tão democratas quanto as políticas do Psol no Brasil. Muitos leitores entram em contato e me perguntam gentilmente o que, de fato, aquele insight, aquele sinal fez a minha “previsão” ser tão acurada. Vejam, eu adoraria levar o crédito de que algumas “previsões” foram parte de uma análise mirabolante. Mas, como eu disse, não há nada de mirabolante nisso. A única coisa que fiz foi ouvir. Nada de “leitura nas entrelinhas” ou “análises profundas”, não, nada disso. Foi tudo preto no branco. Cada palavra do que está acontecendo foi dita sem rodeios e sem firulas nas primárias democratas, depois nos debates presidenciais com Donald Trump. O problema é que chegou a conta de tanta sinceridade, combinada com uma eleição estranha. E ela chegou como um iceberg gigantesco na frente de um navio sem comandante.

Com Donald Trump, o malvadão do século, fora de cena, Biden agora emplaca um discurso de disco arranhando de que a culpa de todos os problemas na América é de Vladimir Putin. Com o perdão do trocadilho, só faltou combinar com os russos. Em janeiro de 2021, Donald Trump entregou um país, ainda dentro de uma pandemia, já com claros e sólidos sinais de recuperação econômica e com a imagem forte que sempre foi a marca registrada dos norte-americanos na política internacional. A instabilidade trazida pela administração Biden em poucos meses se solidificou de maneira surpreendente: inflação sem controle, desemprego em alta, crise histórica na fronteira sul com a maior imigração ilegal das últimas décadas,  reversão de políticas de independência enérgica da Era Trump, os maiores índices de criminalidade nas grandes cidades norte-americanas dos últimos 12 anos e, claro, o ápice da ineficácia e despreparo do democrata na Casa Branca: a retirada desastrosa e caótica das tropas norte-americanas do Afeganistão, causando a morte de 13 soldados norte-americanos. Isso, até hoje, está entalado na garganta da nação.

“Joe Biden não está ajudando”

E o que era óbvio para aqueles que votam em políticas e não personagens, para aqueles que assistem a debates e entrevistas com o cérebro e não com o fígado, parece ter chegado aonde menos se esperava: na velha imprensa norte-americana. Sim, a velha assessoria de imprensa do Partido Democrata está, dia após dia, dando as costas a Joe Biden. Poderíamos até levantar a teoria de que os militantes das redações querem empurrar Kamala Harris para o Salão Oval, mas Harris é detestada até pelos ativistas do New York Times e Washington Post, motivo pelo qual ela não conseguiu emplacar seu nome como candidata forte nas primárias democratas nem na Califórnia, seu Estado natal, e bateu em retirada sem números expressivos. O nome da vice foi escolhido apenas pela agenda identitária: mulher, negra… A competência de Kamala como política é tão boa quanto a de Dilma Rousseff. Até as gafes no melhor estilo da “presidenta” do Brasil fazem parte do repertório da vice de Biden.

A revista Rolling Stone, por exemplo, declarou recentemente que “Joe Biden não está ajudando”, como se o objetivo fosse “ajudar” como presidente, e não liderar. É sabido que até a própria família de Biden não queria que ele vencesse em 2020. Alguns dos parentes mais próximos do presidente garantiram a amigos que Biden estava concorrendo apenas para aliviar a dor da morte de seu filho dois anos antes, e que sair em campanha pelo país para limpar a cabeça e aliviar o coração era a melhor maneira para fazer isso. Verdade seja dita, o próprio Joe Biden sabia que não ia ganhar. E, durante meses, parecia quase certo que ele não venceria. A primeira apresentação de Biden no debate das primárias democratas, em junho de 2020, foi considerada um desastre. Parecia bastante óbvio que ele não tinha qualquer chance de ser o nome democrata. Logo em seguida, Bernie Sanders começou a ganhar primárias e destaque. O mesmo aconteceu em 2016 e, pelo segundo ciclo presidencial consecutivo, Sanders provou ser o único democrata em campo com apoio de base legítimo. Os doadores viram isso e entraram em pânico. O homem que odeia bilionários! O que ele vai fazer com Wall Street? Alguém pare este senhor!

A cantilena da imprensa

Bernie Sanders era inaceitável para as pessoas que financiam o Partido Democrata, mas havia um problema, as opções eram piores do que tirar Bernie da jogada — como em 2016. Pete Buttigieg, Beto O’Rourke, Elizabeth Warren? Não. Kamala Harris… horrível em todos os níveis. Absolutamente ninguém gostava de Kamala Harris e por boas razões. Então, acabou sendo Joe Biden por alguma chamada executiva de algum deus democrata: “Tirem as teias de aranha do material de campanha de Joe. Todas as nossas fichas estão com ele”. E, claro, a mídia entendeu a mensagem imediatamente. No momento em que Biden foi coroado como o salvador do mundo contra o malvado laranja fascista, a assessoria dos democratas — pode chamar de imprensa mesmo —, já tinha a cartilha na ponta dos dedos e na ponta da língua. Uma rápida pesquisa mostra o manual, quase infantil:

— Jemele Hill, CBS: “É um alívio ter adultos no comando”.

— John Brennan, ex-diretor da CIA de Barack Obama: “Agora temos adultos na Casa Branca”.

— Dana Bash, CNN: “Qualquer um que tenha alguma conexão com a realidade sobre o que está acontecendo ao seu redor deve dizer: ‘Os adultos estão de volta à sala'”.

— Cornell Belcher, MSNBC: “Parece que temos um adulto profissional mais uma vez na Casa Branca”.

— Fareed Zakaria, CNN: “Realmente, o que eu diria é que os adultos estão de volta”.

— Nicolle Wallace, ex-assessora de George W. Bush, MSNBC: “Há uma sensação, eu acho, em todo o mundo, de que os adultos voltaram”.

— Jonattan Capehart, Washington Post, MSNBC: “Temos um adulto na Casa Branca agora e isso é glorioso”.

— Don Lemon, CNN: “Ok! Os adultos estão de volta na sala!”.

Detalhe: Don Lemon, âncora da CNN de um dos importantes telejornais da emissora, chorou ao vivo quando deu o resultado final da eleição de 2020 e noticiou a vitória de Joe Biden. Onde estão os adultos na imprensa?

Chama o Obama!

Biden certamente é um adulto e completará 80 anos neste ano, mas ninguém em Washington acha que a Presidência de Biden é gloriosa. A verdade é que todos sabem que ele é um desastre. As pesquisas mostram que os eleitores concordam com essa afirmação. Os números de sua popularidade só não são mais baixos do que os de Kamala Harris. Joe Biden é a pessoa mais impopular em praticamente qualquer lugar. A poucos meses dos midterms, eleições para a troca de cadeiras na Câmara e no Senado e com a perspectiva de tomada da maioria pelos republicanos nas duas Casas, o partido de Joe Biden procura tentar conter o gigantesco dano causado em tão pouco tempo de mandato. E, para isso, nada melhor do que chamar o queridinho do eleitorado democrata e da imprensa: Barack Obama. O problema é que a emenda saiu pior que o soneto. As imagens da semana de Obama visitando a Casa Branca em reunião pra lá de artificial são constrangedoras até para quem não gosta de Biden.

Depois de uma rápida lua de mel, Biden perde aliados numa velocidade assustadora

Durante a pomposa recepção àquele que foi um dos piores presidentes dos EUA, chamado às pressas para tentar evitar um banho de sangue nas eleições de novembro, o atual presidente dos Estados Unidos, em sua própria Casa, foi evitado como o diabo evita a cruz. Ninguém falava com ele e, em um momento de visível confusão mental, tudo diante de várias câmeras, ele se afasta olhando para o vazio enquanto uma multidão se formava em torno do ex-presidente Barack Obama, que, obviamente, demonstrava muita satisfação pela atenção. Mas nada que já não esteja ruim não possa piorar. Biden tenta entrar em uma conversa que girava em torno de Obama e todos os envolvidos na conversa, incluindo Kamala Harris, que, supostamente trabalha para o atual presidente, ignoraram Joe Biden completamente. Biden tentou desesperadamente chamar a atenção de Obama colando a mão no ombro do queridinho da imprensa norte-americana e de Hollywood. Ele até o chama de “Barack”, como se fossem amigos, mas Obama o ignora e age como se Biden nem estivesse ali. A cena chega a ser desesperadora e triste ao mesmo tempo. O Ocidente na mão de um inepto que não é respeitado nem em sua própria Casa.

Verdade seja dita, para quem vive aqui nos EUA ou acompanha a política norte-americana de perto, Barack Obama nunca gostou de Joe Biden. Nos oito anos em que trabalharam juntos, Obama zombou dele implacavelmente como um velho branco da velha política. Ele fez o possível para manter Biden longe dos holofotes e conseguiu. O narcisista Barack Obama conseguiu fingir durante dois mandatos que havia harmonia entre os dois, mas agora ele não precisa mais fazer isso. E ele fez questão de deixar claro na reunião na Casa Branca quem é quem. As piadas sobre ainda ser o presidente e Biden o vice mostram que Barack não precisa mais bancar o diplomático. Ele pode dizer ao mundo nos termos mais claros possíveis que não tem respeito por Joe Biden, porque, neste momento, ninguém tem respeito por Joe Biden. Até os apoiadores mais fiéis do presidente no puxadinho da imprensa se voltaram contra ele. Depois de uma rápida lua de mel de alguns meses, Biden perde aliados numa velocidade assustadora. Algumas das principais manchetes nesta semana em veículos alinhados ao Partido Democrata não deixam dúvidas:

— ABC News: “A apreensão dos eleitores está maior do que apenas o aumento dos preços ou a guerra da Rússia na Ucrânia. A criminalidade violenta nas cidades norte-americanas permanece persistentemente alta e há um problema crescente na fronteira”.

— CNN: “O índice de aprovação do presidente Biden ainda não atingiu o fundo e vem caindo durante todo o ano”.

— NBC News: “A inflação altíssima está acabando com os salários maiores. Embora os ganhos por hora tenham aumentado 5,6% em relação ao ano passado, um em cada cinco trabalhadores diz que fica sem dinheiro antes de receber o próximo pagamento”.

— ABC News: “Temos uma inflação histórica e preços recordes de combustível. Os norte-americanos estão sentindo isso”.

—Revista Politico: “Os números de Biden caíram dois dígitos com os eleitores jovens, que foram uma grande parte de sua coalizão em 2020”.

Culpa de Vladimir Putin

Então parece que a inflação é real e não é transitória como o governo de Biden anunciou inúmeras vezes em 2021? Então parece que cortar verbas para as forças policiais (Defund the police, slogan de dez entre dez democratas desde 2020) na verdade aumenta o caos e que o crime e a desordem nas cidades também são reais? E, vejam vocês, parece que uma guerra inútil com a Rússia, empurrada pelos democratas beligerantes até para ser usada como cortina de fumaça diante de tantos problemas domésticos, não é tão popular quanto pensavam. De repente, a imprensa resolveu admitir tudo isso. Durante meses, Biden vem dizendo que tudo de ruim que o norte-americano está percebendo ao seu redor é, claro, culpa de Vladimir Putin. E a mídia o apoiou. Mas, de repente, não está mais comprando a bobagem de que os quatro anos de Trump na Casa Branca sofreram interferência russa, nem de que Putin é o grande vilão do caos no cotidiano norte-americano.

Uma das publicações mais esquerdistas dos Estados Unidos, o Politico, nesta semana escreveu um editorial batendo no discurso do democrata: “Toda vez que falamos sobre os preços do combustível, os democratas e o presidente Biden dizem, como sempre, que o aumento de preço é por causa de Vladimir Putin. Eles estão tentando culpar, é claro, o presidente russo e a invasão da Ucrânia pelo salto nos preços, mas, é claro, como as pesquisas sugerem, o presidente norte-americano vai levar muito dessa culpa aqui”. A ABC News tem agora, e de maneira constante, manchetes em seus principais jornais como: “Biden chama aumento de preços como ‘aumento de preço de Putin’, mas a maioria dos norte-americanos não está comprando esse discurso”, e “Com as eleições a apenas alguns meses e a inflação em alta recorde, o presidente agora está colocando a culpa diretamente em Vladimir Putin, mas os norte-americanos já notaram que os preços dos combustíveis já estavam subindo antes que a Rússia começasse esta guerra”. A CNN, carinhosamente apelidada pelos republicanos de “Clinton News Network”, estampou em vários programas a manchete: “A Casa Branca está tentando culpar Putin e as empresas de petróleo e gás pelo aumento dos preços, mas os norte-americanos simplesmente não concordam”.

Questão de sobrevivência

Já está muito claro que o Partido Democrata e sua grande ala na imprensa decidiram descartar Joe Biden. Nunca houve uma ordem oficial para fazer isso, mas o que percebemos é a mente coletiva trabalhando para acabar com a erva daninha do momento. Sem dó. Os democratas têm as mesmas reações porque têm os mesmos instintos: “Biden é fraco, devemos nos livrar dele”. Para a maioria das pessoas, isso soa duro e implacável, ainda mais considerando os anos de janela do democrata no partido. No entanto, no reino animal é uma resposta totalmente natural. É a primeira regra das matilhas. O conhecido fratricídio no reino dos bichos que operam por instinto não é nada pessoal. É apenas uma questão de sobrevivência do grupo, e é exatamente assim que o Partido Democrata opera.

O Partido Democrata opera como operam os balaios coletivistas da turma preocupada com o “bem-estar de todos”. Os indivíduos são irrelevantes. O grupo é tudo o que importa. Ninguém no partido realmente se importa com Joe Biden ou jamais se importou, ou se importa, com George Floyd, Greta Thunberg ou qualquer outra pessoa que é explorada como herói insubstituível para alguma pauta política. Todas as pessoas são dispensáveis. O que importa é o partido e o partido importa porque nos números há poder. E os números de Biden são horríveis. Um dos piores de toda a história dos Estados Unidos da América. E, claro, em algum nível, Joe Biden sabe disso. Ele entende como isso termina. Inevitavelmente, depois de 50 anos no partido, é sua vez de ser eliminado. Como ele vai sair de cena, gritando por misericórdia ou aceitando a derrota como um homem, é a única pergunta. De qualquer maneira, que saia de cena logo. Os Estados Unidos e o Ocidente precisam de uma liderança capaz de reverter os danos de um presidente que, além de inepto, mostra fraqueza. Animais se guiam por instintos, e os tubarões já perceberam que há sangue na água.

Leia também “Uma tragédia anunciada”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

21 comentários Ver comentários

  1. Preocupante o que acontece nos USA. Fantástica a matéria da Ana Paula. Vendo o que está acontecendo nos USA, símbolo da democracia, desenvolvimento e liberdade para o mundo, me preocupa o que pode acontecer no Brasil se seguirmos dando espaço para essa gangue liderada pelo maior ladrão da história do Brasil, Lula e as artimanhas do STF/TSE e a covardia dos Presidentes do Senado e Câmara federal.

  2. Ana Paula…. Meu Deus…. deixe-me recuperar o fôlego diante tão esplendorosa resenha histórica. Uma leitura de tirar o fôlego. E mais, com tristeza, vejo um gigante adorado e querido pelos brasileiros (os EUA!) serem aviltados dessa forma.
    Deus nos salve dessa ameaça que está ai, a seu lado!!!
    Obrigado pela análise cirúrgica e visceral.

  3. A doutrinação é tão grande que não enxergamos a carreta vindo a poucos metros de nossos olhos…

    A continuar assim, seremos prisioneiros e não habitantes do planeta Terra

  4. A opinião de quem está lá ao vivo e a cores, de alguém altamente politizada e com senso crítico apuradíssimo, é muito importante para quem está no Brasil, com a visão enevoada pela imprensa maligna nacional da qual somos reféns. Graças ao bom Deus podemos assinar a Oeste, Brasil Sem Medo, Brasil Paralelo, Gazeta do Povo etc…

  5. Show de bola, belíssimo artigo, um dos melhores da revista Oeste e da gazeta do povo. Agora Rodrigo Constantino, estão tentando fazer o mesmo aqui no Brasil, colocando o ladrão Lula de volta na presidência, claro, tudo combinado com o STF aparelhado.

  6. Excelente texto. Parabéns. Esse finalzinho do texto: “Animais se guiam por instintos, e os tubarões já perceberam que há sangue na água.” Fechou com chave de ouro.

  7. Excepcional como sempre seu artigo, mas devo discordar dos primeiros parágrafos. Se não fosse sua capacidade de “juntar as peças “, a previsão não seria tão certeira.

  8. Pelo jeito, a grande midia dos USA tb faz parte de um ‘consórcio’, como sempre nos lembra G. Fiúza – todos eles mencionaram a suposta ‘volta de uma era ADULTA’ com Biden na Casa Branca, num autêntico jogral bem ensaiado, entre idiotas que pensam ser gente grande…Que incrível esta nossa época, com falta de crítica e excesso de manadas. Artigo EXCELENTE, Ana! Vc é sempre impecável!

  9. é uma pensa que a gente não pode se comunicar com os jornalistas que a gente gosta. Tem muita coisa que só pode ser comentada escondidinho para não levar uma rasteira nas redes sociais, na imprensa ou da patrulha esquerdista.

  10. Go HOME AMERICA!

    Estarrecedor como um povo desse regrediu tanto no conceito MAIOR de civilidade,, intelecto e credibilidade.
    EUA viraram um povo imbecil.
    Até quando teremos esses imbecis WOKE reinando no Ocidente?!

  11. Ana, você é sensacional!!!!! Tenho suspeita que a vitória de Biden foi obtida por métodos não ortodoxos, digamos assim. Oxalá não aconteça nos demais países, inclusive, por certo, no Brasil.

  12. Caramba! Ana, você arrebentou. Mandou bala. Mas a realidade é o que é, apesar das fantasias da imprensa esquerdopata. Parabéns, garota!

  13. Eu sei que é muito difícil porque o sistema capitalista, me parece tá em estágios de fim, mas não existe nenhum, só se subvertermos essa Nova Ordem Mundial, através das soberanias de todos países democráticos, por uma questão de sobrevivência

  14. Ana Paula,
    Boa tarde!
    Sou Pós-doutor em Ciência Política. Gostaria de lhe convidar para fazer uma conferência de encerramento do III Semanário Internacional: Constitucionalismo, Separação de Poderes e Processo Decisório no Brasil.
    Agradeceria alguma contato. Se possível, naturalmente. Meu instagram é: cleberdedeus

  15. Ana, manera aí, Princesa. Biden está doente e muito velho. Putin desejou-lhe “saúde” em vídeo circulando nas redes sociais. Com ele é péssimo, mas com a Dilma Harris será o que?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.