Pular para o conteúdo
publicidade
No livro 1984, de George Orwell, funcionários do Ministério da Verdade trabalham diariamente para reescrever fatos e distorcer a realidade | Foto: Shutterstock
Edição 138

A imprensa faz o papel de Ministério da Verdade

Depois da vitória de Lula, a velha mídia começou a reescrever os fatos e distorcer a realidade

Cristyan Costa
-

“Guerra é paz; liberdade é escravidão; ignorância é força.”
George Orwell (1949)

A epígrafe é uma das mais angustiantes passagens do livro 1984, de George Orwell. Nesta distopia, é o lema do Partido do Grande Irmão e seguida à risca pelo Ministério da Verdade. Nesse órgão do governo imaginário, os funcionários trabalham diariamente para reescrever fatos e distorcer a realidade.

Para ajudar a “pasta”, a Polícia do Pensamento faz a patrulha da sociedade, prendendo dissidentes e promovendo uma série de lavagem cerebral naqueles que divergem do establishment totalitário. Essa ficção saiu das páginas do livro e tornou-se o modus operandi da “grande mídia brasileira”, reunida no consórcio de imprensa.

Ministérios narrados no livro 1984, de George Orwell | Foto: Reprodução

Orçamento secreto é emenda de relator

Desde a vitória de Lula, jornalistas têm se empenhado na missão de mudar o sentido das palavras e até de apagar o passado. A mais recente tentativa de concretizar isso ocorreu com o chamado Orçamento secreto, revelado há pouco mais de um ano pelo consórcio de imprensa como um “escândalo maior que o Mensalão e o Petrolão da era PT”. Segundo o consórcio de imprensa, o governo federal usou uma parte dos recursos do Orçamento destinado às emendas parlamentares para obter apoio de deputados do centrão.

“Em primeiro lugar, é preciso esclarecer que a peça orçamentária é manejada e aprovada pelo Congresso Nacional”, observou o jornalista Silvio Navarro, numa reportagem publicada na Revista Oeste. “Cabe ao Executivo enviar o planejamento de despesas e arrecadação, mas o ajuste é feito pelo Legislativo. Outro detalhe importante é que esses recursos são legais. O resto é o jogo político de Brasília.” Outro dado importante é que o Orçamento não tem nada de secreto, visto que é publicado no Diário Oficial da União.Mesmo com essas informações, o consórcio dedicou várias primeiras páginas para macular a imagem do presidente Jair Bolsonaro, associando-o ao que seria uma prática de corrupção, ignorado inclusive o fato de o chefe do Executivo ter vetado esse mecanismo.

Ao adotar o vale-tudo na cruzada contra Bolsonaro e a “direita” a pretexto de salvar a democracia, essa imprensa ajudou a ressuscitar um cadáver político, a ponto de negar os crimes que ele cometeu

No dia seguinte à vitória de Lula no segundo turno das eleições, o Orçamento secreto virou “emendas de relator” nas capas dos jornais e sites. A Folha de S.Paulo é o caso mais bizarro. A publicação alterou o título da reportagem “Saiba o que é e como funciona o Orçamento secreto”, publicada em 8 de setembro de 2022, para “Saiba o que é e como funcionam as emendas de relator”, depois de alegar no Twitter nunca ter usado o termo “Orçamento secreto”.  A mudança na reportagem consta como feita às 14h53 de 17 de outubro, antes do segundo turno das eleições. No texto original, o termo Orçamento secreto aparecia 25 vezes. Com a revisão, passou para sete. Já emenda de relator foi de três para 15 citações. O informe “atualizado em”, comum em textos editados após a publicação, só apareceu no texto em 4 de novembro. O jornal não explicou por que a mudança repentina.

Outra demonstração de que o jornal se referia às emendas de relator como Orçamento secreto é a notícia publicada em 8 de setembro deste ano, sob o título “Afinal, quem criou o Orçamento secreto?”. Em uma imagem satírica com algumas frases, não há menções ao termo emendas de relator. Mas, três dias depois de Lula ser eleito, o jornal publicava a seguinte manchete: “Centrão e aliados de Lula aceitam negociar mudanças em emendas de relator”.

Foto: Reprodução/Folha de S.Paulo

O portal UOL, do grupo Folha, seguiu a cartilha e, em 3 de novembro, informou que “centrão e aliados de Lula aceitam negociar mudanças em emendas de relator”. Também o jornal O Globo decidiu copiar a concorrência. No mesmo dia da notícia do UOL, disse: “Emenda de relator não é impositiva, dá para negociar, diz Rodrigo Maia, ex-presidente da Câmara dos Deputados”. Sabe-se que Maia (PSDB-RJ) foi um dos articuladores das emendas de relator. O congressista tornou-se rival do presidente Jair Bolsonaro. Em 16 de outubro, porém, O Globo publicou uma reportagem explicativa usando a expressão agora anulada do consórcio: “Bolsonaro criou ou vetou o Orçamento secreto?”.

Foto: Reprodução/ O Globo

Até os 33 milhões de brasileiros que passavam fome no Brasil desapareceram instantaneamente com a vitória de Lula. Em 8 de junho, a Folha repercutiu um levantamento de uma ONG de esquerda que afirmava haver este número de famintos no país. A culpa foi atribuída a Bolsonaro, claro. Nesta quinta-feira, entretanto, três dias depois do anúncio oficial, a edição impressa do jornal trouxe a manchete: “Pobreza foi a menor da história em 2020 em 20 anos, diz Banco Mundial”. A manchete e o subtítulo da reportagem não mencionam que os dados se referem ao Brasil, tampouco que o cenário positivo se deu durante o governo Bolsonaro.

YouTube video

Foto: Reprodução/Folha de S.Paulo


Lula é inocente

Em 28 de outubro, a Folha inspirou-se no Supremo Tribunal Federal (STF) e publicou o texto “Entenda por que Lula é inocente sem ter sido inocentado”. Depois de uma série de explicações tão contraditórias quanto o título, o jornal justifica a inocência do petista: “Ele chegou a ser condenado pelo então juiz Sergio Moro e por Tribunais Superiores na Lava Jato, mas as ações foram anuladas pelo STF por duas razões técnicas: Moro agiu com parcialidade para punir o líder petista, e as causas deveriam ter tramitado no Distrito Federal.”

Dois dias antes, fora a vez de o jornalista William Bonner, da TV Globo, absolver Lula durante a sabatina no Jornal Nacional (JN). Antes de começar as perguntas, o âncora disse: “O senhor não deve mais nada à Justiça”.

Lockdown é mentira

Com o mesmo cinismo que reescreveu o passado de Lula, a velha imprensa decidiu apagar a forma como lidou com o lockdown. Ainda no JN, a jornalista Renata Vasconcellos tentou “dar uma invertida” em Bolsonaro. O presidente dissera que fora contra o lockdown na pandemia de covid-19, enquanto a imprensa tradicional e a classe artística manifestaram-se a favor do isolamento social. Renata afirmou que a mídia defendeu o fique em casa, “se puder”, acrescentou no final da frase. Um vídeo de 2020 mostra o contrário. A jornalista pede às pessoas para ficarem em casa “até que venha a orientação para sair”.

YouTube video

A apresentadora do programa Roda Viva, Vera Magalhães, foi um pouco mais longe e negou a existência de um lockdown no Brasil, fingindo não ter visto os vários Estados fechando comércios e prendendo quem desobedecesse às “medidas sanitárias”. Em um tuíte, ela escreveu que o país “nunca teve um lockdown em momento algum”. Posts de redes sociais resgatados na internet mostram a jornalista em momentos do lazer e recomendando que todos “quarentenem-se”. 

Ao adotar o vale-tudo na cruzada contra Bolsonaro e a “direita” a pretexto de salvar a democracia, essa imprensa ajudou a ressuscitar um cadáver político, a ponto de negar os crimes que ele cometeu. Enquanto isso, nada fez para impedir a perseguição promovida pela “Polícia do Pensamento” do Tribunal Superior Eleitoral a veículos de comunicação independentes, a exemplo do jornal Gazeta do Povo, a emissora Jovem Pan e a própria Revista Oeste.

“Durante o governo Bolsonaro, a imprensa conseguiu ultrapassar o simples status de partido de oposição”, constatou o sociólogo Eduardo Matos. “Particularmente, chamou atenção um consenso estabelecido em muitas redações de que seriam permitidos ‘atos de exceção’ contra o governo e seus apoiadores, em nome de uma suposta defesa da democracia.”

Ao distorcer a realidade e calar-se diante da tirania, esses veículos de comunicação viraram verdadeiros Ministérios da Verdade. E transformaram em realidade o que até Orwell duvidou que um dia se tornaria real.

Leia também “Começou a vingança”

11 comentários
  1. Paula Meotti
    Paula Meotti

    Eu sempre comento que me sinto em 1984… incrível como Orwell conseguiu descrever o modus operandi da esquerda.

  2. Osni Selenko
    Osni Selenko

    Informação falsa se chama Fake News. Por que não fazem nada a respeito disso? Ou esse tratamento é parcial? Só pra um lado?

  3. José Tadeu de Araujo
    José Tadeu de Araujo

    Atenção; The Big bald watch you!

  4. FERNANDO GRACIANO PREVIDELLO
    FERNANDO GRACIANO PREVIDELLO

    Excelente Texto. Infelizmente a ficção virou realidade.!

  5. Marcio Cruz
    Marcio Cruz

    E o Levandovisk palpitou que o Ministro da Defesa deve ser um civil.

    Com certeza os ministros do STF devem ser juizes concursados.
    Que respeitem a Constituicao.
    Que nao emitam opiniao sobre tudo (inclusive questoes politicas)

  6. Luiz Wargha
    Luiz Wargha

    impressiona a mediocridade destes jornalistas.

  7. Edney souza Rocha
    Edney souza Rocha

    O que mais me preocupa e angustia particularmente, é a certeza de que esse filme de terror não vai parar e só está começando agora. Fomos engolidos pela ficção que se fez real a nossa revelia. 1984 é 2022. George Orwell só errou o ano.

  8. Evangelina de Fátima Schroeder
    Evangelina de Fátima Schroeder

    “A sensação de ter sido despojado de alguma coisa que tinha o direito de possuir. Sensação de logro!”
    George Orwell, no livro “1984”.

    Sim estamos 12 dias após a eleição e a sensação permanece, meu espírito inquieto buscou a raiz desse estado de alma. Lembrei de uma frase, um poema perdido em minha memória,
    “Não estamos alegres,
    é certo,
    mas também por que razão
    haveríamos de ficar tristes?
    O mar da história
    é agitado.” V.Maiakovski
    Na busca por auto conhecimento, uma pergunta. Porque não estamos alegres?
    Somos perseguidos por um homem que representa uma ideia, uma doença ou uma perseguição de demônios? Talvez, os três, contidos em uma célula cancerosa no corpo do Brasil.
    Lula voltou!
    4 anos sem o fantasma, hoje eu chamo de “O GRANDE IRMÃO”, como no livro 1984, acima citado.
    Vem acompanhado de um séquito (olhares de aves de rapina) em direção à Tomania, quer dizer Brasilia.

  9. Jose Carlos Rodrigues Da Silva
    Jose Carlos Rodrigues Da Silva

    E deu certo, agora é “desdizer” tudo, já que o ladrão já ganhou a presidência. Com certeza eles são mesmo uma organização criminosa, e a população caiu de novo. Quando José Dirceu já tinha falado ” vamos tomar o poder diferente de ganhar eleição”. Agora é esperar o que vem por aí.

  10. Bolso Mito
    Bolso Mito

    No Brasil ocorreu a vitória das urnas.

  11. Marcus
    Marcus

    O pior é a surpresa de muitos. Aqueles que não notaram que isso não era verdade não podem ser inocentes ou desinformados. Só podem ser chamados de cegos.

Anterior:
‘O estado de espírito modula o sistema imunológico’
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 225
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.