Senador Randolfe Rodrigues | Foto: Alessandro Dantas/Flickr
Senador Randolfe Rodrigues | Foto: Alessandro Dantas/Flickr

Randolph Scott não merecia

O pai do Randolfe dos chiliques quis homenagear o mocinho de faroeste

O senador Randolfe Rodrigues tem tanta intimidade com o futebol que, se alguém o levasse para ver um Fla-Flu no Maracanã, faria ao acompanhante a mesma pergunta que o marido da grã-fina ouvia nas crônicas de Nelson Rodrigues: “Quem é a bola?”. É compreensível que o representante do Amapá tenha enxergado na Fifa um tribunal incumbido de enquadrar torcedores fascistas, sobretudo os que cometem atos antidemocráticos contra devotos da seita que tem num ladrão o seu único deus.

Fingindo-se inconformado com as agressões verbais sofridas no Catar por Gilberto Gil, Randolfe exigiu que a Fifa identificasse e punisse os autores do crime antes de encerrada a fase de grupos. Alguém deve ter-lhe soprado que, com exceção de Alexandre de Moraes, os piores alunos de Direito aprendem que não existe crime sem lei anterior que o defina. O fato é que o senador enfim descobriu que cabe ao Legislativo, não ao Supremo Tribunal Federal, criar ou aposentar normas legais. E vai apresentar ao Congresso a figura jurídica do assédio ideológico. Se a invencionice for infiltrada no Código Penal, vai dar cadeia amolar ministros do Supremo numa rua de Nova Iorque ou artistas a caminho de um estádio.

Bastará invocar a Lei Randolfe, como foi corretamente batizado o besteirol. Ao concebê-la, o pai da ideia não pensava nos xingamentos que estragaram o feriadão dos superjuízes, nem nos insultos endereçados a Gil. Pensava na anônima brasileira que o interpelou sem rodeios num aeroporto. O sorriso confiante que enfeitou o início da curta troca de palavras denuncia o erro de avaliação: ele achou que seria cumprimentado pela participação num piquenique ecológico no Egito. Desconcertado com o tom inquisidor, sacou da garganta a réplica criada por Roberto Barroso e recitou-a cinco vezes: “Perdeu, mané!”.

Se a Lei Randolfe já estivesse em vigor, o viajante assediado faria o que faz desde que foi remetido ao Senado por eleitores do Amapá: pediria ajuda ao Supremo Tribunal Federal. Só neste ano, o único senador filiado à Rede Sustentabilidade encaminhou ao Pretório Excelso, em média, uma representação por semana. Em janeiro, o pedinte profissional solicitou a apuração de infrações administrativas praticadas por Augusto Aras, procurador-geral da República (janeiro). Nesta quinta-feira, reivindicou ao ministro Alexandre de Moraes a inclusão no inquérito das fake news da deputada federal Carla Zambelli e do pastor evangélico Silas Malafaia.

Entre o primeiro mês do ano e o começo do último, Randolfe pediu ao STF que investigasse a viagem do presidente Jair Bolsonaro à Rússia e verificasse se o governo Putin pretendia interferir no processo eleitoral brasileiro, que decretasse o impeachment do ministro da Educação, Milton Ribeiro, que castigasse Bolsonaro por ter-se reunido com embaixadores estrangeiros, que anulasse decisões tomadas pelo ministro da Justiça, Anderson Torres — tudo somado, que deixasse claro que, embora a Constituição informe que os três Poderes são iguais e independentes entre si, o Judiciário é mais igual e, portanto, manda nos outros e no momento governa o Brasil.

Decididamente, nome não é destino. Quando o filho nasceu em Garanhuns, o sindicalista Januário Rodrigues resolveu homenagear o ator Randolph Scott, que estrelou dezenas de faroestes entre 1940 e 1960. O Randolph pernambucano virou Randolfe quando se tornou político no Amapá. Mas as semelhanças com o original americano nunca foram além do prenome. Para começo de conversa, Randolph Scott é sempre o mocinho da história. Randolfe Rodrigues só anda com bandidos.

O cowboy de Hollywood vivia travando combates solitários contra bandos de malfeitores ou hordas de navajos ou sioux. O assustadiço anti-herói de Macapá, na hora do perigo, esconde-se debaixo de togas. Randolph mandava chumbo. Randolfe manda representações ao STF e pedidos de socorro a pistoleiros amigos. As diferenças se tornam abissais quando se ouve e se contempla o homenageado e o que deveria ser uma homenagem.

Na tela, um homem com 1,90 metro e voz de tenor enuncia frases sensatas. No plenário do Senado, o xará miniaturizado prova de meia em meia hora que acessos de cólera não combinam com fala fina. Irônico, o destino castigou Randolfe com o timbre de castrato. Quando se irrita — e ele vive irritado —, o que se ouve não é o som da fúria. É o berreiro estridente que um chilique requer. E o que se vê não é o espetáculo da ira. É só um faniquito, tão assustador quanto o choro de bebê de colo.

 

 

Leia também “Fora, Lula!”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

72 comentários Ver comentários

  1. Resolvi acatar a sugestão da Paula Leal na Oeste Sem Filtro (Rumble.com, 26/01/23) sobre “Randolph Scott Não Merecia – O pai do Randolfe dos chiliques quis homenagear o mocinho de faroeste”, me diverti muito com sua crônica, pândega, realista, desnudando esse personagem “freaky”, bobo da corte de esquerda. A escrita dos bem aventurados corta que nem fio de navalha, é dom divino, por isto, inatingível aos invejosos, destituidos do talento. A arma dos medíocres é a censura.

  2. Eu quero que alguém me aponte pelo menos uma ação desse cumunista no senado é um Baba ovo Um palhaço da corte recebendo essa quantia exorbitante sem produzir nada

  3. “Menino mimadinho”, vai ficar de castigo, um mês sem apresentar nada para o seu “amiguinho da creche” analisar para você! E se for chorar, o faça na cama que é lugar quentinho!!
    Desculpem o desabafo!! Kkkkkkk

  4. O estado do Amapá já nos deu algumas pérolas. Não dá para entender como podem eleger essa gazela. Não podemos esquecer que elegeram várias vezes o Sarney que nem da terra era, assim como esse Randolfe.

  5. Gazela saltitante é o nome popular escolhido para ilustrar tamanho imbecil. É muito interessante o que o eleitor pode fazer com seu voto. Uma figura que não tem um mínimo de compromisso com o mandato, não tem qualquer capacidade de representar o estado membro que o elegeu e muito menos os negócios públicos. Para quem ama representações junto ao STF deveria observar o que seus pares fazem, ou melhor, NÃO FAZEM, como no caso de punir os ministros que mais que comportam como ativistas políticos que juízes, por exemplo, isto nem pensar não é Randolfe?

  6. Desconhecia a sua cidade natal e lamento que tão agradável cidade do agreste pernambucano tenha sido berço de pelo menos duas deploráveis criaturas.de nossa política.

  7. Essa figura patética e histérica é apenas um peão no negro tabuleiro do mecanismo que retornou com o ladrão à cena do crime. É o garoto incumbido de “acordar” o STF – que já sabe que será acordado – em desfavor dos liberais e conservadores. Possui a ferocidade de um poodle adestrado pela petralhada e seus vassalos (STF e TSE inclusos), quando o assunto é defender os ideais dos seus donos. Fidelidade à canalhice o garoto tem! Apenas um obediente peão nesse tabuleiro…

  8. Meus Colegas Guerreiros Brasileiros, que tal pedirmos para um grande jurista como Ives Gandra, ou outro especialista, redigir um projeto de lei com o voto distrital puro com recall, iniciativa de lei, referendo de lei e retenção ou não de juiz?

    Depois conseguimos um deputado para propor e já teremos um número de projeto de lei para colocar em cartazes em manifestações e exigir aprovação.

    Teoricamente até jovens de esquerda poderiam concordar, pois é uma ferramenta de democracia apartidária. Só a cúpula da esquerda, que sabe que precisa de certa ditadura, iria discordar discretamente.

    Bora redigir e propor? 💪💪💪💪💪

      1. Não temos congresso: impor ter um congresso requer a força do povo nas ruas. O que temos é algum deputado para ingressar com o projeto de lei na CCJ. Depois, votar e aprovar, só com muita manifestação popular.

  9. Tenho um irmão por nome Billy, em homenagem ao grande Billy Graham. Minha mãe homenageou o grande orador, colocando no filho o seu nome para que sempre se lembre de fazer as coisas certas e lembrar quem o seu nome representa, como se fosse um antepassado a ser seguido.
    Sempre assisti o faroeste do Randolph, mas jamais pensei que o senador tivesse o nome de Randolfe por conta daquele mocinho das telas preto e branco de minha casa.
    Este senador está mais pra fazer parte da música do Renato Russo, “Faroeste caboclo”, mas com o nome de Jeremias.

  10. Pois é nem os nossos personagens de nossa infância bem vivida com justiça se salvam dessa hecatombe humana… ia falar de um outro personagem mas ai eu iria ofender o personagem e não o protótipo… deixa pra lá!
    Ademais excelente texto!

  11. Lembrei de uma estória que me contou o saudoso compadre Leny Queiróz: era sócio de um clube de cowboys, com direito a chapéu de John Wayne e tudo o mais que um verdadeiro apaixonado por filmes de cowboy tem direito. Pois bem, um belo dia os sócios receberam uma circular determinando que não mais poderiam ver filmes estrelados por Randolph Scott. O motivo? Ele era uma desonra para a classe, já que apanhava muito até revidar. Como se vê, os Randolfos gostam de apanhar, sejam eles autênticos varapaus ou gabirus.

  12. Excelente artigo! Compartilho uma hipótese sobre direita e esquerda:

    Eureka?

    Tenho uma hipótese de que a esquerda votante se trata de uma elite pequena que, com imprensa principalmente mas também com o stf, consegue trazer dezenas de milhões de votos de pessoas que não são de esquerda de verdade mas, sim, convencíveis e convencidas por uma imprensa de elite, o consórcio.

    Agora a eureka: eureka!

    A direita não. Ela é direita mesmo. Eureka então:

    Se a direita cancelar assinaturas e deixar de consumir produtos, serviços e serviços jornalísticos de esquerda, a contrapartida do outro lado não acontece. Eureka!

    Os votantes na esquerda foram convencidos superficialmente. Não são atuantes, são mais manobráveis que atuantes. Por isso não se manifestam. Nem online, nem nas ruas. São ocultos.

    A esquerda que se manifesta é a caviar direta, aquela que, realmente, come caviar. Uma minoria genuinamente interessada em manter privilégios. Esta minoria-caviar manobra dezenas de milhões de votantes. Por pouco tempo: em queda está essa massa manobrável e a imprensa que manobra, a tradicional.

    Portanto, novamente, concluo: eureka!

    A direita, de fato engajada por inteiro, já somando dezenas de milhões de pessoas, aumenta seu próprio crescimento, o crescimento das ideias de estado enxuto, voto distrital puro com recall, fim de juiz vitalício, etceteras, sabotando produtos, serviços e serviços jornalísticos de esquerda, sem temer a contrapartida do lado de lá. O engajamento cá, na direita, é muito mais poderoso do que lá, na esquerda.

    Assim, enxergo uma tendência de uma população brasileira com ideias mais à direita, cada vez mais rapidamente, com nossa própria ajuda.

    É apenas uma hipótese. Com um eureka, uma ideia possível. ☀️

  13. Excelente artigo! Assinei a revista Oeste, também, pelo jornalista Augusto Nunes. Quase morri de rir, apenas da seriedade ado assunto. Esse senador é uma vergonha!

    1. Ao responder esganiçadamente ‘perdeu mané! perdeu mané!, perdeu mané!” assumiu algo que todos nós já sabíamos. Não tem respeito pelos cidadãos. Nem o merece.

  14. Os partidos nanicos tem no STF o que o voto não os deu – poder na tribuna. Lamento que o estado do Amapá, tenha eleito um senador (Sarney) que nunca morou lá e tenha o “voz de castrado” como dito na crônica

  15. Não gosto dos métodos do castrato do norte, o senador saltitante da matéria, mas acho que seus pares deveriam tratá-lo de forma igual: afogá-lo com representações sucessivas e insistentes contra tanto no stf quanto na comissão de ética do senado. Se o sujeito não ganha no voto, não pode ganhar no grito como esse sujeito vem ganhando naquela repartição randolfiana que se transformou o stf.

  16. Um comentário nota 10 em torno de um senador que espera garantir seus votos para uma próxima eleição se se comportar histrionicamente se interpretar em plenário o papel do grande idiota, que de fato é..

  17. E o enorme sucesso desse despachante no STF mostra a qualidade dos iluminados de notável saber jurídico e ilibada reputação que formam a CORTE SUPREMA.
    Parabenizo Augusto Nunes e gostaria que nos proporcionasse um artigo relatando as votações desse inútil senador contra todas as reformas, como a trabalhista, previdenciária, a MP871 de combate às fraudes da previdência, medidas econômicas e saneadoras do governo Bolsonaro e pasmem, votou contra o MARCO LEGAL DO SANEAMENTO BÁSICO, mesmo sendo a capital MACAPA de seu estado AMAPA a pior entre 100 cidades brasileiras em SANEAMENTO BASICO. Esse inútil é pernambucano e a exemplo de SARNEY, é senador pelo AMAPA. Esse é o nosso SENADO. Para que precisamos de 3 inúteis desses por estado? Não basta 1?

  18. Criado pela vó no apartamento, lendo Carta Capital, tomando gemada, empinando pipa no ventilador, de Iphone top e namorando via site de relacionamentos sapienssexual (acho que é assim que escreve, mas não importa).

  19. Bem, permita-me a intimidade, pois são quase 8 anos de um convívio com o “servidor púbico”, Ran. Quem paga seus altos salários e mordomias são os pagadores de impostos deste país, que espero continue se chamando Brasil com S. Então quando um empregado desrespeita seus patrões, os humilha, usa indevidamente os “EPIs” e “instalações físicas” que lhe são disponibilizadas, a demissão pode se dar por justa causa. Só penso, porque o que verbalizaria seria censurado

  20. Faz parte do rodízio. De primeiro jogavam já fora das 4 linhas, passando a bola mensal ou bimestralmente, de togado para togado. As saias atrapalhavam os talibas, e estão passaram a ordenar “postes”, pachecos e scotts.

  21. Oito anos para um mandato de senador é muito tempo. Suportar lixo como esse Randolfo Fala Fina por oito anos é tempo demais para uma democracia séria. É preciso reduzir o mandato para 6 anos ou 4 anos. Ou então deveria ser feito uma consulta popular no final de 4 anos pra saber se o sujeito merece ficar mais quatro no cargo.

  22. “No plenário do Senado, o xará miniaturizado prova de meia em meia hora que acessos de cólera não combinam com fala fina”…… chilique…….faniquito….. Perfeito Augusto!!!

  23. O problema não é Randolfe. É que vota nele. Também a esquerda no geral sempre fez o choroso e a conivência pra da poder aos supremos. É preciso equilibrar isso com um Direita mais atuante pra combater esses Randolfes chiliquentos

  24. Que ser bizarro, ridículo, este Randolfe…sem bom senso, sem equilíbrio, sem apresentar nenhum projeto no senado para o bem do país…só show de faniquitos…

  25. Augusto
    Ler vc tirar leite de pedra quando fala de um energúmeno e retardado mental desta natureza nao deixa de ser interessante mas não gaste vela com este lixo….

  26. Essa menina é intragável, e só aparece com espaço que a “velha mídia” lhe concede, porque ambos se encontram no mesmo plano de vibração, e colherão os mesmos frutos!

  27. E ainda vou chamar as Forças Armadas com maiúsculos, agora se continuarem infurnados nas casernas sem nos ouvir vou tirar essa deferência.

  28. Um farsante travestido de político. Randolfe é, em essência, tudo o que não deveríamos ter no espectro político. “Dize-me com quem andas que dir-te-ei quem és….”

  29. Ia fazer um comentário mas o texto está tão bem feito, e que reflete de fato esse sujeitinho de 5a categoria, que não vale nem a pena.

  30. Uiiiiii… o asqueroso ao lado do velho babão… mal consegue manter os lábios unidos… o trágico dessa fala é o gajo não perceber que as acusações ao Presidente em exercício deveriam ser uma pura auto-análise sobre o que esses esquerdalhos e seus aliados dos poderes empurram goela abaixo dos decentes brasileiros de bem! Tudo o que acusam, praticam desavergonhadamente! Ugh!

  31. Um país onde um vagabundo de tudo capaz para com sua psicopatia insana e criminosa terceirizar uma corte que deveria ser suprema e virou o ânus fétido de uma nação pôdre é apenas o fiel retrato da Greta Thunberg dos Trópicos ou dejetos pútridos infectos que nos levam onde merecemos … o Brasil é hoje a lixeira do planeta.

    1. Sempre há eleitores para eles. Lembre-se que Alcolumbre e Omar Azis, por exemplo, foram reeleitos agora em 2022 para mais oito anos de mandato.

  32. Esse Senadorzinho já passou da hora de cair fora da vida publica, um ser desprezível que tem em seu único objetivo prejudicar tudo que for de direita, um homem desses não deveria passar nem perto de uma candidatura, alias todo politico deveria ter no maximo 2 mandatos e ja era vida publica, somente assim p acabar com esses tipos que aparecem!!!!!

      1. Meu Deus, vou externar meu sentimento,com todo o respeito que o autor do texto merece, Augusto Nunes, eu te amo!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.