Pular para o conteúdo
publicidade
A vereadora Sonaira Fernandes é a entrevistada no programa As Liberais | Foto: Márcio Komura/Revista Oeste
Edição 147

‘Não rezo a cartilha do politicamente correto’

A secretária da Mulher do governo de SP, Sonaira Fernandes, relata sua experiência como vereadora na capital paulista e conta o que pretende fazer pelas mulheres no Estado

Revista Oeste
-

Cristã e antifeminista, a vereadora Sonaira Fernandes foi atacada nas redes sociais, depois de ter sido escolhida pelo governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas, para assumir a Secretaria da Mulher. Ela foi a convidada desta semana do programa As Liberais.

Natural de Riachão do Jacuípe, interior da Bahia, ela veio para São Paulo em busca de oportunidade. Conseguiu um emprego como operadora de telemarketing, estudou Direito e chegou a trabalhar como estagiária de Eduardo Bolsonaro, à época escrivão da Polícia Federal. Foi assim que conheceu a família Bolsonaro e passou a se interessar pela vida política. Eleita vereadora em 2020 pelo partido Republicanos, foi a única candidata em São Paulo que teve apoio do então presidente Jair Bolsonaro.

Ela diz que foi recebida com frieza pelos colegas vereadores em razão de suas posições políticas e ideológicas. “A minha história não interessa para os movimentos, os agitadores de minorias. Sou uma mulher negra e nordestina, mas a história não interessa para eles porque eu não rezo a cartilha do politicamente correto.” Sonaira também critica o radicalismo dos movimentos feministas. “O movimento feminista se transformou em um movimento político e desagregador. Não posso acreditar em um movimento que acha que a culpa de todo ódio que existe hoje é do patriarcado. O movimento feminista quer colocar o ódio entre os sexos”, afirma.

Apresentado pelas jornalistas Branca Nunes e Paula Leal, o programa As Liberais vai ao ar toda terça-feira, às 20h30. Semanalmente, a dupla conversa com mulheres de destaque no cenário nacional. Aproveitem este espaço para sugerir nomes de entrevistadas que vocês gostariam de ver por aqui. E não deixem de se inscrever no nosso canal no Rumble – revistaoeste/rumble.

Veja também: O feminismo é um dos maiores cânceres da sociedade

3 comentários
  1. José Bento da Silva
    José Bento da Silva

    O problema do “politicamente correto” é que não se trata de uma fantasia ou melindrice localizada. É um movimento internacional, de força descomunal, originada das maiores instituições do Mundo. O “politicamente correto” visa, basicamente, as novas gerações, o que quer dizer: quando os mais velhos se forem, ficam os novatos, já todos assenhorados desse modelo político, via Escola. Hoje, ainda se pode dizer que não concorda com o “politicamente correto”, mas, lá na frente, quem não aceitar vira um pária social, indivíduo da pior espécie, indigno de galgar qualquer posição social relevante. O “politicamente correto” é um modelo social irreversível, como se pode ver, em abundância, em todas as instâncias de Poder, onde ninguém se atreve a se opor, senão que apenas acanhada e veladamente, até onde ainda é permitido um certo grau de divergência.

    1. Paulo Miranda
      Paulo Miranda

      Não acredito que o politicamente correto seja uma “força irreversível” – sempre que posso destrato quem me censura via o politicamente correto, a pessoa fica pianinho.

      1. José Bento da Silva
        José Bento da Silva

        É como eu falei. Você protesta porque está na idade de crítica. Rapazinhos e mocinhas de 15 anos não têm a sua visão, e serão (estão sendo) facilmente engolidos pelo Sistema Internacional. Quando você se for, não haverá mais ninguém para protestar, e o Sistema, enfim, vence. Eles estão com a faca e o queijo na mão.

Anterior:
‘O estado de espírito modula o sistema imunológico’
Próximo:
Carta ao Leitor — Edição 225
Newsletter

Seja o primeiro a saber sobre notícias, acontecimentos e eventos semanais no seu e-mail.