Foto: Shutterstock

Acreditar em sexo biológico se tornou um crime?

No Reino Unido, uma estudante de direito pode ser expulsa da universidade por dizer que 'mulheres têm vagina'

As universidades não estão mais preocupadas em formar seus estudantes. Pelo menos, se “formar” significa transmitir conhecimento, facilitar discussões e debates, ou encorajar os estudantes a ler sobre tudo, fazer perguntas e se envolver em pesquisas próprias. As universidades estão mais preocupadas em policiar as opiniões de seus alunos. A educação agora tem um papel secundário em relação a um projeto que parece muito mais importante: treinar os jovens para se conformar com a visão de mundo “descolada”.

Essa é a única explicação possível para o que aconteceu com Lisa Keogh, estudante de direito na Universidade Abertay, em Dundee, na Escócia. No momento, Keogh está enfrentando um processo disciplinar e possível expulsão do curso. Seu crime? Ela cometeu uma transgressão. Ousou questionar um ponto central da ideologia progressista — que o sexo não passa de um rótulo arbitrariamente atribuído no nascimento e que a autodeclaração de gênero é o mais importante.

Keogh está sendo investigada por afirmar, durante um seminário sobre estudos de gênero, feminismo e direito, que as mulheres têm vagina e não são fisicamente tão fortes quanto os homens. Ela disse ao The Times: “Eu não pretendia ofender ninguém. Estava participando de um debate e apresentei minhas opiniões sinceras. Fui agredida e xingada por outros estudantes, que me disseram que eu era uma ‘típica garota branca e cis’”. Por causa dessa blasfêmia, a ambição de Keogh de se tornar advogada pode estar arruinada.

Submeter uma aluna a processo disciplinar por comentários como esse faz pouco sentido do ponto de vista educacional. Ela disse algo falso? Supostamente, a universidade pode chamar os professores de biologia para arbitrar e, no processo, ensinar um pouco de ciência aos estudantes. Ou foi o fato de que ela disse algo não aceito pela doutrina progressista corrente? Muitas feministas radicais também acreditam que mulheres têm vagina e que as diferenças entre os sexos são reais. Então toda uma linha de pensamento feminista foi banida pelo que se entende hoje por estudos de gênero e feminismo? O governo lançou diversas investigações sobre a legislação relacionada ao reconhecimento de gênero. Então os estudantes de direito agora estão impedidos de discutir essas importantes questões legais?

Qualquer professor digno do cargo teria usado os comentários de Keogh como oportunidade para ensinar. Ela levantou pontos importantes para uma discussão que permitiria que a sala toda aprendesse mais sobre ciência, teoria feminista e direito. Em vez disso, a aluna está sendo investigada por seus comentários “ofensivos e preconceituosos”, e também por discordar de colegas de classe sobre o uso de “generalizações redutoras”, como “todos os homens são estupradores”. De novo, que ótima oportunidade para demonstrar a importância da clareza linguística ao discutir a lei.

As faculdades policiam o que pode e o que não pode ser dito em palestras e seminários

Estudantes de direito que se encolhem diante de argumentos discordantes levarão um susto enorme quando confrontados com a realidade de um tribunal adverso. Se eles consideram algumas palavras ofensivas demais para ser utilizadas, não vão conseguir lidar com os crimes reais que as pessoas que aparecem nos tribunais são acusadas de cometer. Se os estudantes não conseguem discutir a possibilidade de os homens serem mais fortes do que as mulheres na segurança de um seminário acadêmico, como vão lidar com os detalhes gráficos de um assassinato ou um estupro num tribunal?

O debate deveria estar no centro do ensino superior. Keogh sabe disso melhor que seus professores. “Você precisa ser capaz de expressar opiniões divergentes; caso contrário, não é um debate”, diz ela. Mas na universidade descolada a discordância é proibida. Espera-se que os estudantes entrem na linha ou fiquem quietos. Durante um seminário, que foi realizado por Zoom, o palestrante responsável supostamente cortou o microfone de Keogh e a impediu de participar. Quando é tão fácil silenciar os estudantes, não constitui surpresa que tão poucos professores estejam exigindo um retorno às aulas presenciais.

As universidades estão menos preocupadas com o ensino superior e mais com a doutrinação dos alunos na ideologia progressista. Os estudantes são submetidos a aulas de consentimento, treinamentos sobre diversidade e códigos disciplinares que policiam o que pode e o que não pode ser dito em palestras e seminários. Os alunos podem sair da universidade tendo lido pouco, discutido menos ainda e incapazes de formular um pensamento crítico. Mas serão fluentes no vocabulário descolado que muda o tempo todo e saberão exatamente que expressões usar para cancelar os blasfemadores.

Talvez essa fosse a lição. A definição da Universidade Abertay de conduta imprópria inclui “uso de linguagem ofensiva” e “discriminação de questões de identidade de gênero”. Essa linguagem repete boa parte da legislação nacional sobre a Lei de Igualdade, o registro dos incidentes de ódio que não são crimes e a Lei de Comunicações Maliciosas. A definição generalizante de “ofensivo” também se reflete em locais de trabalho pelo país. Ao silenciar e investigar Lisa Keogh, tragicamente, a Universidade Abertay está fazendo exatamente o que instituições de ensino superior em toda parte parecem considerar seu papel principal: preparar jovens adultos para um local de trabalho em que relacionamentos pessoais e profissionais sejam estabelecidos com base nos códigos progressistas. No processo, os estudantes sob seus cuidados estão se tornando não liberais, intolerantes e ignorantes.

Para o bem de todos, precisamos que as universidades acordem para a importância da liberdade acadêmica, para que elas não doutrinem outra geração para a visão de mundo descolada.

Leia também “Universidades sob o comando de tolos militantes”


Joanna Williams é colunista da Spiked e diretora da Cieo, onde publicou recentemente How Woke Conquered the World.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

13 comentários

  1. Desse jeito, chegará o dia em que eu poderei ser preso se não aceitar uma proposta de relacionamento de um homossexual… serei acusado de homofobia.

      1. Os comunistas desistiram do proletariado e agora procuram catequizar os estudantes desde a tenra idade.

  2. Se o sexo não passa de um rótulo arbitrariamente atribuído no nascimento e que a autodeclaração de gênero é o mais importante, por que eu não posso me declarar bilionário ou rei da Noruega? Não pode?!… Declarar-se mulher, mesmo usando barba e bigode pode?! Que chato… Está na hora de aqueles que possuem inteligência básica sair por aí com um pedaço de lenha nas mãos. O imposto que eu recolho paga esses vagabundos inúteis.

  3. Que palhaçada esse tal comportamento progressista que as minorias, apoiadas pela esquerda, querem impôr à maioria e toda a humanidade. Tenho pena dos que estão entrando nas escolas e universidades atualmente, e que estão sendo obrigados a tolerar esse besteirol! Espero que haja uma reação dos lúcidos,que ainda são maioria, para enterrar essa boçalidade que vai contra a natureza humana.

  4. Lá e cá, os mesmos problemas. O que fazer para reverter tal situação? Talvez, seja importante fundar novas escolas, faculdades e universidades; alterar a legislação nacional; e fortalecer as revistas, os jornais e outros instrumentos de comunicação e jornalismo, responsáveis e honestos, tais como: Oeste, BSM, Gazeta do Povo, Cidade on LINE, Brasil Paralelo etc…

  5. Acabei de comentar no artigo sobre uso do pronome neutro… e minha preocupação sobre tais assuntos me atormentam, pois sou professor, e vejo que há de chegar o dia em que isso vai me prejudicar fortemente no trabalho, pois me posiciono contra essas ideias de esquerda, e cada vez mais os alunos estão vindo pra cima na intenção de intimidar.

  6. Isto é uma insanidade! O simples fato de não permitir a manifestação de ideias divergentes em um seminário já seria um absurdo, imagine submeter a aluna a uma investigação. Que tempos sombrios!

  7. Quando leio esse tipo de situação, começo a torcer para que os muçulmanos realmente tomem a Europa. Quem sabe assim, essa baboseira que só se cria por falta do que fazer acabe. Queria ver essa turminha num regime talibã dizendo que nem sempre mulheres tem vagina….

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site